o conceito de existÊncia em martin heidegger e ernst tugendhat .2016-12-27 · martin heidegger

Download O CONCEITO DE EXISTÊNCIA EM MARTIN HEIDEGGER E ERNST TUGENDHAT .2016-12-27 · MARTIN HEIDEGGER

Post on 30-Nov-2018

218 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DO RIO GRANDE DO SUL PUCRS

    FACULDADE DE FILOSOFIA E CINCIAS HUMANAS

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM FILOSOFIA

    MARCOS FANTON

    O CONCEITO DE EXISTNCIA EM

    MARTIN HEIDEGGER E ERNST TUGENDHAT

    Porto Alegre

    2009

  • MARCOS FANTON

    O CONCEITO DE EXISTNCIA EM

    MARTIN HEIDEGGER E ERNST TUGENDHAT

    Dissertao apresentada banca examinadora do Programa de Ps Graduao em Filosofia da Pontifcia Universidade Catlica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) como requisito parcial para obteno do ttulo de Mestre em Filosofia.

    Orientador: Prof. Dr. Ernildo J. Stein

    Porto Alegre

    2009

  • MARCOS FANTON

    O CONCEITO DE EXISTNCIA EM

    MARTIN HEIDEGGER E ERNST TUGENDHAT

    Dissertao apresentada banca examinadora do Programa de Ps Graduao em Filosofia da Pontifcia Universidade Catlica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) como requisito parcial para obteno do ttulo de Mestre em Filosofia.

    Aprovada em 11, de janeiro de 2010.

    BANCA EXAMINADORA:

    ___________________________________________

    Prof. Dr. Ernildo J. Stein PUCRS (Orientador)

    _______________________________________________

    Prof. Dr. Nythamar H. F. de Oliveira Jnior PUCRS

    _______________________________________________

    Prof. Dr. Jorge Antnio Torres Machado - PUCRS

  • Para meus pais, minha irm e minha av.

    Para Ernildo J. Stein.

  • AGRADECIMENTOS

    Ao professor, orientador e amigo Ernildo J. Stein, com profunda admirao pela sua pessoa e pelo seu trabalho terico.

    Aos meus pais, minha irm e minha av, pelo apoio e carinho incondicionais.

    Raquel, pelo companheirismo e, principalmente, pelo sorriso.

    Aos colegas de mestrado e amigos Rogrio, Thiago Leite, Juliana Mezzomo, Juliana Missaggia, Clber, Joice, Henriete, Fbio, Emanuel, Andr Barata, pelo incentivo, pelas sugestes, observaes crticas e revises. Esta dissertao , em grande parte, um dilogo tambm com eles.

    Aos amigos Luis Rosa, verdadeira bssola nos caminhos da filosofia analtica, Fabrcio e Tatiana, tambm pelas observaes crticas, mas, principalmente, pela possibilidade de compartilhar minhas angstias e descobertas durante este percurso.

    Aos professores e secretrios da Ps-Graduao em Filosofia da PUC/RS, em especial ao professor Nythamar de Oliveira, pelo seu apoio e incentivo.

    turma do Monobloco, Diego, Guilherme, Thiago, Elisa, Marcos, Carolina e Andria, pela diverso e pelas horas de pedalada durante as folgas dos estudos.

    Ao CNPQ, pelo apoio financeiro imprescindvel para a realizao desta pesquisa.

  • A linguagem um labirinto de caminhos. Voc entra por um lado e sabe onde est;

    voc chega por outro lado ao mesmo lugar e no sabe mais onde est.

    Ludwig Wittgenstein, Investigaes Filosficas (203).

    Tudo caminho.

    Martin Heidegger, A caminho da linguagem.

  • RESUMO

    Este trabalho tem por objetivo explicitar e refletir sobre os conceitos de existncia dos filsofos Martin Heidegger e Ernst Tugendhat. Para tanto, exponho, na Introduo, um breve e amplo panorama da discusso sobre o conceito de existncia na filosofia contempornea e apresento a metodologia do trabalho, baseada nos conceitos de palavra, conceito, problema e posio filosfica. No Primeiro Captulo, sobre Heidegger, procuro demonstrar que, em Ser e Tempo, podemos encontrar trs conceitos de existncia [1] existncia como o todo do ser do Dasein; [2] existncia como um dos momentos constitutivos do cuidado; e [3] existncia como ex-sistncia. Tais modificaes conceituais, e esta minha hiptese, no revelam uma impreciso do mtodo fenomenolgico-hermenutico, como afirmam certos filsofos de vertente analtica, mas uma de suas particularidades que permite um controle semntico intersubjetivo. Discuto, ainda neste captulo, as formulaes do conceito de existncia dos filsofos da existncia, Kierkegaard, Jaspers e Sartre, com o objetivo de alcanar uma melhor compreenso da proposta do prprio Heidegger. No Segundo Captulo, tenho como hiptese inicial que Tugendhat elabora, em um grupo de obras especfico, trs conceitos de existncia: [I] existncia como identificao; [II] existncia temporal; e [III] existncia como relacionar-se consigo mesmo, sendo que, em todos eles, h uma pretenso de estar de acordo com o princpio fundamental da filosofia analtica. Ao final, mostrarei que o terceiro conceito pode provocar dvidas a respeito de uma concordncia com tal princpio. Por fim, nas Concluses Finais, volto, novamente, discusso da metodologia do trabalho, agora com a hiptese programtica de uma tentativa de dilogo entre ambas as posies filosficas e como isto poderia ser realizado. Como resultado, exponho, ainda, que a principal motivao para utilizarmos o conceito de existncia na filosofia contempornea o intuito de uma descrio filosfica da existncia do ser humano como uma existncia singular, finita, insubstituvel e que precisa ser levada a cada momento por cada um. Isto traz, por conseqncia, a necessidade de re-elaborao de outros conceitos fundamentais, como, por exemplo, o de verdade, liberdade, transcendncia, tempo, entre outros.

    Palavras-chave: Martin Heidegger Ernst Tugendhat existncia relacionar-se consigo mesmo filosofia analtica da linguagem filosofia hermenutica

  • ABSTRACT

    This work aims to describe and to reflect on the concepts of existence of the philosophers Martin Heidegger and Ernst Tugendhat. To do so, I expose, in the Introduction, a brief and broad overview of the discussion of the concept of existence in contemporary philosophy and I present the methodology of the present work, based on the concepts of word, concept, problem and philosophical position. In Chapter One, on Heidegger, I try to show that, in Being and Time, we can find three concepts of existence [1] existence as the whole of Dasein's being; [2] existence as one of the constituent moments of care; and [3] existence as ex-sistence. Such conceptual change and this is my hypothesis do not reveal an inaccuracy of the hermeneutic-phenomenological method, as stated by some philosophers of analytic branch, but one of its particularities which allows an intersubjective semantic control. I still discuss, in this chapter, the formulations of the concept of existence of the philosophers of existence, such as Kierkegaard, Jaspers and Sartre, in order to achieve a better comprehension of Heideggers own proposal. In the Second Chapter, I have, as an initial hypothesis, that Tugendhat formulates, in a group of particular works, three concepts of existence: [I] existence as identification; [II] temporal existence; and [III] existence as relation to one own self, and that in all of them there is an intention to comply with the fundamental principle of analytic philosophy. In the end, I try to demonstrate that the third concept can cause doubts about an alignment with this principle. Finally, in the Final Considerations, I return again to the discussion of the methodology of the work, now with the hypothesis of a programmatic attempt of a dialogue between the two philosophical positions and how this could be accomplished. I expose further that the main motivation for us using the concept of existence in contemporary philosophy is the purpose of a philosophical account of the existence of human existence as a unique, irreplaceable and which it must be carried each time by each one. This brings thereby the need for the redevelopment of other concepts, like, for example, truth, freedom, reason, transcendence, time, among others.

    Key-words: Martin Heidegger Ernst Tugendhat existence relation to one own self analytical philosophy of language hermeneutical philosophy

  • SUMRIO

    Introduo..................9

    Captulo 1 Trs conceitos de existncia em Ser e Tempo..................................................17

    1.1. Existncia em Kierkegaard, Jaspers e Sartre.....................................................21

    1.2. Existncia como o todo do ser do Dasein.........................................................25

    1.3. Existncia como um dos momentos constitutivos do cuidado..........................27

    1.4. Existncia como ex-sistncia.............................................................................29

    1.5. Consideraes parciais......................................................................................30

    Captulo 2 Trs conceitos de existncia em Ernst Tugendhat.........................................34

    2.1. Da existncia identificao..................................................................................41

    2.2. Existncia temporal................................................................................................44

    2.3. Existncia como relacionar-se consigo mesmo......................................................46

    2.4. Consideraes parciais...........................................................................................53

    Consideraes Finais...............................................................................................................57

    Referncias Bibliogrficas......................................................................................................60

  • 9

    INTRODUO

    A primeira impresso que temos ao estudar o conceito de existncia na filosofia

    contempornea, sem nos restringirmos a um autor ou a um modo de filosofar especficos, a

    de que nos encontramos em uma espcie de encruzilhada na qual temos de escolher entre dois

    caminhos radicalmente diferentes. De um lado, a palavra existncia correlata da palavra

    vida, expressando, basicamente, a atividade ou o processo de alguns entes de se manterem

    presentes no espao por determinado perodo d

Recommended

View more >