Psicoacústica Fenômenos da propagação do som Fga. Pierangela Nota Simões

Download Psicoacústica Fenômenos da propagação do som Fga. Pierangela Nota Simões

Post on 18-Apr-2015

103 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> Slide 1 </li> <li> Psicoacstica Fenmenos da propagao do som Fga. Pierangela Nota Simes </li> <li> Slide 2 </li> <li> Propagao A propagao da onda sonora no mundo real no ocorre sem que ela encontrem em sua trajetria foras friccionais, que fazem com que a amplitude do som produzido diminua com o tempo e com a distncia da fonte sonora </li> <li> Slide 3 </li> <li> Propagao Se no houver no caminho da onda sonora nenhum obstculo que se interponha a sua passagem, esta condio denominada de transmisso em campo livre Ainda assim, a intensidade do som diminui progressivamente com o distanciamento da fonte que o gerou </li> <li> Slide 4 </li> <li> Propagao Uma vez que haja um objeto na trajetria do som, parte dele ser refletido, parte absorvido e o restante ser transmitido, passando pelo obstculo ou, at mesmo, contornando-o </li> <li> Slide 5 </li> <li> Fenmenos A quantidade de som que refletida, absorvida ou transmitida depende, essencialmente, das caractersticas fsicas do obstculo (meio), que determinam a resistncia que ele ir oferecer passagem das ondas sonoras </li> <li> Slide 6 </li> <li> Reflexo Se uma onda sonora, propagando-se no ar, encontra uma parede rgida ela ser refletida O ngulo da trajetria refletida igual ao ngulo da trajetria incidente </li> <li> Slide 7 </li> <li> Reflexo </li> <li> Slide 8 </li> <li> Som refletido </li> <li> Slide 9 </li> <li> Reflexo Sons refletidos so algumas vezes chamados de ecos ou ondas de reverberao, cuja diferenciao est apenas na distncia do obstculo em relao fonte sonora </li> <li> Slide 10 </li> <li> Reverberao O som refletido retorna fonte num intervalo de tempo &lt; que 1/10 de segundo (100ms) O obstculo dever estar situado a uma distncia &lt; do que 17 m </li> <li> Slide 11 </li> <li> Reverberao um fenmeno caracterstico de recintos fechados, cujo controle de suma importncia em auditrios, teatros e estdios </li> <li> Slide 12 </li> <li> Reverberao </li> <li> Slide 13 </li> <li> Baslica de So Pedro: 10 segundos Biblioteca Pblica de Los Angeles: 25 segundos </li> <li> Slide 14 </li> <li> Eco O som refletido retorna fonte num intervalo de tempo &gt; ou = a 1/10 de segundo (100ms) O obstculo dever estar situado a uma distncia &gt; ou = a 17 m um fenmeno caractersticos de ambientes abertos </li> <li> Slide 15 </li> <li> Eco </li> <li> Slide 16 </li> <li> Som til Som til o som resultante do som direto e do som refletido, cujo intervalo de discriminao est dentro de 1/20 de segundo ou 50ms </li> <li> Slide 17 </li> <li> Som til Quando um som refletido chega ao ouvido com uma diferena de 50ms do som direto, a cclea ainda encontra-se bloqueada para receber o segundo som, que passa a ser um reforador do som direto </li> <li> Slide 18 </li> <li> Som til Esse tempo de discriminao foi determinado empiricamente por Bksy, como sendo a constante de tempo do ouvido O tempo timo, em termos de som til de aproximadamente de 30ms </li> <li> Slide 19 </li> <li> Som prejudicial Acima de 50ms, a cclea comea a discriminar o som direto e o refletido Nesse caso, o som resultante confuso e chamado de som prejudicial </li> <li> Slide 20 </li> <li> Eco Acima de 100ms, a cclea estar completamente desbloqueada, permitindo total discriminao entre o som direto e o refletido A relao entre o som direto e o som til determina a nitidez ou a clareza da mensagem </li> <li> Slide 21 </li> <li> Absoro Quando um material no apresenta rigidez suficiente para refletir o som, ele o absorve, deixando-o passar em parte para o outro lado e em parte dissipando-o dentro de sua estrutura Um material absorvente quando oferece pouca resistncia passagem da onda sonora </li> <li> Slide 22 </li> <li> Absoro Esse tipo de material chamado de material absorvente ou absorvente acstico, e sua magnitude dada pelo coeficiente de absoro (a), que representa a relao entre a energia absorvida e a energia incidente, expresso numericamente, variando de 0 a 1 </li> <li> Slide 23 </li> <li> Absoro 1 = toda a energia foi absorvida e nenhuma refletida 0 = toda a energia foi refletida e nenhuma foi absorvida O coeficiente de absoro independente da intensidade da onda incidente </li> <li> Slide 24 </li> <li> Reflexo X Absoro </li> <li> Slide 25 </li> <li> Transmisso Quando ouvimos um som que vem do outro lado de uma parede que separa dois ambientes, dizemos que o som foi transmitido pela parede </li> <li> Slide 26 </li> <li> Transmisso O som que nela incidiu fez com que ela vibrasse, tornando-se uma nova fonte sonora que transmite o som para os dois lados da parede </li> <li> Slide 27 </li> <li> Transmisso O som retransmitido O som irradiado na realidade o som gerado pela prpria parede que, excitada pela fonte original, passa a vibrar, transmitindo o som para o lado oposto </li> <li> Slide 28 </li> <li> Transmisso O ideal que uma parede transmita a menor quantidade de energia sonora para outro recinto Uma parede que transmite pouco som isolante Ex. parede que isola 30 dB: fonte de 70 dB 30 dB = 40 dB transmitido para o outro lado </li> <li> Slide 29 </li> <li> Materiais acsticos Tipo de material destinado a reter o som, absorvendo-o, para ser transformado em energia trmica e dissipado em seu interior </li> <li> Slide 30 </li> <li> Isolante fibroso Transforma a energia sonora em calor. Tem elevado coeficiente de absoro. Ex: fibra de vidro </li> <li> Slide 31 </li> <li> Isolante poroso O som refletido inmeras vezes nos poros at que se dissipe Ex: isopor, espuma </li> <li> Slide 32 </li> <li> Materiais acsticos As freqncias mais altas so mais difceis de serem absorvidas porque o material se opem a vibraes mais elevadas Nesses casos acontece uma atenuao e o som parece mais grave </li> <li> Slide 33 </li> <li> Isolante acstico </li> <li> Slide 34 </li> <li> Slide 35 </li> <li> Slide 36 </li> <li> Cabines acsticas So locais destinados a minimizar efeitos como reflexes e reverberaes Em cabines destinadas a testes auditivos o limite do som dentro do seu interior de 30 a 35 dB No caso dos estdios de gravao de 24 dB </li> <li> Slide 37 </li> <li> Refrao a variao na direo de propagao da onda sonora, devido a uma variao da velocidade do som em diferentes meios </li> <li> Slide 38 </li> <li> Refrao Pode acontecer tambm quando a onda encontra mudanas nas condies de um meio Velocidades do som: ar (340 m/s) gua (1407 m/s) </li> <li> Slide 39 </li> <li> Refrao 1: ar quente prximo da superfcie terrestre e ar frio mais acima. A velocidade do som no ar quente maior. A onda sonora desviada para cima. 2: situao de temperatura do ar oposta, e assim o som curvado para baixo </li> <li> Slide 40 </li> <li> Difrao a mudana na direo de propagao da onda sonora A onda sonora pode desviar ou contornar um obstculo </li> <li> Slide 41 </li> <li> Difrao </li> <li> Slide 42 </li> <li> uma caracterstica da prpria onda Ondas sonoras de baixa frequncia contornam mais facilmente os objetos do que as ondas sonoras de alta frequncia Este fenmeno permite-nos ouvir sons sem saber onde est a fonte sonora </li> <li> Slide 43 </li> <li> Orifcio menor do que o comprimento de onda A maior parte da onda refletida. A pequena parte que atravessa a parede pelo orifcio ser irradiada em todas as direes, como se fosse uma nova fonte de som. </li> <li> Slide 44 </li> <li> Orifcio maior do que o comprimento de onda Transmisso sem perda de intensidade. </li> <li> Slide 45 </li> <li> Obstculo menor que o comprimento de onda A onda sonora circunda o obstculo e recupera a sua frente de onda. A sombra acstica desprezvel </li> <li> Slide 46 </li> <li> Obstculo maior que o comprimento de onda Sombra acstica quase perfeita. A frente de onda e a intensidade do som refletido so iguais s que surgiriam se a fonte de som S fosse colocada na posio da sua imagem </li> <li> Slide 47 </li> <li> Ressonncia Todo sistema elstico possui uma freqncia natural de vibrao. Se uma fonte sonora emitir uma onda cuja freqncia coincida com a do sistema, dizemos que os dois entraram em ressonncia Assim, o sistema elstico pode ser induzido, por acmulo de energia, a efetuar oscilaes de amplitude muito superior da fonte que o excitou </li> <li> Slide 48 </li> <li> Ressonncia A amplitude de vibrao depende da proximidade da freqncia da fora aplicada freqncia natural do sistema elstico. medida que nos afastamos da freqncia natural para qualquer direo, o sistema torna-se menos responsivo s freqncias situadas abaixo ou acima de sua freqncia natural, tendo conseqentemente uma reduo nas amplitudes de vibrao destas freqncias </li> <li> Slide 49 </li> <li> Cristal </li> <li> Slide 50 </li> <li> Ponte de Tacoma </li> <li> Slide 51 </li> <li> Efeito Doppler O efeito Doppler uma caracterstica observada nas ondas quando emitidas ou refletidas por um objeto que est em movimento com relao ao observador </li> <li> Slide 52 </li> <li> Buzina de carro </li> <li> Slide 53 </li> <li> Efeito Doppler </li> <li> Slide 54 </li> <li> www.simoes.pro.br pierangela@simoes.pro.br </li> </ul>