Argan - capítulo um

Download Argan - capítulo um

Post on 09-Jul-2015

649 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

CAPTULO UM - clssico e romntico Ao tratar a arte que se desenvolveu na Europa e, mais tarde, na Amrica do Norte durante o sculo XIX e XX, usa os termos "clssico" e "Romntico". A cultura artstica moderna , de facto centrada nas relaes dialtica, a oposio se no, entre estes dois conceitos. Elas envolvem a referncia a duas grandes etapas da histria da arte: o "clssico" est ligada arte no mundo antiga greco-romana, e que foi considerado no seu renascimento cultura humanista do sculo XV e XVI, a arte "romntica" do cristo Idade Mdia e, mais especificamente para o. Romnica e gtica Prope-se tambm, por Worringer, que se distingue por rea geogrfica: o mundo clssico Mediterrneo, onde a proporo de homens com a natureza boa e clara mundo, Romntico Do Norte, em que a natureza uma fora misteriosa, freqentemente hostil. Eles so dois diferentes concepes de mundo e da vida, relacionadas a dois diferentes mitologias, que tendem a enfrentar e integrar tanto quanto est descrito na conscincia, com a ideologias da Revoluo Francesa e das conquistas napolenicas, a idia de um unidade cultural possvel, talvez at mesmo a poltica, a Unio Europeia. Tanto o clssico e o Romntico sido teorizado entre meados do sculo XVIII e meados do sculo seguinte: o clssico, principalmente por Winckelmann e Mengs, o romntico pelos defensores do revival dos pensadores Gothic e alemo e escritores (as duas Schlegel, Wackenroder, Tieck, que a arte uma revelao do sagrado e tem necessariamente uma substncia religiosa). Teorizao perodos histricos significa transpor a ordem dos fatos do que ideias ou modelos: a partir meados do sculo XVIII at os Tratados ou os preceitos da Renascena e Barroco substitui, em um maior nvel terico, uma filosofia da arte (Esttica). Se h um conceito absoluto de arte, e este conceito formulado colocar em prtica como a norma, mas como um modo de ser espiritual humanos, s podemos lutar por esse fim ideal, sabendo que voc no vai porque iria atingir, at atingir a tenso e, em seguida, a arte em si. Com a formao da esttica ou filosofia da atividade do artista no mais considerado como um meio de conhecimento da transcendncia real do religioso ou de exortao moral. Com o pensamento clssico da arte como mimese (que envolvidos no modelo de dois andares e imitao) a idia de arte est em crise como um dualismo entre teoria e prtica, intelectual e tcnica: a

atividade artstica torna-se um primrio em vez de derivados, que no tem nenhum propsito alm do acabado de fazer. A estrutura binria de mimesis acontece Estados unitrios da poiesis, isto , de fazer arte e, assim, a oposio entre a certeza terica intencionalidade do clssico e romntico (potica). Ao mesmo tempo, afirmar a autonomia da arte, h o problema de sua coordenao com outras actividades, nomeadamente, o seu lugar e sua funo no contexto cultural e social da poca. Afirmar a autonomia e assumindo plena responsabilidade por suas aes, o artista captada a partir da realidade histrica, fato explicitamente declara ser e querer ser o momento certo e, muitas vezes faces, como um artista, problemas e questes atuais. A ruptura na tradio determinada pela cultura do Iluminismo. Natureza no mais da ordem da criao revelada e imutvel, mas o ambiente da existncia humana no mais o modelo universal, mas um estmulo para que todos reage de forma diferente, no mais a fonte de todo o conhecimento, ma o objeto do conhecimento da pesquisa. claro que o assunto tende a modificar o realidade objetiva, tanto em coisas concretas (especialmente a arquitetura, mobilirio . etc) est no caminho que leva o conceito e conscincia: o que era o a priori e valor absoluto da natureza como criao, eo modelo que varietur qualquer inveno humana substituiu a ideologia como a imagem que mente como voc quer que seja. O fato de que a motivao ideolgica, que muitas vezes se transforma em explicitamente poltico, para tomar o lugar do princpio natureza metafsica da revelao, bem como no neo-clssica de arte romntico, mostra que, apesar da aparente divergncia no outono mesmo ciclo de pensamento. A diferena est principalmente no tipo de atitude (principalmente predominantemente racional ou passional), que o artista leva para a histria ea realidade natural e social. O perodo de cerca de metade meio do 700 del'800 normalmente dividido da seguinte forma: 1) uma primeira etapa a poesia prromntica com Ingls e horror do paralelo sublime e potica com o Sturm alemo und Drang, 2) uma fase neo-clssica coincide aproximadamente com a revoluo 4

Frana e do Imprio napolenico, e 3) coincidente com uma reao romntica a intolerncia da restaurao burguesa maante da monarquia, com os movimentos de independncia nacional, as reivindicaes dos trabalhadores primeira 'entre 1820 c. e 1850 c. Essa periodizao no se sustenta por vrios motivos: 1) por meio da Sculo XVIII o termo "romntico" usado como o equivalente a "Pitoresco" e refere-se a jardinagem, que uma arte que no imita ou mas , segundo a tese do Iluminismo, atua diretamente na natureza, modificar, editar, adapt-lo aos sentimentos humanos e oportunidades da vida social, e que coloc-lo como um ambiente de vida, 2) potica do "sublime" e do Sturm und Drang, um pouco mais tarde para potica do "pitoresco", no h objeces, mas simplesmente refletem uma atitude diferente em relao a realidade do assunto: a natureza "pitoresco" de um ambiente diverso, amigvel, gentil, que promove o desenvolvimento em indivduos sentimentos de sociais para o "sublime" um ambiente misterioso e hostil, que na pessoa desenvolve um senso de sua solido (mas tambm dos seus individualidade) ea tragdia desesperada de existncia, e 3) a potica do "sublime" o que so chamados proto-romnticos, como os modelos assumir as formas clssicos (caso de Blake e Fuseli) e, portanto, constituem um dos componentes portadores de neoclassicismo, no entanto, como a arte clssica dada como o arqutipo arte, artistas no repeti-lo academicamente, mas aspiram sua perfeio com uma tenso distintamente romntico. Podemos, portanto, dizer que Neoclassicismo um passo histrico no processo de formao concepo romntica, ou seja, que a arte no vem da natureza, mas arte em si e no envolve apenas um pensamento de arte, mas acho que para um imagens do pensamento no menos legtima para conceitos gerais. Assim entendida, a arte romntica aquela que envolve tomar uma posio com respeito

a histria da arte. At o sculo XVII havia uma tradio de "clssicos" muito animada, no perdeu, assim como sua fora maior imaginao (como a de Bernini), o reformulado de forma original. Com o direito anti-historicismo da tradio iluminista dos acidentes, Grega e arte romana so identificados com o conceito de arte em si, pode ser coberto como exemplos supremos de civilizaes, mas continuam em 5 presentes e no ajudar a resolver os seus problemas. Que a felicidade criativo perdido pode ser evocado e emulado (Canova, Thorvaldsen) ou revivido como se estivesse em um sonho (Blake), revivida na imaginao (Ingres). Tambm pode ser violentamente contestada (Courbet). S mais tarde, com os impressionistas, no entanto, definitivamente sair do horizonte da arte. O edifcio neo-clssico ideal no. Certamente no verdade no final dos anos neo-clssica dos sculos XVIII e XIX, as pinturas de Goya, mas seu violento anti-clssico tambm surge da raiva de ver uma sociedade oposio por trs e intolerante o ideal racional, e como no pintar monstros se o sono da razo produz-los e enche o mundo? Com a cultura francesa do modelo da Revoluo Clssico adquire uma identificao tico-ideolgica com a soluo ideal do conflito entre liberdade e dever, e classifica-se como valor absoluto e universal, transcende e destri as tradies e "escolas" nacionais. Este universalismo, e supra-histrica culmina se espalhou pela Europa com o imprio Napoleo. A crise que determinada pela sua extremidade aberta, mesmo na cultura artstica, uma novas questes: o desafio de restaurao anti-histrica da monarquia, as naes deve encontrar em si mesmos, em sua prpria histria e do sentimento do povo, as razes ser independente e de uma raiz comum, o cristianismo,

objecto de uma convivncia civil. assim que, no global romance, que incluiu a ideologia neo-clssica expirado, o romantismo histrico, que contrasta com a dialtica como uma alternativa contrastando a racionalidade derrota profunda, essencial, intrnseca arte religiosa. Entre as razes para o que poderamos chamar de fim tradicional do ciclo eo incio Ciclo romntico ou moderno (at hoje, para vir at ns) liderar a transformao de tecnologias e organizao do produo econmica, com todas as suas conseqncias na ordem social e poltica. Era inevitvel que o nascimento da tecnologia industrial, aleijado de artesanato e suas tcnicas individuais e refinado, provocou conseqentemente, a transformao das estruturas e propsitos da arte, que produo artesanal foi um ponto culminante e modelo. A transio 6 ofcio tecnologia, que utiliza materiais e repetindo o processo natureza, tecnologia industrial, que se baseia na cincia e atua sobre transformao da natureza (e muitas vezes degradantes) o meio ambiente uma das causas grande crise da arte. Excludos do sistema econmico-tcnico produo, da qual ele tinha sido os protagonistas, os artistas se tornar intelectual estado de tenso constante com a mesma classe dominante que inclui como dissidentes. O artista uma burguesia bomia burguesa que se divorcia, dos quais despreza conformidade, mercantilismo mediocridade, cultural. A rpida evoluo da sistema industrial, em ambos o tecnolgico eo econmico-social explicar a mudana contnua de ar e atividades artsticas que quase no quero ser deixado para trs, ou de tendncias poticas que competem por sucesso, e so preenchidos com a ansiedade do reformismo e do modernismo. Pitoresco e do sublime Para dizer que algo belo uma opinio, no bela em si, mas no julgamento que define isso. A beleza no objetiva, mas subjetiva beleza "

Romntico " precisamente a caracterstica da beleza subjetiva, mudando, ao contrrio de "Classic beleza" objetiva, universal, imutvel. O pensamento do Iluminismo poses natureza como um formulrio ou forma criada uma vez por todas e sempre igual a si mesmo, que s pode representar ou imitar. A natureza dessa os homens percebem com os sentidos, o intelecto aprender, com ao de mudana (Ela nasce a partir do Iluminismo tecnologia moderna, que no obedece mas transforma a natureza) uma realidade que interiorizou tudo na mente seu desenvolvimento possvel, mesmo na ordem moral. Distinguir um belo " pitoresca "e um" belo sublime "(termos que j tinha um significado em falar de arte), Kant distingue dois acrdos que realmente dependem de dois diferentes atitudes em direo realidade humana sobre eles e suas relao realmente baseado sua "Crtica do Juzo". O "pitoresco" uma qualidade que afeta a natureza do "gosto" de pintores e especialmente os pintores do perodo barroco. A teorizar que era um pintor e tratados, Alexander Cozens, (1717 c. 1786) para dar em causa do sculo XVIII a pintura Ingls, em sua maioria retratos, uma escola de 7 paisagem. As principais questes so: 1) a natureza uma fonte de estmulo para que so sentimentos que esclarece e comunica o artista, 2) os sentimentos fotorreceptoras danos como manchas mais claras, mais escuras, de vrias cores e no um padro geomtrico como o da perspectiva clssica, e 3) os dados sensorium , naturalmente, comuns a todos, mas o artista desenhou-o com suas prprias tcnica mental e manual e dirige a experincia para que as pessoas no mundo, ensino para coordenar os sentimentos e emoes, e tambm cumprir pintura de paisagem para a funo educativa que o Iluminismo do sculo XVIII atribuda aos artistas, e 4) o ensino no decifrar de manchas a vaga noo do objeto a que se referem, que iria destruir a sensao primrio, mas para esclarecer o sentido eo valor do sentimento, de

modo , a fim de experimentar o particularistas no nocional ou real; 5) a valor que os artistas procuram a variedade: a variedade de aparncia d um sentido natureza como a variedade de casos em seres humanos para a vida; 6) no parece mais a beleza universal, mas a caracterstica particular; 7) a caracterstica no captura e contemplao, mas com a sagacidade (wit) ou a rapidez de esprito que permite combinar ou "mix" idias muito diferentes e imagens de distncia. Claro, os pontos variam dependendo do ponto de vista, luz, distncia. O que a "mente ativa" , ento, pega um contexto de spots diferentes, mas com eles relacionados, a variedade no impede a mltiplas vista dos componentes contribuem para transmitir um sentimento de alegria ou calma ou tristeza. John Robert Cozens - Nuvens Alexander Cozens - Lago Nemi 8 A potica da "pitoresca" significa a transio da sensao para a emoo: precisamente neste processo a partir do fsico para o educador moral, o artista est dirigindo seus contemporneos. Richard Wilson - Lago Albano John Constable - The White Horse William Turner - Atravessando a Brooke William Turner - Venezoa - Grand Canal A tese da subjetividade dos sentimentos e, portanto, funo, j no condicionado, mas apenas contra a natureza desafiadora de pensamento j est na filosofia de Berkeley, com maior amplitude de anlise Goethe afirmando no final de 700 sua teoria das cores e tendo como objeto as actividades de investigao do olho ao invs da luz (como Newton), jogou um ponte entre o cientificismo objetivista e subjetivismo romntico. Natureza no apenas uma fonte de sentimento, tambm leva a pensar, especialmente na pequenez do ser humano desprezvel comparado

9 a imensido da natureza e suas foras. O "pitoresco" no foi expressa menos do que na pintura, jardinagem, que foi essencialmente uma educao natureza sem destruir a espontaneidade, mas na frente de montanhas geladas e inacessvel a mar tempestuoso, o homem no pode provar outro sentimento do que a de prpria pequenez. Ou, num acesso de orgulho insano, para imaginar um Colossus, um semideus, um deus ainda desperta revolta que as foras das trevas contra Deus, o Criador do universo. No a variedade mais agradvel, mas fixidez medo; no mais a harmonia de todas as coisas de uma natureza favorvel, mas a toda discrdia elementos de natureza zangado e rebelde, a socializao no mais ilimitado, mas desanimado solido sem esperana. Os personagens do "sublime" foram definidas por Burke (investigao filosfica Origem de nossas idias do sublime e do belo, 1757) quase ao mesmo tempo onde Cozens chamou de "pitoresco" Ento, essas so as duas categorias em que define a concepo da relao humana com a natureza, voc quer usar em seus aspectos de uso domstico e como fonte de energia csmica sobre-humana. Eles tambm so maneiras diferentes de o pictrico. O "pitoresco" expresso em tons quente e brilhante, com toques vvidas que trazem para fora as irregularidades ou natureza das coisas. O repertrio to variada quanto possvel: rvores, troncos cados, manchas de grama e poas de gua, as nuvens se deslocou no cu, as cabanas dos camponeses, animais de pasto, estatuetas. O projeto de lei rpida, que no merece muita ateno para as coisas. Sempre se referem ao lugar exat...

Recommended

View more >