Teste fernando pessoa porque sou tão triste ignoro correção

Download Teste fernando pessoa porque sou tão triste ignoro correção

Post on 18-Dec-2014

4.995 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. Teste de Portugus 12 ano 12A CORREO So apresentados apenas tpicos de correo VERSO 1e 2 outubro de 2013 Grupo I (15 pontos) 1. Com base no teu estudo da poca, vida e obra de Fernando Pessoa, indica, de entre as afirmaes seguintes, as verdadeiras (V) e as falsas (F) e corrige as falsas. 1.1 1.2 1.3 Fernando Pessoa nasce a 13 de Junho de 1888 e morre a 30 de Novembro de 1935. Aps o segundo casamento da me, a famlia parte para frica do Sul. Fernando Pessoa estabelece uma relao sentimental com Amlia Ophlia Queiroz, uma sua colega de trabalho. A Implantao da Repblica, o Estado Novo ou a 2 Guerra Mundial 1 Guerra Mundial so alguns dos acontecimentos histricos que ocorrem durante a sua vida. O Modernismo um movimento esttico de vanguarda, do incio do sec. XIX sc.XX no qual a literatura aparece associada s artes plsticas. O Futurismo e o Sensacionismo so subcorrentes do Modernismo. A revista Orpheu surge em 1915. Os principais mentores da gerao de Orpheu so: Fernando Pessoa, Cesrio Verde Almada Negreiros e Mrio de S-Carneiro. O nico livro que Fernando Pessoa publicou foi o Cancioneiro Mensagem. A clebre arca de Fernando Pessoa continua a guardar os segredos da sua obra. 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 Verso 1 V V F F F V V F F V Verso 2 V F V V F V F F F V Grupo II (85 pontos) L o poema de Fernando Pessoa com ateno e responde s questes que te so apresentadas. Porque sou to triste ignoro Nem porque subis em mim Lgrimas que eu choro assim; Desde menino vos choro E ainda vos no achei fim. Mas ento tambm eu ria, Chorava quando sofria. Chorava porque sentia. Hoje choro porque penso. Mas chorava pois 1 1 Palavra no decifrada no manuscrito
  • 2. Chorava porque sofria, E ao meu sofrimento penso2 Parecia3 o choro imenso. Que melhor era esse fundo Pesar que j se perdeu E seu chorar que morreu (Chorar como chora o mundo) Que no como choro eu. 28-7-1932 (transcrio adaptada) 1. O poeta d conta de dois choros diferentes. 1.1 Distingue-os, explicitando essa diferena. (20 pontos) Interpretar as quatro primeiras estrofes. O choro da criana que foi e o choro do homem que agora . O choro do sentir e o choro do pensar 2. A ltima estrofe surge como uma concluso do poema. 2.1 Comenta-a. (20 pontos) De entre os dois choros, o poeta preferia o choro da criana que foi 3. A poesia de Fernando Pessoa, ortnimo caracterizada pela sua magia sonora. 3.1 Analisa a musicalidade presente na primeira estrofe. (15 pontos) A musicalidade surge com as rimas interpoladas, emparelhadas e cruzadas (abbab), as aliteraes em [ch] e assonncias em [i], o ritmo binrio do verso 4. Recorda outros poemas de Fernando Pessoa, ortnimo, que estudaste. 4.1 Indica um com o qual este se possa relacionar. Justifica. (15 pontos) Relacionar com poemas alusivos s temticas: dor de pensar; nostalgia da infncia. B A Fragmentao do Eu uma temtica presente nos poemas do ortnimo. Num texto de 80 a 100 palavras, refere-te a esse tema, dando conta da tua experincia de leitura. (15 pontos) Resposta de acordo com os poemas escolhidos. Grupo III (50 pontos) 1. Classifica cada uma das oraes que contm que. (15 pontos) 1.1 O poeta que chora sensvel. Orao subordinada adjectiva relativa restritiva 1.2 O poeta diz que chora. Orao subordinada substantiva completiva 1.3 Desde que chore, poeta. Orao subordinada adverbial condicional 1.4 O poeta to sensvel que chora. Orao subordinada adverbial consecutiva 1.5 Uma vez que chora, poeta. Orao subordinada adverbial causal 2 3 Penso apenso, anexo, junto Parecia - aparecia
  • 3. 2. L o texto com ateno e selecciona, em cada um dos itens de 1 a 5, a nica opo correcta. (25 pontos) Se as mesas do Martinho da Arcada falassem, diriam apenas novidades deste sculo, coisa pouca para um caf-restaurante duas vezes centenrio. Fernando Pessoa frequentou-o regularmente depois de largar ferro da Brasileira do Chiado, e l esteve trs dias antes de morrer, bebendo um ltimo caf com Jos de Almada Negreiros. Soltara algumas das suas gargalhadas nervosas, que lhe faziam estremecer o corpo desconjuntado, e pigarreara, tossira, tossira muito, pois tinha agora um pigarro de alcolico, que se ouvia longe. Isto conta o seu bigrafo Joo Gaspar Simes. Alis, para muita gente o Martinho da Arcada o caf de Pessoa, embora cometa a uma injustia ao esquecer-se (mas saberia tal?) que aquelas salas vetustas foram inauguradas pelo mais famoso portugus de Setecentos, Sebastio Jos de Carvalho e Melo, marqus de Pombal. Um Pombal tambm j ento no fim, gasto e doente. Fernando Assis Pacheco, in Jornal de Letras, n 44, 26 de Outubro de 1982 2.1. caf-restaurante (l.2) uma palavra formada pelo processo de: a) converso. b) composio morfolgica. c) composio morfossintctica. d) afixao. 2.2 Na frase Fernando Pessoa frequentou-o regularmente depois de largar ferro da Brasileira do Chiado (ll. 2-3), o pronome o desempenha a funo sintctica de: a) predicativo do sujeito. b) complemento directo. c) sujeito. d) complemento agente da passiva. 2.3 Na frase Soltara algumas das suas gargalhadas nervosas, que lhe faziam estremecer o corpo desconjuntado, e pigarreara, tossira, tossira muito, pois tinha agora um pigarro de alcolico, que se ouvia longe. (ll. 4-6) encontra os seguintes tempos verbais: a) pretrito perfeito e pretrito imperfeito do Indicativo. b) pretrito perfeito e pretrito imperfeito do Conjuntivo. c) pretrito mais-que-perfeito e pretrito imperfeito do Indicativo. d) pretrito mais-que-perfeito e pretrito imperfeito do Conjuntivo. 2.4 A orao contida na sequncia gargalhadas nervosas, que lhe faziam estremecer o corpo desconjuntado (ll. 4-5) uma a) subordinada substantiva completiva. b) subordinada adjectiva relativa restritiva. c) subordinada adjectiva relativa explicativa. d) coordenada adversativa. 2.5 A voz activa do verbo de aquelas salas vetustas foram inauguradas pelo mais famoso portugus de Setecentos, (l.8/9) : a) inaugurasse. b) inaugura. c) inaugurava. d) inaugurou. Verso 1 C B C C D Verso 2 B C D B A
  • 4. 3. Faz corresponder aos cinco elementos da coluna A cinco elementos da coluna B, de modo a obter afirmaes verdadeiras. (10 pontos) A 1) No perodo iniciado por Se as mesas (l.1) 2) Com a citao Soltara algumas das suas gargalhadas (l. 4) 3) Com o uso da conjuno subordinativa embora (l.7) 4) Com as vrgulas em ,Sebastio Jos de Carvalho e Melo, (l.8) a) b) c) d) e) f) g) h) Verso 1 B F G H B o enunciador exprime um contraste relativamente ideia anteriormente apresentada. o enunciador usa a frase subordinada condicional para dar mais fora assero que expressa na frase subordinante. o enunciador exprime a confirmao de uma ideia anteriormente expressa. o enunciador situa o momento da enunciao relativamente aos factos que narra. o enunciador recorre a um dectico espacial. o enunciador recorre ao relato do discurso no discurso. o enunciador introduz uma conexo concessiva. o enunciador isola um modificador apositivo. Verso 2 H A C F Grupo IV (50 pontos) (j realizado) A professora Arminda Gonalves