enxugando lágrimas psicografia chico xavier - espíritos ... lagrimas (psicografia chico...

Download Enxugando Lágrimas psicografia Chico Xavier - espíritos ... Lagrimas (psicografia Chico Xavier... ·

Post on 11-Nov-2018

230 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    ENXUGANDO

    LAGRIMAS

    FRANCISCO CNDIDO XAVIER

    Ditados por Espritos Diversos

  • 2

    INDICE

    ENXUGANDO LAGRIMAS Mensagem De Amor Leis A Que No Conseguimos Fugir Na Terra Preparao Para A Morte A Fonte Que Nos Lava O Corao No H De Fatal, Seno O Instante Da Morte Tudo Vida E Renovao Da Vida Vibraes De Reconforto Santificada Alegria Hbitos De Fraternidade Em Famlia Jesus No Um Mestre Morto Esposo Em Vida Transformada, Mas No Ausente Felicidade Do Reencontro Paz E Fortaleza Espiritual Carta De Pai Agradecido Dificuldades Daqueles Que Amam Rememorando Os Dias Terrestres A Verdadeira Fortuna O Filho Tombado Em Prova Seria Um Erro Furtarnossos Filhos Experincia Humana A Morte Um Lado Diferente, S Isso Fatalidade Do Reencontro De Volta Do "Berrio Novo" Fazer O Bem, O Melhor Investimento Estou Na Condio Do Canrio Que Esteve Na Gaiola E Foi Solto Realidade Que No Se Discute Tudo Beno De Deus Filho De Volta Ansioso Por Entendimento E Paz Famlia Adquirida Por Extenso Dinheiro Uma Beno De Deus Para Se Aplicar Bendito Esquecimento De Ns Mesmo Professores De Caridade Mensagem A Um Amigo Trabalhador Da Natureza Mame, Aqui, Temos Jardins E Escolas, Parques E Flores Luzes Que Chegavam De Longe Nota Sobre As Notas Infra-Pginas Entrevista Com Chico Xavier / Emmanuel

  • 3

    MENSAGEM DE AMOR

    Yolanda Querida Mame, querido Papai, meu querido Joo Batista, Deus abenoe a

    ns todos. Estou ainda quase sem foras. Quase como no instante em que me levantei de mim mesma, depois de me

    haverem erguido, maneira de uma criana. E venho, querida Mezinha, no apenas atrada por seu carinho, mas

    trazida na corrente de suas peties e de suas lgrimas. Peo agora com mais insistncia, no se entristea, ajude-me com aquela

    fortaleza que em seu esprito nunca vi esmorecer. Perdoem-me, o seu corao e o corao de meu pai, se voltei to s

    pressas vida que me convidava s grandes renovaes. Tenho o reconforto de afirmar-lhes que no provoquei o choque do Opala. Pensei que pudesse fazer uma ultrapassagem pacfica, habituada que me

    achava a visar dimenses e examinar caminhos de relance. Mezinha, no julgue que sua filha pudesse, por um instante s,

    enfraquecer-se na f, a ponto de buscar a desencarnao voluntria. Dias antes me sentia em nossa casa, como quem trazia a cabea e as mos

    crescidas, no sabia o que se passava. Inclinei-me a refletir sobre mediunidade, mas, somente aqui vim a saber

    que estava sendo preparada com carinho para a volta. Tudo, Mame, foi muito rpido. Um choque difcil de descrever e, depois aquela idia de que o desmaio era

    natural e inevitvel, um sono agitado por pesadelos, porque a gente no se despede do corpo, sem desatar muitos laos e nem se desliga com muita facilidade do ambiente querido em que se nos desenvolveu a experincia familiar.

    Quando acordei, porm, escutava seus apelos, suas perguntas, suas aflies e suas lgrimas, em forma de palavras e sons que me ecoavam por dentro do corao.

    Senti-me perdida, como quem se reconhece num hospital que no pediu e nem esperou.

    Os conhecimentos que trazia comigo me foram valiosos, porque era justo que eu a chamasse aos gritos, manifestando minha estranheza em altas vozes, mas quando vi o tio Orlando com aquele rosto sereno a fitar-me, ele que partira, antecedendo-me na vida Espiritual, creio por onze meses, compreendi tudo.

    Achava-me como ainda me encontro numa instituio de refazimento em que o amigo maior o Padre Antnio, direi Antnio Preto, de quem ouvira tantas vezes falar.

    Acolheu-me com brandura e soube que estvamos todos numa casa de socorro espiritual de urgncia, fundada junto a Bebedouro pelo sacerdote Francisco Valente, que nos deu tanto amor, na formao do recanto em que Deus enviou a felicidade para morar conosco.

    Lutei muito, querida Mame, porque no fcil deixar a existncia no lar,

    nem mesmo quando temos aquele ideal de estudar a vida em outros planos e em outros mundos, que sempre me marcou as idias de menina voltada para os assuntos do esprito.

  • 4

    Rogo dizer nossa Do Carmo e s amigas que a morte me apareceu na condio de uma benfeitora, e que no fui eu quem lhe bateu s portas.

    Mezinha, a senhora sabe que suicdio no constava de nossos propsitos, isto , dos meus.

    Pginas de amor e ternura, meditaes sobre a vida espiritual que eu tenha escrito, sabe nosso querido Joo Batista que eram pensamentos soltos nos quais, muitas vezes, me sentia sob influncias medinicas.

    Rogo ao querido irmo auxiliar-me com seu encorajamento e f em Deus. Joozinho, meu irmo, estamos no tempo dos nossos testemunhos de

    confiana em Deus. Estude e siga em frente. Sua irm no morreu. O que sucedeu foi mudana de lugar e de clima, sem transformaes em

    nosso amor de irmo que se tanto e que com a beno de Jesus, prosseguiremos unidos. Mezinha, agradeo as suas preces e as oraes dos familiares, sem me

    esquecer dos pensamentos de amor da Vov Carolina e da tia Geni, em Viradouro. Aqui, tenho encontrado muito amor, atravs de gestos de proteo que no

    plantei. Nossos irmos do Grupo do Calvrio ao Cu esto irmanados aos outros,

    aqueles que sob a proteo de So Joo Batista, distribuem socorro e bondade sob os nossos cus. Mame, perdoe sua filha, se minhas idias pareciam por vezes extravagantes.

    Eu sei que a sua ternura tantas vezes silenciava para que sua Landa estivesse crendo em sonhos e realizaes distantes da verdade que impera na vida.

    E me lembro dos seus olhos expressivos a me falarem sem palavras de suas preocupaes por mim.

    Creia, Mame, que no vim para c trazendo afeies maiores que as nossas, voc, papai, Joo Batista, Maria do Carmo e os nossos, parece que a gente mais jovem quando sai da Terra de repente, na maioria dos casos, parece considerada como sendo pessoas que se afastam do mundo por desiluses e desenganos, mas no assim.

    Existem leis a que no conseguimos fugir. Cada qual na Terra dispe de uma quota de tempo a fim de fazer o que

    deve. A parcela que a vida me reservava era curta. Mas tenho a idia de que tive os melhores pais da Terra e os melhores

    irmos, porque recebi todos os recursos de casa para realizar em mim as construes espirituais que pude.

    Dizer obrigada to pouco, mas digo assim mesmo: obrigada, Mezinha, por seus braos que me guiaram na vida, por seus sacrifcios por mim, pelas oraes que aprendi nos seus lbios e que as teorias do progresso humano no me fizeram esquecer; por suas noites de viglia, por suas inquietaes, acompanhando-me com as suas preces, quando me ausentava de casa, obrigada pelas repreenses que eu merecia e que ficaram sempre em seu carinho sem que voc me falasse dos receios que eu causava sua ternura, obrigada por tudo, mas por tudo o que voc me deu e obrigada a todos os que me concederam em famlia para me servirem de protetores e companheiros.

    Estou ainda muito pobre de foras, mas Deus conceder sua filha energias novas e serei til.

    Mezinha, meu pai, Joo Batista, Tia Geni e todos os meus entes queridos, termino, dizendo que estou agradecida, amando a todos cada vez mais.

    E o Papai me permitir terminar esta carta, dizendo a Mezinha, naquele abrao total, quando voltava a casa depois de qualquer ausncia.

  • 5

    Mezinha, voc tudo para mim, Mame, querida Mezinha, abenoe-me e deixe que me ajoelhe diante das suas preces outra vez para repetir que ns duas confiamos em Deus.

    E receba todo o carinho, com muitos beijos da sua filha, agora mais sua filha no corao.

    Yolanda

  • 6

    LEIS A QUE NO CONSEGUIMOS FUGIR

    Yolanda Semanas aps a recepo da "Mensagem de Amor", pelo mdium Francisco

    Cndido Xavier, a 15 de outubro de 1976, ao final da reunio pblica no Grupo Esprita da Prece, em Uberaba, Minas, a famlia da entidade comunicante se encarregou de imprimir um folheto contendo, alm da aludida pea medinica, os dados biogrficos e outros elementos comprobatrios de que nos servimos nestes apontamentos.

    1. Yolanda Carolina Giglio Villela: nasceu em Viradouro, Estado de So Paulo, a 23 de maio de 1949, e desencarnou a 4 de julho de 1976, em conseqncia de desastre automobilstico.

    Filha do Sr. Jos Nogueira Villela e de D. Anita Giglio Villela, era formada em Letras e exercia o magistrio; cultivava a msica, a poesia, e se interessava pelos assuntos de ordem espiritual.

    2. Joo Batista : trata-se de seu irmo mais novo. 3. Detalhe dos mais importantes, para o qual solicitamos a ateno do leitor:

    "Tenho o reconforto de afirmar-lhes que no provoquei o choque do Opala." Com efeito, o carro que se chocou com o Chevette era um Opala. O mdium desconhecia por completo semelhante pormenor, na aparncia andino, mas de profunda significao no contexto geral da mensagem.

    4. "Mezinha, no julgue que sua filha pudesse, por um instante s, enfraquecer-se na f, a ponto de buscar a desencarnao voluntria."

    Surgiram muitas dvidas - informa a famlia de Yolanda - sobre o acidente, e uma delas era a de ter sido o choque provocado por ela prpria.

    5. Prova inescusvel da Misericrdia Divina a derramar-se sobre todos ns: "Dias antes me sentia em nossa casa como quem trazia a cabea e as mos crescidas, (....) mas somente aqui vim a saber que estava sendo preparada com carinho para a volta."

    A quem deveria partir com ambas as mos quebradas e com fratura de crnio, qual aconteceu com a jovem Yolanda, no acidente, este passo da missiva d muito o que pensar a quantos se interessam pelos estudos referentes ao fenmeno da Morte.

Recommended

View more >