gazeta de varginha - 11/12/2013

Download Gazeta de Varginha - 11/12/2013

Post on 29-Mar-2016

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 8.887

TRANSCRIPT

  • Pgina 2

    PONTOPONTOPONTOPONTOPONTO DEDEDEDEDE VISTVISTVISTVISTVISTAAAAA

    Gnesis 02

    Mx: 25 / Mn: 20

    A formao do homem

    Prefeitos se renem em Varginhapara discutir crise dos municpios

    Pelo menos 60% dos municpios mineiros tero srias dificuldades para fechar suas contasOs prefeitos das ci-

    dades-membro da Asso-ciao dos Municpios daMicrorregio do BaixoSapuca Ambasp, sereuniram ontem paradiscutir e buscar solu-es para a grave crisepor que passam os mu-nicpios da regio. E en-caminh-las ao Estado ea Unio. A previso deque em Minas Gerais,pelo menos 60% terosrias dificuldades parafechar suas contas. Al-

    guns sequem tero re-cursos para pagar o 13salrio.

    Uma melhor alter-nativa, segundo o pre-feito de Varginha, Ant-nio Silva, seria uma re-viso do Pacto Federati-vo para que as receitastivessem uma distribui-o mais justa. Tudo issoleva a uma situao degrande presso nos pre-feitos, lamentou.

    Polcia Civilprende

    suspeitosde dois

    homicdiosem Varginha

    Obra de creche nobairro Carvalhos estparada h 6 meses

    Artigo:

    Dia do Engenheiro

    LOCAL/PGINA 04LOCAL/PGINA 05 LOCAL/PGINA 05

    LOCAL/PGINA 03

    LOCAL/PGINA 03

    As obras da nicacreche que est sendoconstruda no BairroCarvalhos, em Vargi-nha, esto paralisadasdesde julho deste ano, oque tem causado trans-tornos s 473 famlias do

    bairro que poderiamcontar com o servio. Aconstruo teve inco emmaro de 2013, onde fo-ram investidos mais deR$ 615 mil.

    EDIO 8.887R$ 1, 00 VARGINHA, 11 DE DEZEMBRO DE 2013

    DEUS FIEL

    PONTO DE VISTAPGINA 02

    Segundo a polcia,os dois homens fo-ram detidos em casa,no bairro Trs Bicase levados para a de-legacia.

    PGINA 09

    Por Alencar deSouza Filgueiras

    Caravana IluminadaCoca Cola faz sucessonas ruas de Varginha

    gazetadevarginha@gmail.com

    www.jornalgazetadevarginha.com

    facebook.com/gazetavga

    twitter.com/gazetavarginha

  • CNPJ: 21.535.075/0001-47

    A redao no se responsabiliza

    por conceitos emitidos em artigos

    assinados, mesmo sob

    pseudnimos, que so de inteira

    responsabilidade de seus autores.

    Dirio de CirculaoRegional - Diretora

    Administrativa:Ana Maria Silva Piva -Jornalista Responsvel:

    Lanamara Silva -MTB -8304 JP - Editor:Rodrigo S. Fernandes

    Sindjori - MG 312/99 -Administrao/Reviso:Lanamara Silva - Paulo

    Ribeiro da Silva Fernan-des

    (Jornalista e superinten-dente de redao-

    TB.16.851) - Horrio defuncionamento das08:00hs s 18:00hs

    ABRAJORI - AssociaoBrasileira de Jornais do

    InteriorSINDJORI - Sind. Prop. de

    Jornais e Revistas doInterior

    ADJORI - Associao dosJornais do Interior

    ADI - Associao dosJornais do interior de

    Minas Gerais

    ENDEREO:Redao e Departa-mento de Publicidade

    Av. dos Imigrantes, 445

    Telefones

    (35)3221-4668

    (35)3221-4845

    - Santa Maria - CEP37022-560 -

    VARGINHA/MGE-mail: gazetade

    varginha@gmail.comgazetacomercial2@yahoo.

    com.brEndereo eletrnico:

    www.gazetavarginha.com.br

    Gnesis 2

    Palavras de Vida

    11 DE DEZEMBRO DE 201302 | GAZETA DE VARGINHA

    PONTO DE VISTA

    A formao do homem

    1 - ASSIM os cus,a terra e todo o seuexrcito foram acaba-dos.

    2 - E havendoDeus acabado no diastimo a obra que fize-ra, descansou no sti-mo dia de toda a suaobra, que tinha feito.

    3 - E abenoouDeus o dia stimo, e osantificou; porquenele descansou detoda a sua obra queDeus criara e fizera.

    4 - Estas so as ori-gens dos cus e da ter-ra, quando foram cri-ados; no dia em que oSENHOR Deus fez aterra e os cus,

    5 - E toda a plantado campo que aindano estava na terra, e

    toda a erva do campoque ainda no brotava;porque ainda o SE-NHOR Deus no tinhafeito chover sobre a ter-ra, e no havia homempara lavrar a terra.

    6 - Um vapor, po-rm, subia da terra, eregava toda a face daterra.

    7 - E formou o SE-NHOR Deus o homemdo p da terra, e so-prou em suas narinaso flego da vida; e o ho-mem foi feito alma vi-vente.

    8 - E plantou o SE-NHOR Deus um jar-dim no den, do ladooriental; e ps ali o ho-mem que tinha forma-do.

    9 - E o SENHOR

    Deus fez brotar da ter-ra toda a rvore agra-dvel vista, e boapara comida; e a rvo-re da vida no meio dojardim, e a rvore doconhecimento do beme do mal.

    10 - E saa um riodo den para regar ojardim; e dali se divi-dia e se tornava emquatro braos.

    11 - O nome do pri-meiro Pisom; este oque rodeia toda a ter-ra de Havil, onde houro.

    12 - E o ouro dessaterra bom; ali h obdlio, e a pedra sard-nica.

    13 - E o nome do se-gundo rio Giom; este o que rodeia toda a

    terra de Cuxe.14 - E o nome do

    terceiro rio Tigre;este o que vai para olado oriental da Ass-ria; e o quarto rio oEufrates.

    15 - E tomou o SE-NHOR Deus o homem,e o ps no jardim doden para o lavrar e oguardar.

    16 - E ordenou oSENHOR Deus ao ho-mem, dizendo: De todaa rvore do jardim co-mers livremente,

    17 - Mas da rvoredo conhecimento dobem e do mal, dela nocomers; porque no diaem que dela comeres,certamente morrers.

    18 - E disse o SE-NHOR Deus: No

    bom que o homem es-teja s; far-lhe-ei umaajudadora idnea paraele.

    19 - Havendo, pois,o SENHOR Deus for-mado da terra todo oanimal do campo, etoda a ave dos cus, ostrouxe a Ado, paraeste ver como lhes cha-maria; e tudo o queAdo chamou a toda aalma vivente, isso foi oseu nome.

    20 - E Ado ps osnomes a todo o gado, es aves dos cus, e atodo o animal do cam-po; mas para o homemno se achava ajudado-ra idnea.

    21 - Ento o SE-NHOR Deus fez cairum sono pesado sobre

    Alencar de SouzaAlencar de SouzaAlencar de SouzaAlencar de SouzaAlencar de SouzaFilgueirasFilgueirasFilgueirasFilgueirasFilgueiras

    A escolha da profis-so de grande impor-tncia para a vida doindivduo. o caminhoque o levar a conquis-ta da vida pelo trabalhono dia a dia, tornando-o mais feliz e fazendofelizes aqueles que comele colaboram na cons-truo do seu ideal.

    Ser engenheiro no fcil precisose entregar ao trabalhocom responsabilidade,coragem, dedicao erespeito por si mesmoe pelos seus colabora-dores porque a enge-nharia como o prprionome indica um en-genho onde todas aspeas tm seu valor nosucesso do todo que sepretende construir.

    No h na socie-dade moderna ne-nhum campo de ativi-dade em que o enge-nheiro no esteja pre-sente atravs de seutrabalho. Desde a cons-

    truo de imensas bar-ragens para aproveitardos rios a energia el-trica que d vida a ci-dades e vilas, at oshospitais, com seusequipamentos sofisti-cados colocados a ser-vio da sade do ho-mem.

    Desde os locaisermos e longnquos quese comunicam com osgrandes centros urba-nos atravs da telem-tica, at o fundo dosoceanos de onde se re-tira o petrleo que mo-vimenta todos os mei-os de transporte, o en-genheiro exerce um pa-pel fundamental na

    construo da historiada humanidade.

    Por isso, ser en-genheiro exige vocaopara tal, para que tudose realize em uma ca-minhada harmoniosaem busca das vitrias.

    A complexidadedo mundo modernomarcada pelo espeta-cular avano da cinciae da tecnologia obrigouo engenheiro a se espe-cializar para, traba-lhando com os outrosprofissionais, ser capazde solucionar novosproblemas emergen-tes. Mas, ao mesmotempo em que o conhe-cimento especfico

    essencial na sua forma-o, o mundo que seapresenta para ele no um mundo divididoem especializaes, esim um mundo inteiro,complexo, exigindodele uma viso amplae integrada para suacompreenso, umapostura ousada de es-prito inovador e em-preendedor, e, sobretu-do, um olhar solidrioe humano para a reali-dade social, em especi-al, dos mais desafortu-nados.

    As Associaes,os Sindicatos, Institu-tos e Conselhos dosEngenheiros deveriamse empenhar em forta-lecer cada vez mais asmetas da Cidadania es-treitando no dia a dia,o relacionamento entreos engenheiros e a ca-deia da ConstruoCivil visando sempre ocrescimento e a valori-zao da engenhariabrasileira bem como, oprogresso da regio,em conforto e seguran-

    Dia do Engenheiro

    Ado, e este adorme-ceu; e tomou uma dassuas costelas, e cerroua carne em seu lugar;

    22 - E da costelaque o SENHOR Deustomou do homem, for-mou uma mulher, etrouxe-a a Ado.

    23 - E disse Ado:Esta agora osso dosmeus ossos, e carne daminha carne; esta serchamada mulher, por-quanto do homem foitomada.

    24 - Portanto deixa-r o homem o seu pai ea sua me, e apegar-se- sua mulher, e seroambos uma carne.

    25 - E ambos esta-vam nus, o homem e asua mulher; e no seenvergonhavam.

    a para seus habitan-tes.

    Sozinhos, nadaconseguimos, porm,de mos dadas, numapoio assduo e frater-no seremos, sempre,NS para a grandezade nossa comunidade,

    sob as bnos de Deus.

    Alencar de SouzaAlencar de SouzaAlencar de SouzaAlencar de SouzaAlencar de SouzaFilgueirasFilgueirasFilgueirasFilgueirasFilgueiras

    Engenheiro Civil,Segurana, Meio ambi-ente e Avaliao/Per-cia. Diretor Adminis-trativo do IBAPE/MG

  • Prefeitos se renem em Varginhapara discutir crise dos municpios

    Pelo menos 60% dos municpios mineiros tero srias dificuldades para fechar suas contas

    GAZETA DE VARGINHA | 0311 DE DEZEMBRO DE 2013LOCAL

    Os prefeitos dascidades-membro daAssociao dos Muni-cpios da Microrregiodo Baixo Sapuca Ambasp, se reuniramontem para discutir ebuscar solues para agrave crise por quepassam os municpiosda regio. E encami-nh-las ao Estado e aUnio. A previso deque em Minas Gerais,pelo menos 60% terosrias dificuldadespara fechar suas con-tas. Alguns sequemtero recursos parapagar o 13 salrio.

    Uma melhor alter-nativa, segundo o pre-feito de Varginha, An-tnio Silva, seria umareviso do Pacto Fe-derativo para que asreceitas tivessem umadistribuio mais jus-ta. Tudo isso leva auma situao de gran-de presso nos prefei-tos. Porque o cidado

    no mora no estado ouna unio.