aspectos psicologicos do paciente oncológico

Download Aspectos psicologicos do paciente oncológico

Post on 24-Jan-2018

1.092 views

Category:

Health & Medicine

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Belm-PA

    2015

  • CONCEITO

    CNCER O NOME DADO AUM CONJUNTO DE MAIS DE 100

    DOENAS QUE TM EM

    COMUM O CRESCIMENTO

    DESORDENADO DE CLULAS,

    QUE INVADEM TECIDOS E

    RGOS.

  • BREVE HISTRICO

    4.000 ANOS aC povos egpcios, Persas e Indianos

    FOI A ESCOLA DE MEDICINA DE HIPCRATES NA GRCIA (PIONEIROS PORSEPARAR A MEDICINA DA MAGIA) que primeiramente definiu a doena como um

    tumor duro que, muitas vezes, reaparecia depois de extirpado.

    AT O SCULO XVI a medicina consideravam que a doena era umdesequilbrio dos fludos corpreos e/ou um desequilbrio do sistema

    linftico.

    SOMENTE NO SCULO XVIII ITALIANOS E FRANCESES - o cncer comouma unidade especfica localizada em uma parte do corpo /compreenso

    que os rgos tinham em diferentes tecidos que, por sua vez, eram afetados

    por diferentes tipos de cncer / metstase

  • BREVE HISTRICO

    SCULO XIX, COM O AUMENTO DOS CONHECIMENTOS DE TCNICASCIRRGICAS E O CRESCENTE INTERESSE DOS MDICOS PELA ONCOLOGIA,

    COMEARAM A SURGIR OS PRIMEIROS CASOS DE SUCESSO EM

    PROCEDIMENTOS CIRRGICOS COMO A REMOO DE UM TUMOR NO

    ESTMAGO (1881) E A MASTECTOMIA (1890)

    SCULO XX DESCOBERTA DO RAIO-X / RADIOTERAPIA E QUIMIOTERAPIA /CIRURGIA E HORMONIOTERAPIA.

  • 10%

    Morte Sbita

    90%

    Doena

    Crnica e

    Prolongada

  • O CNCER

    ATUALMENTE A SEGUNDA CAUSA DE MORTE NO MUNDO OCIDENTAL

  • TUMORES FREQUENTES

    HOMENS SO DE PRSTATA, PULMO, ESTMAGO,CLON E RETO E ESFAGO;

    MULHERES, PREDOMINAM OS CNCERES DE MAMA, COLOUTERINO, CLON E RETO, PULMO E ESTMAGO.

  • PSICOONCOLOGIA 1970

    CAMPO INTERDISCIPLINAR DA SADE QUE ESTUDA A INFLUNCIA DEFATORES PSICOLGICOS SOBRE O DESENVOLVIMENTO, O TRATAMENTO

    E A REABILITAO DE PACIENTES COM CNCER. (PACIENTE/FAMLIA E

    PROFISSIONAIS)

    DEVE SER ENTENDIDA COMO UM INSTRUMENTO QUE VIABILIZAATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO CAMPO DA SADE, DESDE A

    PESQUISA CIENTFICA BSICA AT OS PROGRAMAS DE INTERVENO

    CLNICA.

  • AVALIAR

    1 O IMPACTO DO CNCER NO FUNCIONAMENTO EMOCIONAL DOPACIENTE, DE SUA FAMLIA E DOS PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS

    EM SEU TRATAMENTO;

    2 - O PAPEL DAS VARIVEIS PSICOLGICAS E COMPORTAMENTAISNA INCIDNCIA E SOBREVIVNCIA DO CNCER.

  • ACOMPANHAR

    A DOENA ONCOLGICA ACOMPANHADA DE MARCADOSOFRIMENTO PSICOLGICO QUE ATINGE O DOENTE E A

    FAMLIA

    MOMENTO DE ADAPTAOANSIEDADE / DEPRESSOREAES EMOCIONAIS

  • ACOMPANHAR

    1- INCERTEZA ACERCA DO FUTURO 2- BUSCA DE UM SIGNIFICADO 3- PERDA DE CONTROLE4- NECESSIDADE DE DILOGO 5- O SEXTO SINAL VITAL

  • INTER-RELAO

    CONHECER O PACIENTERESGASTAR VIDA NESSES PACIENTESREVELAO SEUS MEDOS, DESEJOS, EMOES

    E SENTIMENTOS

  • PROCESSO

    sade

    Corpo e Mente

    doena

    medos, desejos, emoes e sentimentos

  • FASES

    1

    Preveno

    Diagnstico

    2 Tratamento

    3

    Cura

    Terminalidade

  • ... antes de mais, acolher o outro... Ousar a

    comunicao, numa abertura feita de tolerncia, de

    calor humano, de autenticidade WARSON, 1998.

    ACOMPANHAR

    percorrer uma parte do caminho ao lado de algum

    at um destino cuja natureza desconhecemos. No se

    trata de lhe propormos percorrer o caminho no seu

    lugar ( RAVEZ; 1998) , mas sim de o auxiliar na sua

    caminhada.

    Confronto de emoes,

    exposio a diversos

    tipos de sofrimento para

    todos os intervenientes

  • A solido e a perda necessitam

    ser trabalhadas

    (Dimenso psquica)

    AMPLO ESPECTRO DE

    INTERVENO

    (Dimenso espiritual)

    s vezes a tarefa do artista

    descobrir quanta msica ainda

    pode tocar com aquilo que lhe

    resta Itzhak Perlman, 1995

    Doente e famlia so alvo do

    cuidar

    (Dimenso fsica e social)

    CUIDADO

  • SER QUE OS DOENTES SE SENTEM BEM ESTANDO NESTES

    CUIDADOS?

    Medo

    Revolta

    Raiva

    Perda de rumo

    DesesperanaApoio

    Carinho

    Orientao

    Segurana

    Alivio

    Aceitao

  • PORQU O APOIO FAMLIA?

    Faz parte integrante do cuidado.90% dos doentes morrem doena crnica e prolongada.

    As famlias vivem situaes de grande stress

    As famlias no esto preparadas para cuidar dos

    seus entes queridos

    Maioria prefere a morte em casa, embora no

    acontea.

    Famlia prefere cuidar em casa, se tiver apoio

    adequado.