epistemologia idealismo alemao

Download Epistemologia Idealismo Alemao

Post on 27-Dec-2015

20 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • O problema da subjetividade no idealismo alemo Idealismo: conceito utilizado por Leibniz para referir-se a Plato e outros filsofos para os quais a realidade a forma (idias)

    Aspectos filosficos: gnosiolgico e metafsico Aspectos ticos e polticos: ideais que norteiam as aes

    Principais representantes: Kant - Crtica da Razo Pura (1781)Schelling - Idias para um filosofia da natureza (1797)Fichte - Doutrina da Cincia (1804)Hegel - Fenomenologia do Esprito (1807)

    Trao fundamental: a identidade do Eu

  • A primazia de Kant no cenrio filosfico contemporneo data de 1850. O movimento de retorno ao filsofo alemo realizado por Hermann Cohen, da Escola de Marbourgo, com a publicao da obra A Teoria Kantiana da Experincia (1871). A noo de criticismo kantiano derivada desse movimento. Paul Natorp outro neokantiano de significativa importncia. Seu livro, A Doutrina das Idias de Plato, de 1903, segue o movimento de leituras de Kant.

  • Em novembro de 1924, Georges Politzer, publicou trs resenhas inseridas na revista Philosophies: L. Brunschvicg: a idia crtica e o sistema kantiano; J. Nabert: a experincia interna em Kant; L. Robinson: contribuies histria da evoluo filosfica de Kant.Esses textos, posteriormente reunidos com o ttulo Um passo em direo verdadeira figura de Kant, foram veiculados no nmero especial da Revue de Metaphysique et de Morale, por ocasio do segundo centenrio do nascimento de Kant.A genealogia de tais resenhas provm do movimento neokantiano da dcada de 1920 e uma excelente estratgia para o autor marcar sua entrada na cena parisiense: na Frana, durante cinqenta anos, Kant foi refutado e incompreendido; h j cinqenta anos que ele passou a ser admirado, mas nem por isso, a ser um pouco compreendido

  • Na primeira resenha, L. Brunschvicg: a idia crtica e o sistema kantiano; Politzer considerou os trabalhos de Brunschvicg como a mais bela tentativa de sntese e de crtica integrais que a interpretao de Kant veio a conhecer. O kantismo surgiu como o evangelho da conscincia moderna, como expresso da chegada do reino da civilizao verdadeiramente moderna, como a afirmao da autonomia, da soberania terica e prtica da conscincia, nica fonte de normas, como a primeira expresso consciente e enrgica desse fato essencialmente moderno: a repartio dos valores da lei e dos valores da f.

  • Na segunda resenha, J. Nabert: a experincia interna em Kant, Politzer considerou tratar-se do estudo mais penetrante que at o momento j se escreveu sobre a experincia interna em Kant.Esse texto reporta-se aos trs pontos essenciais da teoria kantiana: a categoria do eu penso, a auto-afeio e a solidariedade da experincia interna e da experincia externa. Para Politzer, Nabert soube tambm demonstrar o que h de vivo e atual na teoria kantiana, sobretudo no que diz respeito ao terceiro ponto: a teoria kantiana apresentada como anttese irredutvel contra toda concepo terica que queira atingir o dado psicolgico, isolando a conscincia da intruso do espao. Em Kant, a experincia interna e externa so solidrias no apenas de fato, mas tambm de direito. Isso implica admitir o Eu como conscincia pura e como conscincia emprica: o Eu penso envolve um Eu sou.

  • Na terceira resenha, L. Robinson: contribuies histria da evoluo filosfica de Kant, Politzer procurou destacar as molas propulsoras da evoluo do pensamento de Kant, ressaltando que os estudos de Robinson tinham como propsito resolver certos impasses da influncia de Hume sobre Kant e a descoberta da idealidade do espao e do tempo.

  • Aps ter analisado a filosofia contempornea girando na rbita da Crtica da Razo Pura de Kant, Politzer apresentou sua descoberta inaugural: o homem concreto. A descoberta do Eu [je] terico, cujo ato o pensamento, subverte a noo de gnero homem. A idia idealista destri os gneros aristotlicos, os gneros impessoais e justapostos; ela destri essa noo do pensamento impessoal e sem sujeito (entendido como Eu), que seria um pensamento que terceira pessoa. A idia idealista a descoberta do Eu. O pensamento primeira pessoa, os gneros no so mais justapostos, eles tm uma direo centrfuga; eles irradiam do Eu. E essa ainda apenas uma determinao imprecisa, pois que eles so precisamente os atos desse Eu. E, dessa forma, o gnero homem desaparecer tambm. Dever ter o mesmo destino o gnero pensamento: tornar-se- sujeito, do qual ilegtimo sair, ele se transformar no Eu cujo ato a Vida. Mas no se trata da vida lgica, nem psicolgica, e menos ainda biolgica, trata-se da vida humana, na medida em que precisamente ela humana, e no objeto de cincia, seja qual for o ponto de vista, mas sim um ato, isto , primeira pessoa. O gnero homem tornar-se-, portanto, um universal concreto, o Eu da vida do homem

  • No vero de 1927, Martin Heidegger, ministrou um curso na Universidade de Marburgo (Alemanha) apresentando a caracterstica da filosofia kantiana, que certamente pode ser rastreada desde Descartes: a identidade do EuHeidegger distinguiu trs aspectos da noo de Eu em Kant: la personalitas transcendentalis (sujeito); a personalitas psychologica (objeto de apreenso); la personalitas moralis (ente ativo, agente).

  • A noo de Eu em Kant adquiriu a funo de sntese das representaes, estatuto de todas as representaes que se realizam por associaes empricas: contigidade, simultaneidade e identidade. Se o Eu adquiriu o estatuto de sujeito, o seu oposto a natureza.

  • Em que consiste a estrutura mais geral do Eu? O que constitui a egoidade? Resposta: a conscincia-de-si. Todo pensar um Eu-penso. O Ego no somente um ponto isolado, mas o Eu-penso.Para Heidegger, Kant interpretou o Eu como uma unidade originalmente sinttica da percepo. A determinao apriorstica do ser est constituda nessa unidade originariamente sinttica da percepo.

  • O Ego no uma representao, no um objeto representado, um ser no sentido do objectum, mas o fundamento da possibilidade de tudo representar, de tudo perceber, quer dizer, de toda perceptividade [perceptit] do ser, em outras palavras, o fundamento de todo ser. O Ego como unidade originariamente sinttica da apercepo a condio ontolgica fundamental de todo ser. As determinaes fundamentais do ser so as categorias. O Ego no uma das categorias do ser entre outras, mas a condio de possibilidade das categorias em geral. (Heidegger)

  • A analtica transcendental de Kant pressupe a noo de Eu como sntese de todas as representaes. A experincia interna (subjetividade) determinada pela autonomia da conscincia como substrato do ser (dimenso psicolgica) e do agir (dimenso moral). A conscincia-de-si que constitui o Eu em sua substancialidade, uma vez que a estrutura da personalidade transcendental formal.

  • em 1938, Lacan adota a distino entre je, sujeito do desejo, e moi, produto de identificaes imaginrias. Tal distino resultante de um trabalho em comum entre Lacan e Kojve. Para Kojve a distino servia como ferramenta de leitura da Fenomenologia do Esprito de Hegel, publicada em 1807, permitindo apontar a passagem do eu penso, em Descartes, para o eu desejo, no pensador alemo.

  • Para Lacan, confrontar Freud e Hegel possibilitou a elaborao dos textos primordiais que fizeram emergir a tpica do imaginrio. Das quinze pginas escritas em conjunto por Kojve e Lacan, intitulada Gnese da conscincia de si, Lacan retirou os trs conceitos que serviram como ferramenta para seus escritos do perodo que antecederam o Seminrio 2- (o eu na teoria de Freud e na pratica da psicanlise, 1954/1955): o eu (je) como sujeito do desejo, o desejo como revelao da verdade do ser, o eu (moi) fonte de erro.

  • O inconsciente escapa totalmente a este circulo de incertezas no qual o homem se reconhece como um eu (moi). fora desse campo que existe algo que tem todos os direitos de se expressar por eu (je)...tudo se organiza, cada vez mais, numa dialtica em que o eu (je) distinto do eu (moi)...com Freud faz irrupo uma nova perspectiva que revoluciona o estudo da subjetividade e que mostra justamente que o sujeito (je)no se confunde com o indivduo (moi) (Jacques Lacan)

  • O sujeito tem uma gnese, o sujeito no originrio. Ora, quem disse isso? Freud, certamente, mais foi preciso que Lacan o mostrasse claramente. Da a importncia de Lacan Michel Foucault

  • EU e MIM(Rita Lee / Roberto de Carvalho - In: CD Balacobaco)

    No espelho no eu, sou mimNo conheo mim, mas sei quem eu, sei simEu cara-metade, mim sou inteiraQuando mim nasceu, eu chorou, chorouEu e mim se dividem numa s certezaAlgum dentro de mim mais eu do que eu mesma.Eu amo mimMim ama eu