toxina botulÍnica. introduÇÃo  a toxina botulínica é uma potente neurotoxina produzida pelo...

Download TOXINA BOTULÍNICA. INTRODUÇÃO  A toxina botulínica é uma potente neurotoxina produzida pelo clostridium botulinum, um bacilo Gram-positivo, anaeróbico

Post on 07-Apr-2016

251 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • TOXINA BOTULNICA

  • INTRODUO

    A toxina botulnica uma potente neurotoxina produzida pelo clostridium botulinum, um bacilo Gram-positivo, anaerbico estrito, que pode ser encontrado no solo e tambm em colees de gua doce ou salgada em todo mundo. Os esporos de C. botulinum so bastante resistentes, podendo sobreviver por mais de 2 horas a uma temperatura de 100C. Estes esporos podem ser encontrados em alimentos e, se ingeridos, podem levar ao botulismo infantil, com produo de toxina botulnica no intestino grosso do hospedeiro. Considerada como a substncia mais letal conhecida atualmente, a toxina botulnica possui dose letal mdia (DL50- dose da toxina capaz de levar morte 50% da populao a ela exposta) de 1 nanograma de toxina por quilograma de peso corporal. Pode levar ocorrncia de botulismo alimentar se ingerida e absorvida por hospedeiros susceptveis atravs de fontes alimentcias contaminadas com a toxina pr-formada. a dose que define se uma substncia ser, de fato, um veneno.Assim, apesar da toxina botulnica ser considerada como uma das substncias mais txicas da natureza, ao longo dos anos, tem-se explorado o potencial teraputico desta neurotoxina, que vem sendo utilizada para o tratamento de enfermidades neurolgicas, oftlmicas e tambm com finalidade cosmtica.

  • CLORISTIDIUM BOTULINUM

  • ESTRUTURA DA TOXINA BOTULNICAA toxina botulnica(BTX), apresenta sete sorotipos, designados de A-G, apresentando algumas diferenas em seu stio de ligao. O botulismo clnico em humanos causado pelos sorotipos A, B, E, F e potencialmente pelo G. A toxina sorotipo A foi a primeira a ser isolada e purificada e a mais comumente utilizada para fins teraputicos. Apesar da toxina A ser amplamente usada, a toxina B vem sendo empregada para fins estticos. O sorotipo B foi aprovado pelo FDA/USA para utilizao na distonia cervical. Apesar de todos os sorotipos apresentarem o mesmo mecanismo de ao, isto , inibirem a liberao da acetilcolina ( um neurotransmissor do sistema colinrgico amplamente distribudo no sistema nervoso autnomo, bem como em certas regies cerebrais), dos nervos terminais, o alvo protico, bem, como as caractersticas de ao e a potncia de cada sorotipo, variam consideravelmente. O sorotipo A est sendo utilizado como Botox.O complexo macromolecular de cada sorotipo tem uma tamanho aproximado de 300 a 900 KDa.Quando sintetizado pelo clostridium a neurotoxina apresenta-se como uma cadeia polipeptdica simples(cadeia que resulta da unio de vrios aminocidos), de aproximadamente 150 KDa. Nesta forma a toxina apresenta pouca potncia. A ativao da neurotoxina ocorre quando a molcula de 150 KDa clivada pela protease da bactria, gerando, desta forma, dois fragmentos polipeptdicos unidos por uma cadeia dissulfdica.

  • MECANISMO DE AO DA TOXINA BOTULNICAO modo de ao fundamental da BTX inibir a transmisso neuromuscular atravs do bloqueio da liberao extracelular de Acetilcolina (Ach). A neurotoxina botulnica ao inibir a liberao da acetilcolina na juno neuromuscular pr-sinptica (Placa motora ou juno neuromuscular ou juno mioneural uma sinapse entre neurnio e msculo esqueltico. A protena de ligao utilizada nesta sinapse a SNAP25 o neurotransmissor liberado a acetilcolina. O receptor o colinergico nicotnico), ocasiona uma paralisia flcida. O mecanismo da transmisso neuromuscular ocorre quando um potencial de ao despolariza a terminao nervosa promovendo a liberao do neurotransmissor: Acetilcolina ela sintetizada no citoplasma a partir de acetil-coa e colina atravs da enzima cataltica colina acetiltransferase. O neurotransmissor transportado do citoplasma dentro de vesculas por um removedor de prtons. A Acetilcolina liberada das vesculas sinpticas aps o influxo de ons clcio, causando assim a desestabilizao da vescula aps reao com protenas de fuso associadas membrana vesicular. Estas protenas associadas s vesculas , so as VAMPs( vescula associada a membrana e protenas). Cada protena apresenta papel especfico no mecanismo de exocitose ( o processo pelo qual uma clula eucaritica viva liberta substncias para o fluido extracelular). A sua ao resulta da paralisia dos msculos e se for extensa a paralisia do diafragma pode impedir a respirao normal e levar morte por asfixia. Para exercer sua ao a toxina botulnica absorvida atravs do trato gastrintestinal atinge a corrente sangunea e transportada at os terminais neuromusculares. Se a via de infeco se d atravs da pele lesionada, a toxina transportada ao sistema linftico e da levada aos terminais neuromusculares, onde internalizada por um mecanismo envolvendo as vesculas endocticas/lisossomais, mediado por receptores.

  • Ela bloqueia a transmisso sinptica excitatria e provoca paralisia flcida atravs de um mecanismo que se desenvolve em 3 etapas: internalizao, reduo da ligao dissulfito e translocao, e inibio da libertao de neurotransmissor.Quando um potencial de ao alcana o boto terminal de um neurnio pr-sinptico, um canal de clcio controlado pela voltagem aberto. A entrada de ons clcio, Ca2+, estimula a exocitose de vesculas pr-sinpticas que contm ACh, a qual conseqentemente liberada na fenda sinptica. Uma vez liberada, a ACh deve ser removida rapidamente para permitir que ocorra a repolarizao; essa etapa, a hidrlise, realizada pela enzima acetilcolinesterase. A acetilcolinesterase encontrada nas terminaes nervosas est ancorada membrana plasmtica atravs de um glicolipdeo.A ativao dos receptores de ACh pela ligao com o ACh provoca uma entrada de Na+ na clula e uma sada de K+, provocando a desporalizao do neurnio ps-sinptico e no inicio de um novo potencial de ao.O bloqueio neuromuscular s ocorre quando acima de 75% dos receptores da acetilcolina esto bloqueados, enquanto que o retorno da paralisia se d quando 25% destes receptores esto desocupados para ao da acetilcolina.

  • Os Bloqueadores ganglionares bloqueiam os receptores nicotnicos, bloqueando os canais inicos, no sendo seletivos para o sistema simptico ou parassimptico, tem sido utilizados, mas de modo experimental, e, pouco usados na teraputica, pois, possui aes complexas e imprevisveis. Geralmente, no so ativos como bloqueadores neuromusculares, e, devido aos mltiplos efeitos colaterais, segundo alguns autores, a maioria dos frmacos bloqueadores ganglionares so considerados obsoletos.Bloqueadores ganglionares: Toxina botulnica

  • AO DA TOXINA

  • USO DA TOXINA BOTULNICA

    Nos ltimos 20 anos, a toxina botulnica tipo A tem sido usada para o tratamento de uma variedadede desordens caracterizadas por contrao inapropriada e involuntria dos msculos estriados e lisos.. Esta toxina est aprovada pela FDA para o tratamento de blefaroespasmo (contrao involuntria dos msculos dos olhos), estrabismo, distonias cervicais (desordem neuromuscular envolvendo a cabea e o pescoo) e recentemente para o tratamento das linhas glabelares e hiperidrose axilar primria severa.Outros usos da toxina botulnica tipo A que so amplamente conhecidos, mas no aprovados pela FDA, incluem desordens espticas associadas com injria ou doena do sistema nervoso central tais como: trauma, derrame, esclerose mltipla, paralisia cerebral e distonias focais afetando os membros, a face, a mandbula e as cordas vocais. O tratamento e a preveno das dores de cabea crnica e dores musculares esquelticas esto emergindo com o uso desta toxina.

  • CONCLUSO

    Desde que a BTX foi descoberta, tem-se estudado o potencial teraputico desta toxina. Apesar de ser a substncia mais txica atualmente conhecida, a BTX apresenta-se segura quando utilizada dentro das doses preconizadas para as indicaes clnicas e estticas. O maior obstculo para o uso da BTX , sem dvida, o alto custo do tratamento. Porm, um outro obstculo vem surgindo, que a imunorresistncia BTX, que ocorre mais comumente em pacientes que utilizam grandes doses do produto ou no respeitam o tempo mnimo de intervalo entre as aplicaes. Apesar do grande nmero de indicaes clnicas na atualidade, ainda h potencial para uso da BTX em outros cenrios, isto dever ocorre medida que a compreenso dos aspectos moleculares da BTX for avanando, bem comos os aspectos patofisiolgicos de determinadas patologias que puderen ser relacionadas ao uso da BTX como tratamento.

  • ALUNAS CNTIA ILKA FERREIRA.Ra: 1099474363 JAMYLE HENRIQUES BISPO.Ra: 1099470916

    PERODO: 3CURSO: FARMCIAPROFESSOR: DANIEL OBRIGADA!!!

Recommended

View more >