tradução de geni hirata - .demônios não existem da mesma forma que deuses não existem, sendo

Download Tradução de Geni Hirata - .Demônios não existem da mesma forma que deuses não existem, sendo

Post on 13-Jul-2018

263 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Copyright

    Esta obra foi postada pela equipe Le Livros para proporcionar, de maneiratotalmente gratuita, o benefcio de sua leitura a queles que no podem compr-

    la. Dessa forma, a venda desse eBook ou at mesmo a sua troca por qualquercontraprestao totalmente condenvel em qualquer circunstncia.

    A generosidade e a humildade so marcas da distribuio, portanto distribua estelivro livremente. Aps sua leitura considere seriamente a possibilidade de

    adquirir o original, pois assim voc estar incentivando o autor e publicao denovas obras. Se gostou do nosso trabalho e quer encontrar outros ttulos visite

    nosso site:

    Le Livros

    http://LeLivros.com

    http://lelivros.com/http://lelivros.com/http://LeLivros.com

  • Traduo de Geni Hirata

  • Para Phoenixmeu querido filho

  • Demnios no existem da mesma forma que deuses no existem, sendo apenas oproduto da atividade psquica do homem.

    SIGMUND FREUD

    A maior pea que o diabo j nos pregou foi nos convencer de que ele no existe.CHARLES BAUDELAIRE

  • SUMRIO

    Dedicatria

    Epgrafe

    Captulo 1: Ruen

    Captulo 2: Sonho acordado

    Captulo 3: A sensao

    Captulo 4: Quem lhe deu esta cicatriz?

    Captulo 5: Diga a ela quem eu sou

    Captulo 6: Um preo alto e silencioso

    Captulo 7: O fantasma

    Captulo 8: Caa aos demnios

    Captulo 9: Invisibilidade

    Captulo 10: A fragilidade da crena

    Captulo 11: Colheita de morangos

    Captulo 12: As pinturas

    Captulo 13: O amigo rejeitado

    Captulo 14: Nvoas da mente

    Captulo 15: O maior sonho de todos os tempos

    Captulo 16: O lado amargo da liberdade

    Captulo 17: Lembre-se de mim

    Captulo 18: As perguntas de Ruen

    Captulo 19: Fuga

  • Captulo 20: Cano de amor para Anya

    Captulo 21: Inferno

    Captulo 22: O compositor

    Captulo 23: As coisas que so reais

    Captulo 24: Os jornais

    Captulo 25: Jogo de bafo-bafo batendo figurinhas

    Captulo 26: A chamada

    Captulo 27: O poo

    Captulo 28: As respostas

    Captulo 29: Um amigo

    Agradecimentos

    Nota da autora

  • 1

    RUEN

    Alex

    As pessoas me olham de um modo engraado quando eu digo a elas que tenhoum demnio.

    Voc quer dizer que tem demnios, no?, perguntam. Como um problemacom drogas ou uma nsia de esfaquear seu pai? Eu respondo que no. Meudemnio chama-se Ruen. Ele tem pouco mais de um metro e sessenta e suascoisas preferidas so Mozart, tnis de mesa e pudim de po.

    Eu conheci Ruen e seus amigos h cinco anos, cinco meses e seis dias. Foi namanh em que mame disse que papai tinha ido embora, e eu estava na escola.Um bando de criaturas muito estranhas surgiu no canto da sala, ao lado do muralsobre o Titanic que havamos feito. Algumas delas se pareciam com pessoas,embora eu soubesse que no eram professores nem os pais de ningum, porquealgumas pareciam lobos, porm com pernas e braos humanos. Uma dasfmeas possua braos, pernas e orelhas que eram todos desiguais, como setivessem pertencido a pessoas diferentes e tivessem sido unidos como o monstrode Frankenstein. Um de seus braos era peludo e musculoso, o outro era finocomo o de uma menina. Eles me assustaram, e eu comecei a chorar porquetinha apenas 5 anos.

    A srta. Holland veio at a minha carteira e perguntou o que havia de errado.Falei para ela dos monstros no canto da sala. Ela tirou os culos muito lentamentee empurrou-os para cima da cabea, em seguida perguntou se eu estava mesentindo bem.

    Olhei de novo para os monstros. No conseguia afastar os olhos do que notinha rosto, mas apenas um enorme chifre vermelho, como o chifre de umrinoceronte, s que vermelho, na testa. Ele tinha corpo de homem, mas cobertode pelos, e suas calas pretas estavam presas com suspensrios feitos de aramefarpado e gotejando sangue. Ele segurava um pau com uma bola de metal notopo, de onde saam espiges, como um ourio. Levou um dedo aonde seus lbiosestariam, se os tivesse, e ento uma voz surgiu em minha mente. Ela soou muitomansa, mas ainda assim rouca, exatamente como a de meu pai:

    Sou seu amigo, Alex.Ento, todo o medo desapareceu de mim, porque o que eu queria mais do que

    tudo no mundo era um amigo.Descobri mais tarde que Ruen possui maneiras diferentes de se apresentar, e

    essa era a que eu chamava Cabea de Chifre, que muito assustadora,

  • especialmente quando vista pela primeira vez. Felizmente, ele no aparece assimcom muita frequncia.

    A srta. Holland perguntou o que eu estava olhando to fixamente, porque euainda fitava os monstros, e me perguntava se seriam fantasmas, j que algunsdeles pareciam sombras. Essa ideia me fez comear a abrir a boca e eu senti umrudo comear a sair, mas, antes que ficasse alto demais, ouvi a voz de meu painovamente em minha cabea:

    Fique calmo, Alex. No somos monstros. Somos seus amigos. No quer quesejamos seus amigos?

    Olhei para a srta. Holland e disse que eu estava bem, e ela sorriu, disse OK evoltou para sua mesa, mas continuou a virar-se para me olhar com um ar muitopreocupado.

    Um segundo depois, sem atravessar a sala, o monstro que falara comigoapareceu ao meu lado e me disse que seu nome era Ruen. Disse que era melhoreu me sentar ou a srta. Holland iria me mandar falar com uma pessoa chamadaPsiquiatra. E isso, Ruen assegurou-me, no envolveria nada divertido, comorepresentar, contar piadas ou desenhar esqueletos.

    Ruen conhecia meus passatempos favoritos, ento eu soube que havia algumacoisa estranha acontecendo ali. A srta. Holland continuava a me olhar como seestivesse muito preocupada, enquanto prosseguia com a aula sobre como enfiaruma agulha atravs de um balo congelado e por que isso era uma importanteexperincia cientfica. Sentei-me e no falei nada a respeito dos monstros.

    Ruen explicou-me muita coisa sobre quem ele e o que faz, mas nunca porque eu consigo v-lo quando ningum mais consegue. Acho que somos amigos.A questo que o que Ruen me pediu para fazer me faz pensar que ele no absolutamente meu amigo. Ele quer que eu faa algo muito ruim.

    Ele quer que eu mate uma pessoa.

  • 2

    SONHO ACORDADO

    Alex

    Querido Dirio,

    Um garoto de 10 anos entra em uma peixaria e pede uma perna de salmo. Osbio pescador ergue as sobrancelhas e diz:

    Salmo no tem pernas!O garoto volta para casa e conta ao pai o que o peixeiro disse, e o pai desata a

    rir. OK diz o pai do menino. V loja de ferragens e compre tinta para

    pintar xadrez escocs.Assim, o menino parte para a loja de ferragens. Quando retorna, sente-se

    muito humilhado. OK, OK, desculpe-me o pai diz, embora esteja rindo tanto que quase

    molha as calas. Tome esta nota de cinco. V comprar dedos de peixe fritopara ns e use o troco para comprar batatas fritas para voc.

    O menino atirou a nota de cinco na cara do pai. Ei, o que foi isso? o pai gritou. Voc no me engana! o garoto gritou de volta. Peixes no tm dedo

    algum!

    Este um novo dirio que minha me comprou para mim pelo meu aniversrioquando eu fiz 10 anos. Quero comear cada registro com uma nova piada, paraque eu possa me sentir no personagem. Isso quer dizer que eu posso lembrarcomo ser a pessoa que estou representando, que um menino chamadoHorcio. Minha professora de arte dramtica, Jojo, disse que reescreveu umapea famosa, chamada Hamlet, como uma recontagem contempornea daBelfast do sculo XXI, com rap, gangues de rua e freiras camicazes, e, ao queparece, William Shakespeare est de acordo com isso. Mame me disse queentrar para a companhia de teatro realmente um grande feito, mas pediu queeu no contasse para ningum em nossa rua, porque posso ser espancado.

    Estamos encenando a pea na Grand Opera House, na cidade de Belfast, oque bom, pois fica apenas a dez minutos a p de minha casa e, assim, posso iraos ensaios todas as quintas e sextas-feiras depois da escola. Jojo disse que possoat inventar minhas prprias piadas. Acho que esta piada mais engraada doque a ltima sobre a velha e o orangotango. Eu a contei a mame, mas ela no

  • riu. Ela est triste de novo. Comecei a perguntar-lhe por que fica triste, mas acada vez a razo diferente. Ontem, foi porque o carteiro estava atrasado e elaestava esperando uma Carta Realmente Importante do servio social. Hoje, porque ficamos sem ovos.

    No posso imaginar uma razo mais tola para ficar triste. Eu me pergunto seela estaria mentindo para mim ou se realmente acha que normal irromper emlgrimas a cada cinco segundos. Acho que lhe farei mais perguntas sobre como a tristeza. por causa do meu pai?, eu quis perguntar hoje de manh, mas entotive aquilo que o orientador careca chamava de Sonho Acordado e me lembreida vez em que meu pai fez minha me chorar. Geralmente, ela ficava muito,muito feliz quando ele vinha nos visitar, o que no era com frequncia, e elapintava os lbios de vermelho e seus cabelos ficavam parecendo um sorvete,empilhados no alto da cabea; s vezes, ela usava seu vestido verde-escuro. Mashouve aquela vez em que ele veio e tudo que ela fez foi chorar. Lembro-me deestar sentado to perto dele que podia ver a tatuagem em seu brao esquerdo deum homem que papai disse ter morrido de fome de propsito. Ele dizia mame: No me faa sentir culpado, inclinado sobre a pia da cozinha para baterseu cigarro dentro da pia. Sempre trs batidas. Ta ta ta.

    Voc no est sempre dizendo que queria uma casa melhor do que esta? asua chance, querida.

    E exatamente quando eu estendia a mo para tocar em seu jeans, o joelhoesquerdo quase pudo onde ele sempre se apoiara para amarrar o lao dos meussapatos, o Sonho Acordado se desfez e restou apenas eu, mame e o som de seuchoro.

    Mame no fala de papai h um milho de anos, ento eu acho que ela deveestar triste por causa da vov, porque vov sempre cuidou de ns e era dura comassistentes sociais enxeridas, e, quando mam