capÍtulo impresso

Download CAPÍTULO IMPRESSO

Post on 31-Dec-2016

215 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Abrolhos, BAO complexo recifal mais extenso do Atlntico Sul

    SCHOBBENHAUS, C. / CAMPOS, D.A. / QUEIROZ, E.T. / WINGE, M. / BERBERT-BORN, M.

    SIGEP 90

    Zelinda Margarida de Andrade Nery Leo1

    Os recifes de Abrolhos, no sul da Bahia, so os maiores e os mais ricos recifes de corais doBrasil, e so significantemente diferentes dos modelos recifais descritos na literatura. Essas diferenasdizem respeito morfologia das estruturas recifais, ao tipo de sedimento do fundo, e aos seusprincipais organismos construtores. Os recifes distribuem-se em dois arcos ocupando uma rea deaproximadamente 6.000 km2. A estrutura bsica o chapeiro, pinculo coralino com forma decogumelo, com 5 a 25 m de altura e 5 a 50 m de dimetro. No arco costeiro, os topos de chapeiresadjacentes coalescem lateralmente formando bancos recifais com extenso de 1 at 20 km e formasvariadas. Estes bancos recifais no apresentam as zonas morfolgicas descritas para os recifes dooceano Atlntico Norte. Nas suas bordas crescem crostas algais semelhantes aquelas descritas nosrecifes do oceano Pacfico. O arco externo abrange recifes em franja bordejando as ilhas vulcnicasdo arquiplago de Abrolhos e chapeires isolados. Corais, mileporas e algas coralinas so os princi-pais organismos construtores dos recifes. O nmero de espcies de corais quatro vezes menor queo nmero de espcies descritas para os recifes do Atlntico Norte, e muitas delas so espcies endmicas,arcaicas, isoladas de uma fauna de idade Terciria a qual tornou-se resistente ao estresse provocadopela turbidez peridica das guas brasileiras. Em contraste com a predominncia de sedimentaocarbontica na maioria dos recifes dos mares tropicais, os recifes costeiros de Abrolhos esto circun-dados por sedimentos lamosos com 40 a 70% de areias quartzosas e minerais de argilas.

    Abrolhos, State of Bahia The largest reef complexof South Atlantic Ocean

    The Abrolhos reefs, off the coast of southern Bahia, arethe largest and the richest coral reefs of Brazil, and they aresignificantly different from the well-studied coral reef models. Thesedifferences are in the reef morphology, surrounding sedimentsand reef-building organisms. The reefs form two arcs that occupya total area of approximately 6,000 km2. The basic element ofmost reefs is the chapeiro, a mushroom-shaped pinnacle, 5 to25 m high and 5 to 50 m in diameter. In the Coastal Arc, thetop of adjacent chapeires coalesces to form bank reefs, 1 to20 km long, with varied shapes. These bank reefs do not displaythe well-marked zones of the North Atlantic reefs. Well-developedalgal rims developed on the windward edges of the reefs, likethose in the Pacific reefs. The Outer Arc has fringing reefssurrounding volcanic islands and chapeires that do not coalesce.Corals, millepores and coralline algae are the major framebuildersof the reefs. The number of coral species is four times less thanthat of the North Atlantic reefs and they are dominantly archaic,endemic species that are the combined result of isolation of a late

    Tertiary community and the stress of periodically high turbidityof the Brazilian waters. In contrast with the predominance ofcarbonate sediments surrounding most reefs in other tropical seas,the coastal reefs of Abrolhos are surrounded by muddy sediments,which contain 40% to 70% quartz sand and clay minerals.

    345Stios geolgicos e paleontolgicos do Brasil

  • 346 Abrolhos, BA

    O complexo recifal de Abrolhos abrange a maisextensa rea de recifes de coral do Brasil e do todo ooceano Atlntico Sul, o qual possui menos de um porcento dos ecossistemas recifais do planeta Terra. Assim,alm de serem raros no Mundo e os mais exuberantesdo Brasil, os recifes de Abrolhos apresentam umaincontestvel importncia cientfica. Por apresentaremcaractersticas distintivas com respeito sua forma decrescimento e morfologia, fauna coralina construtorae ao cenrio deposicional, eles diferem em algunsaspectos dos sistemas recifais do Caribe. Mas, claroque os recifes de Abrolhos tm algumas semelhanascom os recifes do Atlntico Norte, e essa dualidadeque oferece uma viso importante no s para entenderas variaes existentes entre os recifes atlnticos como,tambm, para compar-los com os exemplos doPacfico. Os recifes de Abrolhos crescem partir deuma estrutura caracterstica com a forma de cogumelochamada de chapeiro, o qual construdo por umafauna coralina rica em espcies endmicas que florescemem um ambiente lamoso considerado inspito.

    As caractersticas dos depsitos sedimentares darea de Abrolhos, um exemplo de associao desedimentos siliciclsticos e carbonticos, a presena deuma interao dinmica que permite a coexistncia deum sistema recifal com uma sedimentao terrgenaativa, e o fato do primeiro Parque Nacional Marinhodo Brasil (Figura 1) oferecer abrigo a uma comunidadede seres marinhos nicos, leva-nos a designar Abrolhoscomo um Stio Geobiolgico.

    Os primeiros relatos cientficossobre os recifes de coral de Abrolhosdatam do sculo dezenove e resultaramdas visitas, ao Brasil, dos pioneirosnaturalistas. Dentre essas visitas destaca-sea de Charles Darwin aos recifes quecircundam as ilhas do Arquiplago deAbrolhos. Entretanto, foi a ExpedioThayer, liderada por Louis Agassiz, quelevou produo do trabalho de CharlesF. Hartt, Geology and PhysicalGeography of Brazil, o qual contem aprimeira descrio detalhada dezoneamento de corais nos recifes deAbrolhos (Hartt, 1870).

    Os corais coletados durante asexpedies de Hartt ao recifes brasileirosforam descritos e classificados por Verrill(1868). Na dcada de sessenta o bilogofrancs Jacques L. Laborel publicoudiversos trabalhos sobre a biologia doscorais brasileiros e produziu uma lista dosprincipais organismos recifais encontradosao longo de toda a costa, inclusive nosrecifes de Abrolhos (Laborel, 1969a,1969b). Nessa ltima dcada um nmero crescente decientistas vm se dedicando a pesquisas mais detalhadassobre os recifes brasileiros, particularmente mapeandoas reas de recifes e produzindo dados sobre diversosaspectos das comunidades recifais. Alguns trabalhos

    Figura 1 Vista area do Arquip-lago de Abrolhos ilustrando as cin-co ilhas com seus recifes franjantes.No topo a esquerda, a ilha SantaBrbara com a pequena Guarita aoeste. Na base da foto as ilhas Re-donda a esquerda, e Siriba a direita.No topo a direita a ilha Sueste (fotocortesia de Marcelo Skaf).Figure 1 Aerial view of the Abro-lhos Archipelago illustrating the fiveislands with finging reefs. At the left topthe Santa Barbara Island with the smallGuarita to the west. At the bottom theRedonda (left) and the Siriba (right)islands. The right top illustrates theSueste island (photo courtezy of Marce-lo Skaf)

    Figura 2 Mapa de localizao dosrecifes de corais de Abrolhos.Figure 2 Location Map of Abrolhoscoral reefs

  • 347Stios geolgicos e paleontolgicos do Brasil

    Figura 3 Desenho esquemtico ilustrativo daforma de crescimento cogumelar dos chapeires. Aesquerda perfil de um chapeiro isolado, a direitachapeires coalescidos (ilustrao cortesia de VivianeTesta).

    Figure 3 Sketches of the mushroom-like growth formsof the chapeires. Left a cross section of an isolatedchapeiro and to the right coalescent chapeires(illustration courtezy of Viviane Testa).

    Figura 4 Vista area de um banco recifal do arcocosteiro de Abrolhos, circundado por guas turvasaps temporal.Figure 4 Aerial view of a bank reef from the coastalarc of Abrolhos, surrounded by turbid waters after a storm.

    Figura 5 Colnias do coral endmico Mussismiliabraziliensis, principal construtor dos recifes deAbrolhos (foto cortesia de Carlos Secchin).Figure 5 Colonies of the endemic coral Mussismiliabraziliensis, the major reefbuilding coral of the Abrolhosreefs (photo courtezy of Carlos Secchin).

  • 348 Abrolhos, BA

    descrevem as caractersticas geolgicas dos recifes eentre eles salientam-se os trabalhos produzidos porLeo (1982), Leo & Ginsburg (1997) e Leo et al.(1988). Contemporaneamente, vrios grupostaxonmicos especficos do ecossistema de Abrolhosforam descritos, particularmente a fauna de corais ehidrocorais (Amaral, 1994; Belm et al, 1982; Castro,1994; Pitombo et al., 1988), de octocorais (Castro, 1989,1990a, 1990b), de peixes recifais (Nunam, 1979; Telles,1998), e de moluscos (Petuch, 1979; Rios & Barcellos,1980), assim como a sua flora marinha (Amado Filhoet al., 1997; Coutinho et al., 1993; Figueiredo, 1997).

    O complexo recifal de Abrolhos abrange recifesde corais, ilhas vulcnicas, bancos rasos e canais,ocupando uma rea de aproximadamente 6.000 km2na parte norte do banco de Abrolhos (entre ascoordenadas de 17o20 -18o10S e 38o35-39o20W)(Figura 2). O banco de Abrolhos um alargamentoda plataforma continental leste brasileira, a qual irregular e de um modo geral bastante estreita (larguramdia 50km). Costa afora, na altura da cidade deCaravelas, ela apresenta uma largura excepcional decerca de 200 km.

    Onde esto localizados os recifes a plataformacontinental bastante rasa. As profundidades soinferiores a 30 m e na sua borda elas no excedem os70 m. O ngulo de inclinao do talude da ordem de00o 08. As profundidades entre os recifes do arcocosteiro e a costa so inferiores a 15 m. Um canal comprofundidades entre 20 e 30 m (canal de Abrolhos)separa os recifes do arco costeiro dos recifes doarquiplago e do arco externo. Bancos arenosos epinculos coralinos isolados circundam os recifes e asilhas. Nas proximidades da foz dos rios ocorrembancos rasos e barras arenosas (Figura 2).

    Clima e oceanografiaO clima na costa leste do Brasil mido com

    uma mdia de temperatura que varia entre 24oC noinverno e 27oC no vero. Julho o ms mais frio doano e maro o mais quente. A mdia anual deprecipitao na regio costeira em frente a rea deAbrolhos de 1750 mm. Maro, abril e maio so osmeses mais chuvosos, concentrando 35% de toda aprecipitao anual (612mm) (Nimer, 1989).

    O stio Abrolhos est locali