eu sou uma antologia 136 autores fictأ­cios - آ«eu sou uma antologiaآ», escreveu fernando...

Download eu sou uma antologia 136 autores fictأ­cios - آ«Eu sou uma antologiaآ», escreveu Fernando Pessoa num

Post on 31-Aug-2019

0 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • eu sou uma antologia136 autores fictcios

    fernando pessoa

    edio dejernimo pizarro patricio ferrari

    L I S B OAtinta da china

    mmxiii

    c o o r de na d o r da c o l e c oj e r n i m o p i z a r r o

  • Jernimo Pizarro e Patricio Ferrari, 2013

    Ttulo: Eu Sou Uma Antologia 136 Autores FictciosAutor: Fernando Pessoa

    Editores: Jernimo Pizarro e Patricio FerrariCoordenador da coleco: Jernimo Pizarro

    Reviso: Tinta-da-chinaCapa eprojecto grfico: Tinta -da -china

    www.tintadachina.pt

    Todos os direitosdesta edio reservados

    Tinta -da -chinaRua Francisco Ferrer, n.6 -A

    1500 -461 LisboaTels.: 21 726 90 28/9

    E -mail: info@tintadachina.ptinfobrasil@tintadachina.pt

    1. edio: Novembro de 2013 isbn 978 -989 -671 -189-4

    depsito legal n.366 072/13

    ndice

    Apresentao 13

    [1] H.W.M. 23[2] Guillaume Loutil 26[3] Pip 29[4] Pedro da Silva Salles 35[5] Luiz Antonio Congo 37[6] Jos Rodrigues do Valle 39[7] Scicio 40[8] Antonio Augusto Rey

    da Silva 42[9] A. Francisco de Paula

    Angard 43[10] Dr.Caloiro 46[11] Dr.Pancracio 49[12] Morris 54[13] Diabo Azul 56[14] Pad Z 58[15] Parry 61[16] Nympha 62[17] Gallio 63[18] Z Nabos 64[19] Theodor 65[20] Gee 66[21] Rabanete 67[22] Gallio Pequeno 68

    [23] Lili 69[24] Eduardo Lana 70[25] Velhote 74[26] Nympha Negra 75[27] Trapalho 76[28] Pimenta 77[29] Alberto Rey da Costa 78[30] Theodoro Luciano 79[31] Augusto Magenta 81[32] Accursio Urbano 82[33] F.q.a. 84[34] Cecilia 86[35] Jos Rasteiro 87[36] Benjamin Vizetelly

    Cymbra 89[37] Roberto Kla 90[38] Francisco Pu 91[39] Nat Gould 92[40] Oswald Kent 93[41] Marino Zeca 94[42] Sileno Ladino 95[43] Adolph Moscow 96[44] Marvell Kisch 98[45] Gabriel Keene 100[46] Sableton Ray 101[47] Lucian Arr 102

  • [48] C.V. 104[49] Z.E. 105[50] M. 106[51] Philokalio 107[52] A.L. 108[53] Karl P. Effield 109[54] W.W. Austin 113[55] J.G. Henderson Carr 119[56] Tagus 123[57] David Merrick 126[58] Lucas Merrick 134[59] Sidney Parkinson

    Stool 137[60] Charles Robert Anon 139[61] Horace James Faber 157[62] Professor Trochee 170[63] Guikel 176[64] Dr.Gaudencio Nabos 180[65] Professor William

    K. Jinks 189[66] Antonio Cebola 199[67] Professor Jones 200[68] William Smith 207[69] Caesar Seek 209[70] Ferdinand Sumwan 211[71] Jacob Satan 212[72] Alexander Search 227[73] A. Moreira 249[74] Faustino Antunes 253[75] Ardrce Augradi 259[76] Friar Maurice 262

    [77] W. Fasnacht 267[78] Nant 269[79] Jean Seul De Mluret 273[80] William Alexander

    Search 284[81] Charles James Search 285[82] Sr. Pantaleo 290[83] Torquato Mendes Fonseca

    da Cunha Rey 298[84] Usquebaugh V. Bangem 301[85] Manuel Maria 304[86] Ibis 307[87] Joaquim Moura Costa 313[88] Carlos Otto 319[89] Miguel Otto 328[90] Padre Gonalves Gomes 329[91] Vicente Guedes 331[92] Navas 344[93] Gervasio Guedes 346[94] L. Guerreiro 348[95] Pero Botelho 350[96] Japonais 354[97] Frederick Wyatt 359[98] James Bodenham 371[99] Olga Baker 374[100] Dr.Neibas 376[101] Alberto Caeiro 381[102] Alvaro de Campos 395[103] Ricardo Reis 419[104] Frederico Reis 433[105] Raphael Baldaya 442

    [106] Antonio Mora 450[107] Antonio Gomes 467[108] Thomas Crosse 475[109] Hadji Muhrad 491[110] Sher Henay 493[111] Padre Antonio de

    Seabra 498[112] Claude Pasteur 505[113] James L. Mason 507[114] Henry More 508[115] Wardour 517[116] Voodooist 524[117] Joseph Balsamo 526[118] Henry Lovell 529[119] James Joseph 531[120] J. H. Hyslop 533[121] George Henry Morse 535[122] Marnoco eSousa 538[123] Joo Craveiro 543[124] A. A. Crosse 547[125] I. I. Crosse 551

    [126] Bernardo Soares 558[127] A.L.R. 571[128] Efbeedee Pasha 578[129] Antonio L. Caeiro 589[130] Julio Caeiro 591[131] Diniz Da Silva 592[132] Giovanni B. Angioletti 598[133] Firmino Lopes 603[134] Baro de Teive 607[135] Dr.Abilio Quaresma 619[136] Maria Jos 626

    Fernando Pessoa 635

    Notas 663Ordem Topogrfica

    das Cotas 697Posfcio 701Bibliografia 725Notas biogrficas 733

  • [61A -27r] (De um poema de 17 -12 -1932)

  • Eu sou uma antologia, escreveu Fernando Pessoa num poema datado de 17 de Dezembro de 1932, convidando-nos, de certa maneira, a descobrir essa antologia. A primeira investigadora que se props realizar esse trabalho de forma exaustiva foi Teresa Rita Lopes, que em 1990 elaborou uma lista de 72 dramatis per-sonae, guiando-se pelo critrio escrevo, logo existo (Pessoa por Conhecer I, 1990, p. 173), isto , assumindo como autores pessoa-nos todos os nomes que foi possvel associar a um texto escritoa. Passaram-se quase duas dcadas e, em 2009, num intuito revi-sionista, Michal Stoker props uma nova lista de 83 persona-gens. Pouco depois, em 2011, formando um mosaico maior, Jos Paulo Cavalcanti Filho comps um elenco de 127 nomes em Fer-nando Pessoa: uma quase-autobiografia, reiterando em Fevereiro de 2012 algo de extraordinrio: fssemos contar todos os nomes com que [Pessoa] assinou textos, ou para quem destinou fun-es, e seriam ainda mais 202 (2012, p. 11). A impresso de ser

    a importante frisar que Teresa Rita Lopes foi a primeira a propor uma lista exaustiva (a mais exaustiva possvel na altura), porque, antes dela, Antnio Pina Coelho (1966, p. 342; 1967, tomo 1, pp. 64 et seq.) j tinha feito um primeiro levantamento de 20 desdobramentos pessoanos.

    a pr e se n t a oj e r n i m o p i z a r r o , pat r i c i o f e r r a r i

    apresentao13

  • rdua e inexacta a contabilidade do universo fictcio pessoano ou de qualquer espao imaginrio alheio apenas sai confirmada com afirmaes deste tipo.

    Entretanto, estava em preparao o livro Teoria da Hetero-nmia, editado por Fernando Cabral Martins e Richard Zenith, em que 106 nomes so apresentados em ordem aproximada-mente cronolgica (Pessoa, 2012, p. 45). At sua publicao efectiva, sempre imaginmos que se tratasse de uma seleco de textos dedicados ao fenmeno do heteronimismo esta a palavra mecanografada por Pessoa, que nunca utilizou o termo heteronmia (ver Pizarro, 2012a, p. 73). Pelo nosso lado, interessava-nos, em 2010, quando comemos a prepa-rar este livro, no seleccionar textos dispersos e previamente publicados sobre uma temtica especfica, mas sim retomar o trabalho pioneiro de Teresa Rita Lopes e oferecer ao pblico uma Prtica do Heteronimismo, ttulo de que abdicmos, a favor de um outro menos tcnico e mais potico: Eu Sou Uma Antologia 136 autores fictcios. Este livro , portanto, uma tentativa renovada e mais exaustiva de antologizar Pessoa; ou melhor, de revisitar a antologia que a obra pessoana sempre foi. Desde 1990, essa antologia no tem parado de crescer, uma vez que, desde a pioneira lista de Teresa Rita Lopes, se descobriram vrias outras personagens, entre as quais Gio-vanni B. Angioletti, a mais recentemente resgatada e revelada por Jos Barreto, em 2012b. Isto sugere e convm admiti-lo desde j que o conjunto aqui proposto de 136 figuras que sur-gem no esplio de Fernando Pessoa como autoras de textos ou com funes atribudas poder, naturalmente, ser ampliado

    b Houve tambm personagens retiradas da lista: Maria Aliete Galhoz (2007) demonstrou que Coelho Pacheco era um amigo real e no imaginrio de Pessoa.

    por futuras pesquisas e novas descobertas. Pessoa sempre foi essencialmente mltiplo e nada impede que o seja ainda mais, at porque todo o processo de levantamento depende de cri-trios de admisso e de excluso. Martins e Zenith excluram mais de 30 nomes identificados por Cavalcanti Filho; ns exclumos menos, mas no inclumos muitssimos nomes da nossa seleco inicial de candidatos (veja-se, a este respeito, o Posfcio). Inclumos, alm disso, alguns novos nomes nunca antes listados.

    A investigao que tornou possvel este livro foi simultanea-mente complexa e fascinante. Complexa, porque percorremos as 30 mil folhas do esplio pessoano, procura do que pode-ramos denominar vestgios ficcionais, isto , nomes inventados ou nomes reais ficcionados, e inventarimos todos os nomes de que h uma inscrio ou um testemunho. Fascinante, porque no caso de muitas figuras no tnhamos uma viso de conjunto conhecem-se, por exemplo, as Obras de Antnio Mora (2002) e as Obras de Jean Seul de Mluret (2006), mas no as do Dr. Pancracioc ou as de Charles Robert Anon , e a nossa pesquisa permitiu-nos conhecer melhor Pessoa na sua pluralidade. Isto levou-nos a reler textos editados e a ler textos inditos, a atingir uma percepo mais ntida de figuras acerca das quais tnhamos ideias muito vagas, e a compreender melhor o desenvolvimento e a dinmica do heteronimismo pessoano. Foi fascinante, por exemplo, redescobrirmos a mobilidade deste teatro existencial: num jornal fictcio, o Dr. Pancracio descrito como o antigo Pip; num caderno, David Merrick substitudo por Charles Robert Anon; numa folha solta, Anon passa, por sua vez, a ser

    c Assim como mantivemos a ortografia de Pessoa nos textos transcritos, mantivemo-la tambm nos nomes; da que Pancracio, por exemplo, no tenha acento. Tambm no o tero Alvaro ou Gaudencio, entre outros.

    apresentao15

    apresentao14

  • [72 -34r](Da carta de 13 -1 -1935 de Fernando Pessoa aAdolfo Casais Monteiro)

  • h.w.m. [1]23

    1h.w.m.

    O texto intitulado Equivocal Love Letter [Carta de Amor Equvoca] surge nas pginas de um pseudojornala que Fer-nando Pessoa elaborou em Abril de 1901, com aidade de doze anos.b A carta atribuda aH. W. M. no , porm, uma criao inteiramente original, j que este tipo de missiva, sob ottulo genrico de Copy of aCurious Love Letter from aGentleman to aLady [Cpia de Uma Curiosa Carta de Amor de Um Cavaleiro para Uma Dama], circulava no Reino Unido enos Estados Uni-dos da Amrica desde c. 1840, em broadsides ou folhas volan-tes, apenas com ligeiras variaes (

Recommended

View more >