portifolio charlene

Download Portifolio charlene

Post on 18-Dec-2014

2.509 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CINCIAS EXATAS E DA TERRA CAMPUS II ALAGOINHAS - BAHIA PORTFLIOTurma 2010.2
  • 2. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEBDEPARTAMENTO DE CINCIAS EXATAS E DA TERRA CAMPUS II ALAGOINHAS - BAHIA Portflio apresentado ao curso de Licenciatura em Cincias Biolgicas da Universidade do Estado da Bahia, DCET, Campus II como requisito Avaliativo do Componente Curricular Estgio Supervisionado II, sob regncia da Profa. Cludia Regina Teixeira de Souza. Alagoinhas - BA 2011
  • 3. Ningum nega o valor da educao e que um bom professor imprescindvel. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar duro, difcil e necessrio, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestgio social e responsabilizados pelo fracasso da educao, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho.Charlene Rodrigues Carneiro A data um convite para que todos, pais, alunos, Autora sociedade, repensemos nossos papis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educao que queremos. Aos professores, fica o convite para que no descuidem de sua misso de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem guias e no apenas galinhas. Pois, se a educao sozinha no transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda. Paulo Freire
  • 4. NDICE Pg.O Estgio ..................................................................... 1A Escola ....................................................................... 3A Turma ....................................................................... 5O livro didtico ............................................................ 7A professora regente ................................................... 9Perodo de regncia .................................................. 11Auxilio na conduta do estgio ................................... 20Resultado .................................................................. 26Consideraes Finais ................................................. 27Referncias ................................................................ 29
  • 5. 1 O Estgio O estgio um momento em que o acadmico pode vivenciarexperincias, colocando na prtica tudo ou parte daquilo que lhe apresentado na teoria, tomando uma conscincia da responsabilidade edeveres de sua futura profisso. De acordo com Francisco e Pereira(2004) o estgio surge como um processo fundamental na formao doaluno estagirio, pois a forma de fazer a transio de aluno paraprofessor aluno de tantos anos descobre-se no lugar de professor.Estgio Supervisionado parte da necessidade de uma formaoprofissional mais ampla, e que acompanhasse as tendncias de ummercado de trabalho cada vez mais globalizado. A capacitao tcnicaadequada, a formao lingustica e a experincia de trabalho, foramfatores fundamentais para solidificao de uma viso global, dasperspectivas de mercado para o futuro profissional.
  • 6. 2 No momento estgio percebi que meu medo em comandaruma sala de aula pode ser vencido, quer a insegurana foi superada.Coloquei em prtica tudo aquilo que aprendi nas aulas tericas, foi ummomento valioso para minha formao. O Estgio Supervisionado na rea de Licenciatura em CinciasBiolgicas deve englobar a aprendizagem do processo produtivo, favorecerum envolvimento na rotina da escola, facilitando a troca de conhecimentose experincias. Segundo Dorneles (2007) este processo de sumaimportncia para o desenvolvimento da vida profissional, pois nestaetapa que os conhecimentos tcnicos adquiridos ao longo da vidaacadmica so colocados em prtica, aprimorando a forma decompreend-los e analis-los. O Estgio de Licenciatura umaexigncia da Lei de Diretrizes e Bases daEducao Nacional (n 9394/96). Oestgio necessrio formaoprofissional a fim de adequar essaformao s expectativas do mercado detrabalho onde o licenciado ir atuar. Assimo estgio d oportunidade de aliar ateoria prtica.
  • 7. 3 A Escola O local de estudo foi um colgio de Ensino Fundamental II (6ano ao 9 ano) e Ensino Mdio, o qual funciona em trs turnos. Suaestrutura fsica se apresenta de forma precria, so notrias algumasdeficincias no mbito de organizao, higiene e espao fsico. As salas de aula so amplas, porm no arejadas; paredes eiluminao precisam de reparos bem como suas instalaes sanitrias(banheiros); alm de bebedouros sem higienizao adequada; ascarteiras no so conservadas e nem h quantidade suficiente paratodos os alunos. Possui um espao para a biblioteca, quadra esportiva,sala de vdeo com TV e DVD, ainda que precrias. Possui ainda espaosque servem de secretaria, sala da direo e sala dos professores. Essasdeficincias interferem diretamente na vida escolar do aluno, uma vezque este ambiente ser cenrio de estudo, discusso, debates,reflexes, convvios sociais e lazer.
  • 8. 4 No momento que entrei na escola, pela primeira vez,percebi que a escola tinha uma pssima administrao, como oaluno pode gostar de ir assistir aula em um lugar sujo?! Onde faltacadeiras, mesa, bebedouros e banheiros sujos, visto que o ambienteinfluncia bastante na aprendizado. Segundo CORRA (1995), o espao fsico da escola deve serconvidativo para os alunos, um lugar que represente relaes deintimidade e afetividade, em que se manifesta atravs de apreciaovisual ou esttica e pelos sentidos a partir de uma longa vivncia(p.15). Sendo assim, cria-se vnculos afetivos e possibilita um espaofacilitador para o desenvolvimento cognitivo, alm de estabelecer ourestabelecer valores como preservao e valorizao de um espaosocial.
  • 9. 5 A Turma A turma eracomposta por vinte e cincoalunos matriculados, masaproximadamente dezoitoalunos frequentavam asaulas, com idade devariando de dezoito a vinteanos e era uma turma debons alunos e a maioria dezona rural de Feira deSantana. Os alunos eram muito agitados e se dispersavam com muitafacilidade e conversavam muito. Nessa turma, foi possvel formar vriosgrupos de alunos: os atenciosos, os desinteressados, mas com facilidade paraaprender; os atenciosos com dificuldade para aprender; e os desinteressadoscom dificuldade para aprender. Nem todos participavam da aula,perguntando, questionando.
  • 10. 6 Em relao ao cumprimento dasregras e a resoluo de atividades, uma grandemaioria eram indisciplinados no realizandotanto as atividades de casa como as de classe.Contudo, havia um percentual considervel dealunos que faziam todas as atividadestrabalhadas em sala. Havia tambm aquelesalunos que no frequentavam as aulas porestarem aprovados na disciplina. Senti receio nas primeiras aulas pois osalunos possua um carinho e amizade pelaprofessora regente, gostavam da metodologiadela. Segundo ABREU & MASETTO (1990),afirma que o modo de agir do professor em salade aula, mais do que suas caractersticas depersonalidade que colabora para uma adequadaaprendizagem dos alunos; fundamenta-se numadeterminada concepo do papel do professor,que por sua vez reflete valores e padres dasociedade.
  • 11. 7 O Livro Didtico O livro didtico (LD) utilizado pela escola era Biologia dosOrganismos de Amabis e Martho. Mas os alunos no utilizava o livro emsala de aula, pois alegavam que esse era muito pesado. Com isso, utilizeiapostila em sala de aula e solicitava exerccio do livro no final de toda aula,na tentativa. O LD representou u