espeleÓlogos brasileiros participam de curso de .peleologia brasileiros e o spéléo ... frança

Download ESPELEÓLOGOS BRASILEIROS PARTICIPAM DE CURSO DE .peleologia Brasileiros e o Spéléo ... França

Post on 08-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Ano 9 - n 308 - 15/12/2014

    ESPELELOGOS BRASILEIROS PARTICIPAM

    DE CURSO DE RESGATE NA FRANA

    Por Willamy Saboia

    Membro do EGB - SBE G006

    A parceria entre os grupos de Es-peleologia Brasileiros e o Splo Secours Franais est cada vez mais forte. O apuramento tcnico e a experincia de quatro dcadas de operaes de resgate

    em cavernas na Europa conferem reco-nhecimento mundial a esta instituio. Atualmente a SSF conta com mais de 2.000 espelelogos treinados e prontos, distribudos nos 50 Departamentos da Frana.

    Nos ltimos anos a SSF vem investin-do na cooperao para formao de es-pelosocorristas brasileiros, com a realiza-o de cursos no Brasil, abertos a comuni-dade espeleolgica, que j formaram cerca de duas centenas de estagirios.

    Entre os dias 08 a 16 de novembro de 2014, seis Brasileiros participaram do Curso Internacional de Chefe de Equipe em Espeleosocorro, realizado em La Cha-pelle en Vercors - Frana. O curso, exclu-sivo para estrangeiros. Os alunos brasilei-ros so cinco do Espeleo Grupo de Braslia

    (Bernardo Bianchetti, Edvard Magalhes, Kariel Alexander, Luiz Aquino e Willamy Saboia) e um do Grupo Bambu de Pes-quisas Espeleolgicas (Leandro Maciel). No mesmo local, em paralelo, ocorre-ram os cursos de Comunicao, Aperfei-oamento em Assistncia Vtima (experimental) e Assistncia Vtima

    (internacional).

    Ministrado em trs idiomas, o Curso de Socorrista e de Chefe de Equipe - Internacional teve por instrutores o atual presidente da SSF, Bernard Tourte, e o Presidente da UIS, Christian Dodelin. Ao longo de suas 80 horas terico/prticas foram realizados exerccios no interior de abismos e em paredes. So-mando-se s prticas de resgate, houve pa-lestras sobre a organi-zao/funcionamento de especialidades co-mo Comunicao, As-

    sistncia Vtima e Resgate Subaqutico.

    O exerccio final, realizado no abismo Le Chuats 2, comps o cronograma de treinamento do Departamento 26 e possi-bilitou a visualizao do ciclo completo da organizao de um resgate. Para a retira-da por maca das duas vtimas, localizadas em posies distintas na caverna, houve a permanncia subterrnea de aproximada-mente 70 espeleosocorristas por at 12 horas, ficando o curso internacional en-carregado da vtima localizada cota de -200m.

    visvel a necessidade da estrutura-o do espeleoresgate no Brasil, com o estabelecimento de procedimentos unifi-cados e o fortalecimento dos grupos de espeleologia. O intercmbio entre Grupos com a disseminao das experincias exitosas no espeleoresgate e a progressi-va capacitao para esta situaes so medidas urgentes a se estabelecer. Torna-se necessria a maior participao da comunidade espeleolgica nessas oportu-nidades de capacitao, buscando viabili-zar a estruturao do espeleosocorro nacional.

    Agradecemos SSF pelo investimento na formao de espelesocorristas brasilei-ros e Embaixada da Frana no Brasil, que h vrios anos apoia esta coopera-o.

    Evacuao da vitima na "Grotte de Gournier"

    Edva

    rd M

    ag

    alh

    es

    Ka

    tery

    na

    Med

    ved

    eva

    Espelelogos retirando a vtima da caverna

  • O artigo Variveis envolvidas na prospeco espeleolgica e proposio de prazos adequados s parti-

    cularidades da rea de pesquisa dos

    autores Corbani, Ferreira e Ribeiro aborda

    aspectos relacionados prospeco de

    cavernas, a partir das novas exigncias de

    controle ambiental e de licenciamento

    para explorao ou empreendimentos,

    em reas que oferecem potencial espele-

    olgico.

    Busca-se a proposio de mtodos de

    prospeco que possibilitem uma preci-

    so, detalhamento, e densidade de cami-

    nhamento aceita pelo rgo ambiental,

    associada a prazos mais adequados rea-

    lidade geogrfica de cada rea de pesqui-

    sa como, por exemplo, aquelas relaciona-

    das geologia, topografia e vegetao, e

    que garantam, principalmente, a seguran-

    a e sade dos profissionais que atuam

    nessa rea.

    A metodologia conta com a anlise

    de fichas que foram utilizadas no traba-

    lho de campo e os dados que esse ins-

    trumento permitiu coletar dentro de um

    determinado prazo, bem como de ele-

    mentos recolhidos na prtica da pros-

    peco.

    Pretendeu-se tambm exemplificar a

    anlise dos diferentes nveis de dificulda-

    de do trabalho de prospeco com mo-

    delos de mapas e assim contribuir para

    uma mais bem estruturada perspectiva

    de trabalho, considerando a complexida-

    de e dificuldade da prospeco.

    Foram abordados aspectos inerentes

    a essa nova e crescente demanda profis-

    sional, relacionados segurana do tra-

    balho; a diferentes litologias; geografia

    do terreno; topografia, a drenagens; ao

    potencial espeleolgico; vegetao; ao

    nmero de pessoas por equipe e ao con-

    dicionamento fsico e emocional de seus

    integrantes.

    Fez-se necessrio tambm levantar

    aspectos relacionados padronizao das

    informaes de cavernas (fotos, fichas de

    prospeco endocrstica, caracterizao

    da rea, malhas ou densidade de cami-

    nhamento, coordenadas das cavidades,

    descrio de acessos, etc.), como compe-

    tncias a serem desenvolvidas para aque-

    les que atuam na prospeco.

    Conta-se, neste estudo, com dados

    hipotticos baseados em trabalhos de

    grande e mdio porte de prospeco.

    Fonte: 32 Anais CBE

    SBE NOTCIAS n 308 15/12/2014 Pgina 2

    ESTUDO PROPE METODOLOGIA PARA

    PROSPEO DE CAVERNAS

    CAVERNAS NA GERGIA QUE

    BRILHAM

    TED

    UMA VIAGEM S

    PROFUNDEZAS

    DA TERRA

    A na Sofia Reboleira apresenta no TED o que ser um espelelogo. TED uma fundao privada sem fins

    lucrativos dos Estados Unidos mais co-

    nhecida por suas conferncias na Europa,

    sia e Estados Unidos destinadas disse-

    minao de ideias.

    Confira o vdeo com a Espeleloga e

    Biloga portuguesa doutorada, mestre e

    licenciada pela Universidade de Aveiro.

    Especializada em Biologia subterrnea,

    deu o maior contributo para o conheci-

    mento do patrimnio biolgico subterr-

    neo de Portugal e j descreveu mais de

    duas dezenas de novas espcies para

    a cincia.

    U m fotgrafo russo capturou imagens raras de cavernas da Abk-

    zia, uma regio da Gergia.

    Shakuranskaya, teria

    sido formada depois que

    um terremoto atingiu a

    regio em 1892.

    As cavernas ficam a

    cerca de 120 km de Sochi,

    na Rssia.

    As cores variadas nas

    piscinas naturais so resul-

    tados de sedimentos acu-

    mulados dentro da caver-

    na. Mulde conta que pas-

    sou um dia inteiro dentro

    da cavidade, com um gru-

    po de amigos, para fazer

    as fotos e que os reflexos

    na gua fazem parecer que

    a caverna est viva. Perto

    desta caverna h outras

    quatro que podem ser

    visitadas.

    Fonte: BBC 14/12/2014

    A caverna pouco conhecida pelos turistas

    O Flash na gua ajudou o fotgrafo

    Vla

    dim

    ir M

    uld

    e

    Vla

    dim

    ir M

    uld

    e

    http://www.cavernas.org.br/anais32cbe/32cbe_319-321.pdfhttp://www.cavernas.org.br/anais32cbe/32cbe_319-321.pdfhttp://www.cavernas.org.br/anais32cbe/32cbe_319-321.pdfhttp://www.cavernas.org.br/anais32cbe/32cbe_319-321.pdfhttps://www.youtube.com/watch?v=4AFvfdnsNAs&feature=em-share_video_user
  • Art

    eCa

    rste

    Ma

    rsh

    ma

    llow

    Blo

    g

    SBE NOTCIAS n 308 15/12/2014 Pgina 3

    CERTIFICADO DE COOPERAO DA

    GRUTA DO LAGO AZUL FICA PRONTO

    O certificado de Cooperao para a Gesto do Monumento Natu-ral da Gruta do Lago Azul, nota que foi

    publicada no SBE Notcias 302

    (http://www.cavernas.org.br/sbenoticias/

    SBENoticias_302.pdf) juntamente assina-

    do pelo Prefeito Leonel Lemos de Souza

    Brito com o Diretor Presidente do IMA-

    SUL, Carlos Alberto Negreiros Said ficou

    pronto e a gesto est autorizada, docu-

    mento que no existia at o momento.

    A proprietria do receptivo, Almira

    Dias Soares, realizou reforma ampliando o

    espao para receber os turistas, melho-

    rando a infraestrutura da lanchonete, loja

    e ainda criando um espao para os Guias

    de Turismo que fazem atendimento no

    passeio.

    Em maio deste ano, foi retirada a pas-

    sarela metlica e as sapatas de concreto

    que foram colocadas no interior da Gruta.

    A passarela, que foi colocada no final de

    2012, estava oxidando e causando gran-

    des chances de contaminao do lago da

    Gruta, alm de muitas reclamaes de

    turistas, uma vez que a passarela atrapa-

    lhava a beleza da gruta e do lago.

    Com a chegada dos vos dirios de

    empresas como a GOL ir aumentar o

    nmero de visitantes devido a nova op-

    o de como chegar.

    Outra ao importantssima foi a

    implementao do Sistema de Gesto de

    Segurana no atrativo, que contou com a

    parceria dos Guias de Turismo, onde

    criado uma padronizao no atendimen-

    to de incidentes e acidentes, alm de

    atualizao do curso de primeiros socor-

    ros de todos os Guia de Turismo que

    trabalham no atrativo.

    Fonte: Capital News 05/12/2014

    Gruta agora tem gesto autorizada

    ARTE CARSTE NO

    CIRCUITO

    TURSTICO DAS

    GRUTAS

    D esenvolver o artesanato como fonte de renda nas cidades que compem o Circuito Turstico das Grutas,

    em Minas Gerais. Esse foi o principal obje-

    tivo do Projeto ArteCarste Mos Criati-

    vas no Circuito das Grutas que aps 18

    mes