o elite resolve unifesp 2008 - lÍnguas ?· o verbo assistir, quando transitivo direto, significa...

Download O ELITE RESOLVE UNIFESP 2008 - LÍNGUAS ?· O verbo assistir, quando transitivo direto, significa “dar…

Post on 03-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br

    O ELITE RESOLVE UNIFESP 2008 - LNGUAS

    1

    LNGUA PORTUGUESA

    QUESTO 01 Considere o texto e analise as trs afirmaes seguintes.

    I. A frase Toda criana deve ser assistida quanto ao seu direito ateno e ao carinho dos adultos est correta quanto aos sentidos propostos no texto e tambm quanto regncia. II. Deve-se interpretar a referncia do pronome voc como criana, conforme sugerido pelo ttulo do texto. III. As duas oraes que compem as perguntas estabelecem entre si relao de adversidade. Est correto apenas o que se afirma em a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) II e III.

    Resoluo Alternativa D I. Correta. O verbo assistir, quando transitivo direto, significa dar assistncia, sentido coerente com o texto, que defende o apoio criana. J as regncias indiretas de ateno e ao carinho referem-se ao substantivo direito, que rege preposio a. II. Correta. Certamente, o referente do pronome voc criana porque, posteriormente, as atitudes solicitadas dizem respeito ao universo infantil: papai, mame, fazer um desenho... III. Incorreta. A relao que se estabelece de confirmao, no de adversidade: as oraes se complementam, no se contrariam.

    Texto INSTRUO: Considere o trecho de notcia seguinte para responder s questes de nmeros 02 e 03.

    Polcia investiga troca de beb por casa A polcia do Paran est investigando trs casos de doao ilegal de bebs no Estado, que teriam sido trocados pelos pais por material de construo, cestas bsicas e por uma casa.

    (Folha de S.Paulo, 10.06.1999.)

    QUESTO 02 Comparando o primeiro texto, De criana para criana, com o texto da notcia, correto afirmar que a atitude dos pais a) viola o exposto naquele texto, j que eles no obtiveram vantagens pessoais com a doao. b) confirma o que vem exposto naquele texto, j que os bebs foram doados para que tivessem uma vida melhor. c) contradiz o que vem exposto naquele texto, j que os bebs no foram devidamente respeitados. d) nega o que vem exposto naquele texto, j que a adoo no violou o direito dos bebs. e) confirma o que vem exposto naquele texto quanto doao, que ilegal, mas necessria.

    Resoluo Alternativa C a) Incorreta, pois os pais dos bebs tiveram uma bvia vantagem pessoal (ganharam bens materiais) com a doao. b) Incorreta: nada no texto indica que os bebs doados teriam uma vida melhor; logo, afirmar isso uma extrapolao do sentido do texto, o que no deve ser feito em uma prova de interpretao. c) Correta: ao contrrio do que se defende no texto da questo 01, os pais no assumiram os deveres que tinham com os filhos. O texto da

    questo afirma, inclusive, que os cuidados devem vir de preferncia do papai e da mame, preceito que foi claramente desrespeitado pelos pais citados na notcia. d) Incorreta: a adoo violou os direitos dos bebs de receber cuidados de seus prprios pais; alm disso, nada garante que as pessoas que os receberam pretendem cuidar deles como seus prprios filhos. e) Incorreta: o texto da questo 01 no afirma em momento algum que a doao de bebs necessria.

    QUESTO 03 Tendo em vista que a investigao policial no estava concluda na poca da publicao da notcia, o emprego da forma verbal teriam sugere que os casos investigados eram a) fantasiosos. b) possveis. c) confirmados. d) contraditrios. e) idealizados.

    Resoluo Alternativa B Os verbos, conjugados no pretrito imperfeito do indicativo, comumente assumem valor de possibilidade. Dessa forma, sem uma certeza de determinado fato, o locutor no se compromete com a afirmao. o caso do texto: sem a concluso da investigao policial, o jornal se utiliza dessa forma verbal (teriam) para no se responsabilizar por uma possvel veiculao de notcia enganosa.

    Texto INSTRUO: As questes de nmeros 04 a 08 baseiam-se no texto de Moacyr Scliar.

    A casa das iluses perdidas Quando ela anunciou que estava grvida, a primeira reao

    dele foi de desagrado, logo seguida de franca irritao. Que coisa, disse, voc no podia tomar cuidado, engravidar logo agora que estou desempregado, numa pior, voc no tem cabea mesmo, no sei o que vi em voc, j deveria ter trocado de mulher havia muito tempo. Ela, naturalmente, chorou, chorou muito. Disse que ele tinha razo, que aquilo fora uma irresponsabilidade, mas mesmo assim queria ter o filho. Sempre sonhara com isso, com a maternidade e agora que o sonho estava prestes a se realizar, no deixaria que ele se desfizesse.

    Por favor, suplicou. Eu fao tudo que voc quiser, eu dou um jeito de arranjar trabalho, eu sustento o nen, mas, por favor, me deixe ser me.

    Ele disse que ia pensar. Ao fim de trs dias daria a resposta. E sumiu.

    Voltou, no ao cabo de trs dias, mas de trs meses. quela altura ela j estava com uma barriga avantajada que tornava impossvel o aborto; ao v-lo, esqueceu a desconsiderao, esqueceu tudo estava certa de que ele vinha com a mensagem que tanto esperava, voc pode ter o nen, eu ajudo voc a cri-lo.

    Estava errada. Ele vinha, sim, dizer-lhe que podia dar luz a criana; mas no para ficar com ela. J tinha feito o negcio: trocariam o recm-nascido por uma casa. A casa que no tinham e que agora seria o lar deles, o lar onde agora ele prometia ficariam para sempre.

    Ela ficou desesperada. De novo caiu em prantos, de novo implorou. Ele se mostrou irredutvel. E ela, como sempre, cedeu.

    Entregue a criana, foram visitar a casa. Era uma modesta construo num bairro popular. Mas era o lar prometido e ela ficou extasiada. Ali mesmo, contudo, fez uma declarao:

    Ns vamos encher esta casa de crianas. Quatro ou cinco, no mnimo.

    Ele no disse nada, mas ficou pensando. Quatro ou cinco casas, aquilo era um bom comeo.

    (Moacyr Scliar, Folha de S.Paulo, 14.06.1999.) QUESTO 04

    No texto, a idia de iluses perdidas diz respeito a) realizao da maternidade que, na verdade, no atinge a sua plenitude. b) desolao da jovem me ao ver que a casa recebida no era luxuosa como concebera. c) alegria da me com a casa e superao da tristeza pela doao da criana. d) melancolia da me por programar todas as crianas que teria para trocar por casas. e) certeza do homem de que a mulher no formar com ele um lar na casa nova.

  • (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br

    O ELITE RESOLVE UNIFESP 2008 - LNGUAS

    2

    Resoluo Alternativa A a) Correta. No texto, a mulher deseja ser me, e realiza tal feito. No entanto, a maternidade no se realiza plenamente porque ela se v obrigada a doar o filho, no podendo efetivar seu papel maternal. b) Incorreta. A me desejava ter o filho, no ganhar a casa. Portanto, no h idealizao, por parte dela, do imvel a ser recebido. c) Incorreta. A me no se v feliz com a casa, tampouco supera a tristeza por ter doado sua criana. d) Incorreta. A me se v animada com a possibilidade de filhos no futuro, e no deseja troc-los por casas: quer realizar plenamente a maternidade. O desejo de novos imveis do pai. e) Incorreta. Tal certeza do pai no diz respeito s iluses perdidas: ele no idealiza nada e o responsvel por no formar uma famlia na casa: ele almeja vender suas crianas por novas casas no futuro.

    QUESTO 05 O casal age de modo contrrio aos sentimentos comuns de justia e dignidade. No contexto da narrativa, tais comportamentos explicam-se a) pela falta de amor que h entre a mulher e o companheiro, fazendo com que tudo que os rodeia se torne um negcio vantajoso. b) pelo amor exagerado que a mulher sente e pela confuso de sentimentos que o companheiro vive na descoberta desse amor. c) pelo dio exagerado que a mulher sente do companheiro e pela forma displicente e pouco amvel como ele a v. d) pela submisso exagerada da mulher ao companheiro e pela forma mesquinha e interesseira como ele resolve as coisas. e) pela forma irresponsvel com que a mulher age em relao ao companheiro, o que o faz tomar atitudes impensadas.

    Resoluo Alternativa D a) Incorreta: no fica claro no texto que h falta de amor entre as duas metades do casal, mas, principalmente, no h nenhum outro negcio vantajoso mencionado no texto. Seria errado, portanto, dizer que tudo o que os cerca se caracteriza por ser um bom negcio. b) Incorreta: no h no texto indicaes de um amor exagerado sentido pela mulher. Alm disso, o companheiro dela de modo algum passa por uma confuso de sentimentos: ainda que ele tenha mais de um sentimento (primeiro desagrado, depois irritao), eles so coerentes entre si, no confusos. c) Incorreta: embora haja realmente displicncia na forma como o homem trata a mulher, ela no demonstra dio pelo companheiro, mesmo tendo seu pedido negado. d) Correta: a principal caracterstica da mulher justamente a submisso, como comprovado no trecho e ela, como sempre, cedeu. E ele prova resolver as coisas de forma mesquinha e interesseira, pois, alm de trocar o primeiro filho por uma casa, planeja fazer o mesmo com os prximos. e) Incorreta: embora a mulher seja acusada de irresponsabilidade pelo companheiro, o contexto nos permite concluir que essa uma acusao falsa, pois a culpa da gravidez de ambos. Alm disso, a atitude do marido no impensada, pois ele se ausenta de casa durante trs meses para s ento voltar com o plano de trocar a criana. O lapso de tempo permite concluir que ele se informou e planejou a atitude, o que confirmado pelo fato de ele pretender repeti-la em outras ocasies.

    QUESTO 06 Ele no disse nada, mas ficou pensando. Quatro ou cinco casas, aquilo era um bom comeo. As duas frases finais do texto deixam evidente que ter mais filhos a) uma possibilidade pouco atraente para o casal que, por hora, j conquistou algo custa de sofrimento. b) ser para o casal uma forma de alcanar a felicidade, j que a mulher e seu companheiro podero ter a casa cheia de crianas. c) pode tornar-se lucrativo na tica do companheiro, embora a mulher ainda veja isso com olhos sonhadores. d) se torna uma forma de compensar o episdio pouco feliz da doao do pr