o problema .2013-06-06 · t9 15p tugendhat, ernst o problema da moral / ernst tugendhat. - porto

Download O Problema .2013-06-06 · T9 15p Tugendhat, Ernst O Problema da moral / Ernst Tugendhat. - Porto

Post on 30-Nov-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • O Problema da

    MORAL

  • PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DO RIO GRANDE DO SUL

    CHANCELER - Dom Dadeus Grings REITOR - Norberto Francisco Rauch VICE-REITOR - Joaquim Clotet CONSELHO EDITORIAL

    Antoninho Muza Naime Antonio Mario Pascual Bianchi Dlcia Enricone Jayme Paviani Luiz Antnio de Assis Brasil e Silva Regina Zilberman Telmo Berthold Urbano Zilles (Presidente) Vera Lcia Strube de Lima

    Diretor da EDIPUCRS - Antoninho Muza Naime

    EDIPUCRS Av. Ipiranga, 6681 - Prdio 33

    C.P. 1429 90619-900 Porto Alegre - RS

    Fone/Fax.: (5 1) 3320-3523 E-mail: edipucrs @pucrs.br

    www.pucrs.br/edipucrs/

  • ERNST TUGENDHAT

    O Problema da

    MORAL

    L EDIPUCRS

    PORTOALEGRE 20133

  • O Copyrigl~t de EDIPUCRS, 2003

    T9 15p Tugendhat, Ernst O Problema da moral / Ernst Tugendhat. - Porto

    Alegre : EDIPUCRS, 2003.

    Apresenta palestra proferida na conferncia inti- tulada "O Problema da Moral", realizada em 14 de maio de 2003, PUCRS, Porto Alegre, 2003.

    1. tica. 2. Filosofia. I. Ttulo.

    1 CDD 170 c Ficha catalogrfica elaborada pelo Setor de Processamento Tcnico da BC-PUCRS Proibida a reproduo total ou parcial desta obra sem a autorizao expressa desta Editora

    Capa: Agncia Experimental - FAMECOS Diagramao: Cristina Mancini Berengan Reviso: Draiton Gonzaga de Souza Impresso: Grfica EPEC, com filmes fornecidos

  • APRESENTAO DO EVENTO ................................... 07 Dr . Urbano Zilles

    APRESENTAO DO AUTOR ...................................... 09 Dr . Draiton Gonzaga de Souza

    O PROBLEMA DA MORAL ........................................... 13 Dr . Ernst Tugendhat

  • APRESENTAO DO EVENTO

    Dv. Urbano Zilles

    No dia 14 de maio de 2003, das 10h s 1 lh30min, no Auditrio da Faculdade de Arquitetura (trreo do Prdio 9 da PUCRS), o eminente Prof. Dr. Ernst Tugendhat, professor emrito da Universidade de Berlim (Alemanha), proferiu, em um portugus clarssimo, a conferncia intitulada Oproblema da moral. O Auditrio com capacidade para mais de duzentas pessoas estava superlotado, e muitas pessoas no consegui- ram entrar.

    O Planejamento Estratgico na PUCRS, j na primeira frase da formulao da misso, menciona a tica: "A PUCRS, fundamentada nos princpios da tica e do Cristianismo (...)". Fala-se tanto sobre esse assunto, causando-se a impresso de que todos so especialistas nessa rea. Porm, constata-se grande dificuldade, quando tentamos definir o que entende- mos por tica, assim como uma grande impreciso no uso desse termo. Parece que estamos diante de algo semelhante ao que acontece com Santo Agostinho, quando interrogado sobre o que seja o tempo. Se no me perguntam, diz ele, sei o que ; se me perguntam, no sei. Por isso, quer-se, atravs de algumas palestras, aprofundar a reflexo sobre questes tais como: o que tica? Qual a diferena entre tica e moral? Pode existir uma tica no-religiosa? Como se relacionam tica e cristianismo? Quais so os "princpios" da tica? Co- mo se posiciona a tica frente s novas questes trazidas pela tcnica e pela biotecnologia?

    A palestra de Ernst Tugendhat aborda um ponto cen- tral da formulao da misso da PUCRS, implcito na palavra "fundamentada", e que um dos grandes problemas que en- frentamos atualmente: o da fundamentao da tica. No que

  • vamos fundamentar proposies normativas do tipo "deves fazer isso", "no deves fazer aquilo"? Durante muitotempo, recorreu-se natureza, tradio e autoridade para a fun- damentao de normas. Esse procedimento tornou-se, ao lon- go da histria do pensamento humano, altamente problemti- co. Como, ento, fundamentar as normas? Aparece, tambm, uma outra alternativa de soluo: a fundamentao da tica na religio. Mas se algum no tem vinculao religiosa al- guma, isso significa que essa pessoa no pode agir eticamen- te?

    Pelo fato de a reflexo sobre a tica ter recebido tanta importncia no Planejamento da Universidade, a Pr-Reitoria de Pesquisa e Ps-Graduao promoveu a palestra do insigne filsofo alemo, o segundo evento de uma srie, que tem co- mo finalidade o aprofundamento da compreenso desse as- pecto fundamental da misso da PUCRS. O primeiro ocorrera em 18 de novembro de 2002, com a conferncia "tica na Universidade", proferida pela Profa. Dra. Adela Cortina (U- niversidade de Valncia, Espanha). A prxima palestra dessa srie promovida pela PRPPG ocorrer no dia 25 de agosto de 2003, s 10 h, no Auditrio da FACE (trreo do prdio 50 da PUCRS) e ser ministrada pelo professor espanhol Dr. Diego Gracia Guilln, abordando questes de biotica.

    Por meio da publicao desta palestra, precedida da apresentao da vida e obra do conferencista, a cargo do Prof. Dr. Draiton G. de Souza, coordenador do Programa de Ps- Graduao em Filosofia da PUCRS, queremos facultar o a- cesso conferncia do Prof. Tugendhat tanto queles que lhe assistiram como queles que estiveram impossibilitados de participar de tal evento, com o augrio de que a leitura deste texto incite ao pensamento sobre uma questo que diz respei- to a todos ns, assim na vida particular como na profissional.

  • APRESENTAO DO AUTOR

    Dr. Draiton Gonzaga de Souza

    Ernst Tugendhat , sem dvida, um dos maiores fil- sofos contemporneos, sendo o segundo filsofo alemo mais citado da atualidade (o primeiro Jurgen Habermas). Nasceu em 1930, em Brno (Tchecoslovquia), transferindo-se, poste- riormente, com sua famlia, para a Sua e depois para a Ve- nezuela. Estudou nas Universidades de Stanford (Estados Unidos) e de Freiburg (Alemanha), onde concluiu o doutora- do em 1956, com um trabalho sobre a filosofia aristotlica intitulado TIKATA TINOS. Uma investigao sobre estrutura e origem dos conceitos fundamentais de Aristteles (TI KATA TINOS. Eine Untersuchung zu Strzlktur und Ursprung aristotelischer Grundbegriffe, 1958). A tese de habilitao foi escrita em Tubingen e teve como ttulo O conceito de vevda- de enz Hzrsserl e Heidegger (Der Wahrheitsbegriff bei Hus- ser1 und Heidegger). Foi professor catedrtico de Filosofia nas Universidades de Heidelberg (1966-1975) e de Berlim (1980-1992), depois de ter trabalhado, de 1975 a 1980, jun- tamente com Jurgen Habermas, no Instituto Max Planck de S tarnberg.

    Esteve vrias vezes no Brasil, ministrando cursos e palestras, e, em 1998, lecionou, a convite do Prof. Dr. Ernildo Stein, durante um semestre, no Programa de Ps-Graduao em Filosofia da PUCRS, do qual professor visitante. Em abril e maio de 2003, ministrou, no referido PPG, um curso sobre o Livro azul de Wittgenstein.

    Na sua produo filosfica, publicada em prestigiosas editoras alems, figuram obras que se tornaram clssicas, tais como as Lies introdutrias j losoja analtica da lingua- gem e Autoconscincia e autodeterniizao, que tratam, so-

  • bretudo, de problemas ligados filosofia terica. Aps a palestra proferida na PUCRS, em 14.05.2003,

    Prof. Tugendhat autografou o livro ~ z l o ~ o em Leticia, pu- blicado pela EDIPUCRS em 2002 e que pertence, por sua vez, s obras do autor que tratam de temas da filosofia prtica (assim como Problemas da tica, tica e politica e Lies sobre tica). Dilogo em Letcia, cuja traduo foi coordena- da pela Profa. Dra. Maria Clara Dias (UFRJ), ex-doutoranda do autor em Berlim, aborda temas altamente relevantes e atu- ais, tais como a questo da fundamentao da moral, do uni- versalismo moral, a questo da justia e da corrupo, na forma de um dilogo que transcorre na cidade colombiana de Letcia. Publicada em 1997, essa obra constitui-se num exa- me crtico minucioso de posies defendidas pelo autor em obras anteriores; a propsito, a postura crtica e autocrtica , notoriamente, um trao marcante das obras de Ernst Tugend- hat.

    Algumas de suas obras j traduzidas para o portugus, alm de Dilogo em Leticia (EDIPUCRS, 2002; Dialog in Leticia, 1997): No somos de arame rgido (Ed. da ULBRA, 2002); O livro de Manzlel e Camila. Dilogos sobre a moral (Ed. da UFG, 2002; Wie sollen wir handeln, Reclam, 2000); Lies sobre tica (Vozes, 1996; Vorlesztngen uber Ethik, Suhrkamp, 1993); Propedutica lgico-seinntica (co-autora: Ursula Wolf, Vozes, 1997; Logisch-sen~antische Propdezitik, Reclam. 1983) e Lies introdzrtrias JilosoJia analtica da linguagem (traduo parcial, Ed. da UNIJUI, 1992; Vorle- szingen zzir Einfhrung in die sprachanalytische Philosophie, Suhrkamp, 1976).

    Em espanhol, dispomos das seguintes obras: tica -y politica (Madrid: Tecnos, 1998; Ethik und Politik; Suhrkamp, 1992); Problemas (Barcelona: Gedisa, 2002; Aufstze 1992- 2000, Suhrkamp, 2001); Ser, verdad, accin (Barcelona: Ge- disa, 1998; Plzilosophische Agfsatze, Suhrkamp, 1992); Pro-

  • blen~as de la tica (Barcelona: Crtica, 1988; Probleme der Ethik, Suhrkamp, 1984) e Autoconciencia e autodeterminaci- n (Mxico: Fondo de Cultura Econmica, 1993; Selbstbe- wusstsein und Selbstbestimrnung, Suhrkamp, 1979).

    No segundo semestre deste ano, Prof. Tugendhat pu- blicar o livro Egocentricidade e mistica (Egozentrizitat und Mystik) pela renomada editora Beck, de Munique. A maioria das obras supracitadas est disponvel na Biblioteca Central da PUCRS.

  • O PROBLEMA DA MORAL

    Dr. Ernst Tugendhat

    Nesta conferncia, quero apresentar uma viso de con- junto de minha concepo da moral. Eu j fiz isso numa con- ferncia que apresentei em Porto Alegre, h dois anos, e que agora est publicada numa coletnea de conferncias sob o ttulo No somos de arame rgido. O que quero fazer aqui apresentar a mesma concepo, mas com algumas modifica- es que, em parte, se referem a um livro publicado, h dois anos, o qual retoma a minha posio contratualista, mas de uma maneira muito diferente. Eu vou referir-me algumas vezes a este livro, para contrastar com a minha posio. O autor chama-se Peter Stemmer, e o ttulo da obra Handeln zugunsten anderer (Agir em favor de outros). Como no te- nho muito tempo para expor,