Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf

Download Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf

Post on 23-Jun-2015

21.786 views

Category:

Documents

104 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Arlindo Ugulino Netto; Yuri Leite Eloy REUMATOLOGIA MEDICINA P6 2010.1MED RESUMOS 2011NETTO, Arlindo Ugulino; ELOY, Yuri Leite.SEMIOLOGIASEMIOLOGIA REUMATOLGICA(Professora Alessandra Braz e Professor Marcus Ivanovith) A Reumatologia a especialidade mdica que pesquisa, diagnostica, investiga e trata de doenas relacionadascom os ossos, colgeno e articulaes. Podemos resumir a atuao da reumatologia como a rea da medicina queaborda as doenas do tecido conjuntivo. Entre essas patologias, as mais popularmente conhecidas so as doenasreumticas ou reumatismos. Entre algumas doenas comumente abordadas pelo reumatologista podemos citar: Lupus Eritematoso Sistmico, Espondilite Anquilosante, Esclerose Sistmica, Fibromialgia ou dermatomialgia, Osteoartrite, Doena de Paget do osso,Artrite Reumatide, Osteoporose, Gota, Febre Reumtica, Sndrome de Sjgren, Poliarterite Nodosa, Granulomatose deWegener, Doena de Behet, Arterite de Clulas Gigantes, Arterite de Takayasu, Sndrome de Anticorpo Antifosfolipdeo, Tendinites e bursites, Sndrome do tnel do carpo, doenas que acometem a coluna vertebral, etc. Em especial, areumatologia trata de uma linha clssica de doenas inflamatrias e auto-imunes (que podem ser comuns ortopedia),mesmo sendo doenas que, aparentemente, exijam um tratamento de outras especialidades mdicas. Para chegarmos um tratamento correto do problema apresentado pelo paciente, primeiro faz-se necessriouma abordagem minuciosa dos sintomas, a qual ser realizada pelo reumatologista que investigar todo o quadro clnicodo paciente, e ento far sua avaliao e posterior diagnstico, prescrevendo ento o tratamento especfico e adequado cada caso e realizando um acompanhamento. A semiologia reumatolgica , assim como nas demais reas da medicina, um importante estgio na abordagemdo paciente com queixas reumticas. A anamnese e exame fsico bem feitos so de suma importncia em reumatologia,uma vez que nesta especialidade no existe nenhum exame laboratorial que isoladamente fornea um diagnstico. Aqui,os exames so meramente elementos contribuintes, e no tm valor se no estiverem embasados em uma histria eexame fsico de acordo.ANAMNESECada componente da anamnese tem um valor semiolgico significante que contribui na elaborao dashipteses diagnsticas. A abordagem ao paciente com queixa relacionada ao aparelho locomotor que devemos focarnossa ateno baseada nos seguintes parmetros: Identificao, Queixa principal, Histria da Molstia Atual,Antecedentes Mrbidos Pessoais, Antecedentes Mrbidos Familiares e Queixas Referentes a Outros Aparelhos.IDENTIFICAOA identificao possui mltiplos interesses. O primeiro deles de iniciar o relacionamento com o paciente. Sabero nome de uma paciente indispensvel para que se comece um processo de comunicao em nvel afetivo. Soobrigatrios os seguintes interesses:Nome, idade, sexo, cor (raa: branca, parda, preta), estado civil, profisso (atual e anteriores), local de trabalho,naturalidade, residncia. Data da internao, enfermaria, leito, Hospital. Idade. Interessa no que diz respeito frequncia de certas enfermidades. A febre reumtica aparece preferentemente em crianas e jovens; a artrite reumatide da criana uma doena totalmente diferente da artrite do adulto. A espondilite anquilosante inicia-se em indivduos jovens. A gota aparece em homens em qualquer idade; na mulher, sua incidncia aumenta aps a menopausa. A dermatomiosite da criana pode ser uma doena mais grave do que a do adulto se estiver associada a vasculite do aparelho digestivo. Sexo. interessante observar que existem doenas que incidem mais comumente em um dos sexos, como, por exemplo, atrite reumatide, osteoporose e lpus eritematoso nas mulheres. J espondilite anquilosante e gota preferem o sexo masculino. Alm disso, dentro de uma mesma doena, podem existir variaes clnicas dependendo do sexo do paciente: a artrose primria na mulher vista mais comumente em coluna cervical, dedos e joelhos; j no homem, incide mais em coxofemorais e coluna lombar. Raa. A artrite reumatide e osteoporose incidem mais em brancos que em negros. Os negros tm mais predisposio para desenvolver artrose de quadril. As doenas de Behet e de Kawasaki so mais comuns na raa amarela. Profisso. importante porque o tipo de atividade fsica do indivduo pode estar intimamente relacionado com o tipo de doena apresentada. So alguns exemplos: cotovelo de tenista; epitroclete de golfista; esclerodermia em pessoas que se expem a solventes de tinta, tricloroetileno e slica; lombalgia nos indivduos com profisso sedentria.1</li></ul><p> 2. Arlindo Ugulino Netto; Yuri Leite Eloy REUMATOLOGIA MEDICINA P6 2010.1QUEIXA PRINCIPALNa anamnese do paciente reumtico, a queixa mais frequente , sem dvida, a dor articular. De qualquerforma, registra-se a queixa principal que levou o paciente a procurar o mdico, repetindo se possvel as expresses porele utilizadas. No se deve esquecer de pr, como informao essencial, a durao do sinal/sintoma.HISTRIA DA MOLSTIA ATUAL A queixa principal deve ser explorada sob vrios aspectos, como localizao, incio e cronologia, padro deenvolvimento articular (presena ou no simetria), intensidade, irradiao, ritmo, carter, ciclo. Localizao anatmica da dor. O paciente deve identificar o local da dor. Se a dor est exatamente naarticulao, uma desordem articular est presente; j se a dor est entre as articulaes, sugere um processosseo ou muscular. Dor em localizaes de tendes, fscias ou bursas sugerem patologias destas estruturassuperficiais. Incio e cronologia. A dor caracterizada como aguda quando dura at 2 semanas; a subaguda aquela quedura entre 2 e 4 semanas; e a crnica dura por mais de um ms. Padro de envolvimento articular. A simetria da dor um dado que auxilia bastante no diagnstico etiolgico.A artrite reumatide, por exemplo, envolve grandes e pequenas articulaes de maneira simtrica. J asespondilites soronegativcas ocasionam preferentemente um envolvimento assimtrico em articulaes demembros inferiores. A gota inicial frequentemente afeta a primeira articulao metatarsofalangiana (podagra),evoluindo em padro monoarticular e, medida que progride, toma padro poliarticular. importante, tambm, que se verifique se o envolvimento se faz de maneira aditiva ou migratria. A artritereumatide um bom exemplo de envolvimento aditivo (no qual novas articulaes vo sendo afetadas,somando-se s anteriormente j envolvidas). A febre (ou molstia) reumtica um bom exemplo deenvolvimento migratrio, no qual medida que uma segunda articulao envolvida, a primeira melhora. Quantidade de articulaes envolvidas. A dor ou rigidez pode ser referida como monoarticular (umaarticulao apenas); oligoarticular (2 a 4 articulaes); e poliarticular (5 ou mais articulaes). Intensidade. Dores muito intensas so vistas em pacientes com crises agudas de gota, hrnia de disco e nasbursites. J a artrose e as doenas do tecido conjuntivo trazem dor com menor intensidade. No se deveesquecer que dor um dado subjetivo extremamente sujeito a variaes individuais. Em resumo, temos: Intensidade leve: osteoartrite (artrose). Intensidade moderada: artrite reumatide em crise, lpus em atividade. Dor intensa: neoplasias, metstases sseas, artrite sptica. Irradiao. Resulta, em geral, de compresso de razes nervosas, como, por exemplo, discopatia cervicalcausando cervibraquialgia; hrnia de disco lombar causando lombociatalgia, sndrome do tnel do carpo,promovendo dor e parestesias nos trs dedos mdios da mo. Ritmo. Diz respeito ao comportamento dirio da dor. importante aqui verificar o aparecimento ou agravamentoda dor em relao ao uso da articulao, bem como a sua presena em repouso ou com a protocintica (inciodo movimento). Um processo inflamatrio (como a artrite reumatide) caracterizado por dor que se manifestamesmo em repouso. Os processos mecnicos (como a artrose), por sua vez, apresentam dor ao uso daarticulao, melhorando com o repouso. Veja um exemplo: um paciente com dor lombar por espondiliteanquilosante (processo inflamatrio) costuma ter dor noturna que melhora medida que o corpo esquenta. Jum paciente com discopatia lombar (processo mecnico) tende a ter dor medida que o dia passa, melhorandocom o repouso.A rigidez de inutilidade tambm uma caracterstica fundamental entre algumas patologias reumticas: aosteoartrite, por exemplo, apresenta uma rigidez matinal que se manifesta logo depois de 30 minutos que osmovimentos so iniciados (dor protocintica); processos inflamatrios crnicos (como a artrite reumatide)apresenta rigidez matinal que se manifesta em no perodo compreendido entre 30 a 90 minutos depois que seexige das articulaes. Carter. Embora este tipo de descrio seja extremamente varivel, a dor tipo surda sugere envolvimentoarticular. Uma dor tipo queimao ou em pontadas sugere neuropatia. Podemos ainda caracterizar a dor comoremitente (que melhora com o uso de medicamentos, como a dor da artrite reumatide), intermitente (dor emcrises, como a dor da gota), lancinante, pulstil ou constante (como a dor da osteoartrite). Ciclo. A maioria dos processos articulares evolui de maneira cclica, podendo, nos casos mais graves, tomar umaspecto continuado. O tempo de durao e frequncia desses ciclos so fatores importantes na determinao daagressividade do tratamento. Alm da dor, o paciente reumtico pode ter outros sinais e sintomas sistmicos e manifestaes extra-articularesfundamentais para o diagnstico. O edema um elemento importante na separao de uma artrite de uma simples artralgia. Contudo, no rarouma pessoa obesa descrever como edema as colees adiposas que se formam aos lados do joelho, devendo oexaminador reconhecer este fator. Edema que ocorre em rea confinada e de maneira aguda se faz acompanhar desintomatologia dolorosa importante, por causa da presso exercida pelo lquido nas paredes; j o edema crnico maisbem tolerado, por dar tempo que ocorra estiramento das paredes da sinvia.2 3. Arlindo Ugulino Netto; Yuri Leite Eloy REUMATOLOGIA MEDICINA P6 2010.1 O calor uma caracterstica incomum das articulaes. Normalmente, as juntas so mais frias que a peleadjacente (principalmente nos membros inferiores) e, se apresentam calor, podem indicar um processo inflamatrio.Para comprovar o processo inflamatrio, o paciente relata dor mesmo no repouso. Outra queixa comum a de limitao do movimento. O tempo e a extenso em que a limitao est presenteso importantes na tentativa de predizer a sua reversabilidade. Um incio agudo para limitao de movimento sugereruptura de tendo. A rigidez matinal descrita pelo paciente como desconforto ao tentar mexer as articulaes aps um perodode imobilidade, e traduz existncia de processo inflamatrio. Essa queixa pode aparecer como prdromo de uma artrite e um dos critrios diagnsticos para a artrite reumatide. A rigidez matinal de uma doena no-inflamatria (chamada degelling) de curta durao: menos de meia hora. Finalmente, o paciente pode queixar-se de fraqueza. Quando presente, a perda de fora motora deve serconfirmada ao exame fsico. Em desordens musculares, observa-se uma perda de fora em musculatura proximal; nasneuropatias, a fraqueza mais distal. Deve ser separado do sintoma fadiga, que, embora muitas vezes proeminentes,tem conotao totalmente diferente. 1OBS : Conhecendo estes aspectos semiolgicos, j possvel reconhecer algumas das principais doenasreumatolgicas e frisar, atravs de exemplos, as suas caractersticas semiolgicas: A artrite gotosa aguda (gota) uma doena reumatolgica, inflamatria e metablica, que cursa com hiperuricemia (elevao dos nveis de cido rico no sangue) e resultante da deposio de cristais do cido nos tecidos e articulaes. Caracteriza-se por dor intermitente que acomete uma articulao isolada. Geralmente manifesta-se como uma artrite iniciada de modo sbito (durante a madrugada, por exemplo), caracterizada por uma inflamao articular acompanhada de calor, rubor, edema (inchao) e extrema dor. Mais frequentemente, acomete uma nica articulao, de preferncia, a primeira metatarsofalangeana (a articulao do dedo), dorso do p e tornozelo, mas com a evoluo da doena qualquer articulao pode ser acometida. A dor piora com a ingesto de bebidas alcolica, carne vermelha e frutos do mar. A chamada "crise" de gota geralmente tem durao de 5 a 7 dias com resoluo espontnea, entrando num perodo intercrtico (assintomtico), at a prxima crise (perodo 3 meses a 2 anos). Nos pacientes sem tratamento esse perodo intercrtico tende a se tornar progressivamente menor e as crises mais duradouras; nesses casos pode haver acometimento de mais de uma articulao. A artrite reumatide uma doena auto-imune sistmica e crnica, caracterizada pela inflamao das articulaes (artrite), e que pode levar a incapacitao funcional dos pacientes acometidos. Ocorre uma hiperplasia e hipertrofia do tecido sinovial. Acomete mais os indivduos do sexo feminino (de 3 a 5 vezes mais do que os do sexo masculino), tendo seu pico de incidncia entre 35 e 55 anos. Frequentemente acomete inmeras articulaes tais como punhos, mos, cotovelos, ombros, e pescoo; podendo levar deformidades e limitaes de movimento permanentes. geralmente simtrica e as articulaes afetadas podem apresentar sinais inflamatrios intensos, tais como: edema, calor, rubor e dor, alm de rigidez matinal (que se manifesta com cerca de 1 horas aps a exigncia da articulao). A dor, que, comumente, dura mais de um ms, melhora com o uso de medicamentos. Os sintomas extra-articulares mais comuns so: anemia, cansao extremo, perda de apetite, perda de peso, pericardite, pleurite e ndulos subcutneos. A artrite da febre reumtica, diferentemente da artrite reumatide, acomete mais crianas e tem carter migratrio (acometendo uma articulao por vez, de forma assimtrica). A osteoartrite (osteoartrose ou, simplesmente, artrose) uma perturbao crnica das articulaes caracterizada pela degenerao da cartilagem e do osso adjacente, que pode causar dor articular e rigidez. Afeta em algum grau muitas pessoas a partir dos 40 anos, tendo seu pico por volta dos 70 anos de idade, tanto homens como mulheres. Contudo, a doena tende a desenvolver-se nos homens numa idade mais precoce. A dor caracterizada como crnica e constante, de intensidade leve, mas que se manifesta e piora com determinados movimentos. Em geral, os sintomas desenvolvem-se gradualmente e afetam inicialmente uma ou vrias articulaes (as dos dedos, a base dos polegares, o pescoo, a zona lombar, o hlux, o quadril e os joelhos). Em alguns casos, a articulao pode estar rgida depois que o paciente dorme (rigidez de inatividade) ou de qualquer outra forma de inatividade; contudo, a rigidez costuma desaparecer 30 minutos depois de se iniciar o movimento da articulao. A cartilagem spera faz com que as articulaes ranjam ou crepitem ao mover-se. O quadro tpico aquele paciente que refere dor ao levantar de uma cadeira (dor protocintica) mas que melhora quando comea a andar no corredor. A dor palpao na face medial do joelho tambm bastante indicativo. A osteoporose uma doena que acomete os ossos, sendo caracterizada por diminuio substancial da massa...</p>