gazeta de varginha - 13/03/2014

Download Gazeta de Varginha - 13/03/2014

Post on 25-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 8.945

TRANSCRIPT

  • PGINA 02

    PONTO DE VISTA

    xodo 02

    Mx: 30 / Mn: 19

    Nascimento e educao de Moiss

    Preo do caf sobe 60% e atingemaior cotao dos ltimos 5 anos

    Apesar de algumas

    chuvas recentes, o

    tempo quente e seco

    nas principais regies

    produtoras de caf do

    Brasil no incio deste

    ano j afetou o desen-

    volvimento dos gros

    da temporada 2014/

    15. Pesquisadores da

    regio do Sul de Mi-

    nas e do Estado de So

    Paulo destacam que

    esse cenrio tem ele-

    vado expressivamente

    os preos externos e

    domsticos do arbica.

    Em dois dias,

    mais de 100

    meninas so

    vacinadas

    contra HPVem Varginha

    EDIO 8.945R$ 1, 00 VARGINHA, 13 DE MARO DE 2014

    DEUS FIEL

    Prefeitura reinicia obras de creches dos

    bairros Damasco e Sagrado Corao

    LOCAL/PGINA 05

    De acordo com especialistas, a cafeicultura j alcana o melhor incio de ano desde 1997

    Desde o comeo

    deste ano, o Indicador

    do Centro de Comr-

    cio de Caf de Minas

    Gerais (CCCMG), com

    sede em Varginha,

    para o caf arbica

    tipo 6 bebida dura j

    subiu 60% em relao

    ao ano passado, um

    aumento de 190 reais/

    saca. Nesta tera-fei-

    ra (11/02), cotao fe-

    chou em R$ 475/saca

    de 60 kg.

    LOCAL/PGINA 03

    A Prefeitura de Var-ginha reiniciou as obras

    de construo de duas Es-

    colas de Educao Infan-

    til (creches), uma no bair-

    ro Damasco, na Avenida

    Ieda Carvalho Silva,2.200 e outra no bairro

    Sagrado Corao, na rua

    Jos Alves Ferreira, 95.

    As escolas sero des-

    tinadas ao programaPr-Infncia, e quando

    prontas cada uma vai

    oferecer 240 vagas para

    crianas de 0 a 5 anos de

    idade do seu bairro e re-

    gio.

    LOCAL/PGINA 06

    Nutrio: Clnica-Escola sucesso em atendimento

    populao de Varginha

    LOCAL/PGINA 04

    MPT abre inscries paraestgio; h vaga para

    a unidade de VarginhaLOCAL/PGINA 03

    gazetadevarginha@gmail.com

    www.jornalgazetadevarginha.com

    facebook.com/gazetavga

  • 1 - E FOI um ho-mem da casa de Levi ecasou com uma filha deLevi.

    2 - E a mulher con-cebeu e deu luz umfilho; e, vendo que eleera formoso, escondeu-o trs meses.

    3 - No podendo,porm, mais escond-lo,tomou uma arca dejuncos, e a revestiu combarro e betume; e, pon-do nela o menino, a psnos juncos margemdo rio.

    4 - E sua irm pos-tou-se de longe, parasaber o que lhe haviade acontecer.

    5 - E a filha de Fa-ra desceu a lavar-seno rio, e as suas donze-las passeavam, pela

    margem do rio; e ela viua arca no meio dos jun-cos, e enviou a sua cria-da, que a tomou.

    6 - E abrindo-a, viuao menino e eis que omenino chorava; e mo-veu-se de compaixodele, e disse: Dos meni-nos dos hebreus este.

    7 - Ento disse suairm filha de Fara:Irei chamar uma amadas hebrias, que crieeste menino para ti?

    8 - E a filha de Fa-ra disse-lhe: Vai. Foi,pois, a moa, e chamoua me do menino.

    9 - Ento lhe disse afilha de Fara: Leva estemenino, e cria-mo; eu tedarei teu salrio. E amulher tomou o menino,e criou-o.

    10 - E, quando o me-nino j era grande, ela otrouxe filha de Fara,a qual o adotou; e cha-mou-lhe Moiss, e disse:Porque das guas o te-nho tirado.

    11 - E aconteceu na-queles dias que, sendoMoiss j homem, saiu aseus irmos, e atentoupara as suas cargas; eviu que um egpcio feriaa um hebreu, homem deseus irmos.

    12 - E olhou a um ea outro lado e, vendoque no havia ningumali, matou ao egpcio, eescondeu-o na areia.

    13 - E tornou a sairno dia seguinte, e eis quedois homens hebreuscontendiam; e disse aoinjusto: Por que feres a

    CNPJ: 21.535.075/0001-47

    A redao no se responsabilizapor conceitos emitidos em artigos

    assinados, mesmo sobpseudnimos, que so de inteira

    responsabilidade de seus autores.

    Dirio de CirculaoRegional - Diretora

    Administrativa:Ana Maria Silva Piva -Jornalista Responsvel:

    Lanamara Silva -MTB -8304 JP - Editor:Rodrigo S. Fernandes

    Sindjori - MG 312/99 -Administrao/Reviso:Lanamara Silva - Paulo

    Ribeiro da Silva Fernan-des

    (Jornalista e superinten-dente de redao-

    M.T.TB.16.851) - Horriode funcionamento das

    08:00hs s 18:00hs

    ABRAJORI - AssociaoBrasileira de Jornais do

    InteriorSINDJORI - Sind. Prop. de

    Jornais e Revistas doInterior

    ADJORI - Associao dosJornais do Interior

    ADI - Associao dosJornais do interior de

    Minas Gerais

    ENDEREO:Redao e Departa-mento de Publicidade

    Av. dos Imigrantes, 445

    Telefones(35)3221-4668(35)3221-4845

    - Santa Maria - CEP37022-560 -

    VARGINHA/MGE-mail: gazetade

    varginha@gmail.comgazetacomercial2@yahoo.

    com.brEndereo eletrnico:

    www.gazetavarginha.com.br

    Palavras de Vida

    13 DE MARO DE 201402 | GAZETA DE VARGINHAPONTO DE VISTA

    Nascimento e educao de Moissxodo 02

    Gilmar Silvrio

    Costuma-se dizerque a educao deveauxiliar a preparar nos-sas crianas e adoles-centes para os desafiosdo mundo. Como educa-dor e militante da rea,no tenho a menor d-vida quanto a essa im-portncia e necessidade.

    Ainda mais nos diasde hoje, em que as ma-nifestaes de rua e osrolezinhos concentramuma quantidade enor-me de jovens. Ao invs

    teu prximo?14 - O qual disse:

    Quem te tem posto a tipor maioral e juiz sobrens? Pensas matar-me,como mataste o egpcio?Ento temeu Moiss, edisse: Certamente estenegcio foi descoberto.

    15 - Ouvindo, pois,Fara este caso, procu-rou matar a Moiss; masMoiss fugiu de dianteda face de Fara, e ha-bitou na terra de Midi,e assentou-se junto a umpoo.

    16 - E o sacerdote deMidi tinha sete filhas,as quais vieram tirargua, e encheram os be-bedouros, para dar debeber ao rebanho de seupai.

    17 - Ento vieram os

    de meramente criticaresses fenmenos, obri-gao da escola e dosprofessores compreen-der e trazer esses assun-tos ao centro do debate.

    Para tanto, nunca demais lembrar dos en-sinamentos de PauloFreire, que sempre bus-cou entender a educa-o atravs do cotidianovivenciado pelo aluno esua famlia.

    Esse olhar mais hu-mano e fraterno es-sencial para evitar situ-aes que nem de longe

    refletem o que se espe-ra para a formao denovos cidados.

    Quando nos esque-cemos desses preceitos,corremos o srio risco deficarmos merc de pos-turas inadequadas,como a ocorrida na re-cente mobilizao con-tra o aumento da tarifade nibus, na cidade doRio de Janeiro, que re-sultou na morte do cine-grafista Santiago An-drade, atingido por umrojo.

    No sou contra as

    pastores, e expulsaram-nas dali; Moiss, porm,levantou-se e defendeu-as, e deu de beber ao re-banho.

    18 - E voltando elasa Reuel seu pai, ele dis-se: Por que hoje tornas-tes to depressa?

    19 - E elas disseram:Um homem egpcio noslivrou da mo dos pasto-res; e tambm nos tirougua em abundncia, edeu de beber ao reba-nho.

    20 - E disse a suas fi-lhas: E onde est ele?Por que deixastes o ho-mem? Chamai-o paraque coma po.

    21 - E Moiss consen-tiu em morar com aque-le homem; e ele deu aMoiss sua filha Zpora,

    22 - A qual deu luz um filho, a quemele chamou Grson,porque disse: Peregri-no fui em terra estra-nha.

    23 - E aconteceu,depois de muitos dias,que morrendo o rei doEgito, os filhos de Isra-el suspiraram por cau-sa da servido, e cla-maram; e o seu clamorsubiu a Deus por cau-sa de sua servido.

    24 - E ouviu Deuso seu gemido, e lem-brou-se Deus da suaaliana com Abrao,com Isaque, e comJac;

    25 - E viu Deus osfilhos de Israel, e aten-tou Deus para a suacondio.

    manifestaes popula-res. Pelo contrrio, de-fendo a participao daspessoas em protestospacficos como uma ma-neira legtima de reivin-dicar e lutar pelos seusdireitos.

    Apoio, inclusive, apresena de crianas eadolescentes nessesatos, acompanhados porresponsveis, como for-ma de despertar nelasesprito cvico e consci-ncia crtica sobre os te-mas do dia a dia. Poroutro lado, sou radical-

    Sobre rolezinhos e manifestaes de ruamente contrrio pos-tura dos black blocsque, por meio da vio-lncia, acabam apenasgerando mais violncia.

    dever da escolacontribuir para que odebate sobre esses as-suntos e outros sejamrealizados na sala deaula. Isso incentivar oexerccio da cidadania.Caso contrrio, perma-neceremos refns deuma viso conservado-ra e preconceituosa.

    Precisamos garantir

    o direito de ir e vir daspessoas. Da mesma ma-neira, temos de assegu-rar que elas possam semanifestar livremente.Da que a educao fundamental nessa per-cepo e na preparaode cidados conscientesde seu papel na socie-dade.

    Gilmar Silvrio pro-fessor da rede estadualde ensino e secretriode Educao de SantoAndr.

    O Escorpio e o Ser HumanoGilclr Regina

    Conta-se que ummestre do Oriente viuquando um escorpioestava se afogando edecidiu tir-lo da gua,mas quando o fez, o es-corpio o picou.

    Pela reao de dor, omestre o soltou e o ani-mal caiu de novo nagua e estava se afo-gando de novo.

    O mestre tentoutir-lo novamente e no-vamente o animal o pi-cou. Algum que estavaobservando se aproxi-mou do mestre e lhe dis-

    se: Desculpe-me,

    mas voc teimoso! Noentende que todas asvezes que tentar tir-loda gua ele ir pic-lo?

    O mestre respondeu: A natureza do es-

    corpio picar, e isto novai mudar a minha, que ajudar. Ento, com aajuda de uma folha omestre tirou o escorpioda gua e salvou suavida.

    A reflexo : Nomude sua natureza sealgum te faz algummal; apenas tome pre-caues. Alguns perse-

    guem a felicidade, ou-tros a criam.

    Preocupe-se maiscom sua conscincia doque com a sua reputa-o. Porque sua consci-ncia o que voc , esua reputao o que osoutros pensam de voc.E o que os outros pen-sam, no problemanosso... problema de-les.

    E voc pode no sero dono do mundo, mas filho do dono. Voc nas-ceu