manual pratico digital - projetando para offset

Download Manual Pratico Digital - Projetando para Offset

Post on 29-Mar-2016

246 views

Category:

Documents

25 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Este manual explica os processos empregados para se obter uma impressão comercial (offset)

TRANSCRIPT

  • MANUAL PRTICO DIGITAL: PROJETANDO PARA OFFSET

    Trabalho de Concluso de Curso Design GrficoAna Paula da Paixo Almeida

    Salvador - 2005.2

    3

  • 2.1.1 Apresentao

    Planejar graficamente uma arte, onde se integram texto, imagem, cor e espao no intuito de

    tornar a mensagem mais legvel e agradvel. Segundo Amaury Fernandes, No basta ter

    talento para cri-lo. Dominar sua industrializao imprescindvel para acelerar os

    processos e aumentar sua lucratividade (Produo Grfica para quem no produtor

    grfico, prefcio), ou seja, quanto mais se conhece os processos, mais liberdade se tem para

    criar, reduzindo tempo de execuo e custos. Essa a proposta deste manual. Auxiliar na

    concepo de projetos que sero impressos pelo processo Offset, dando suporte tcnico desde

    o primeiro momento at o produto final impresso, mostrando, assim, como pensar em

    formato, em papel, na sua gramatura, nas cores, nos possveis acabamentos, no que

    necessrio para a realizao de um oramento, como preparar o arquivo para ser encaminhado

    grfica, etc. Enfim, um resumo dos conhecimentos bsicos que se precisa saber para

    trabalhar com impressos. Consta tambm explicao sobre cada etapa: criao, pr-impresso,

    impresso e acabamento e ainda dicas em todos os processos; uma explicao sobre Offset

    digital; passo a passo para fechamento de arquivo; um glossrio para consulta de possveis

    termos desconhecidos e indicaes de links interessantes.

    A impresso Offset origina da evoluo do sistema de impresso Litogrfica, que foi

    "inventada" por Alois Senefelder no ano de 1798, na cidade de Munique, Alemanha. O Offset

    (expresso que vem do ingls set off, que significa a transferncia de tinta de uma pgina

    para outra) ou impresso indireta o processo pelo qual a imagem gravada

    fotomecanicamente em uma chapa flexvel de zinco ou alumnio; depois, transferida para

    um cilindro de borracha; e em seguida, para uma folha de papel. Verstil, esse sistema tem

    alta qualidade de impresso e permite trabalhar em vrios formatos, em preto-e-branco e em

    cores, utilizando tanto impressoras planas quanto rotativas.

    Para execut-lo com sucesso, deve-se tomar alguns cuidados, desde o momento da concepo

    do projeto.

    4

  • 2.1.2 Criao

    Para criar necessrio que haja uma demanda de projeto, bem como um briefing, conjunto de

    informaes bsicas para incio do trabalho de criao. Deve ser feita uma lista de

    solicitaes, expectativas e limitaes do cliente, como por exemplo: qual a inteno do

    impresso? Quem o pblico? O que deve conter o produto? Como as pessoas vo receber o

    produto? Qual a disponibilidade de verba para execuo do impresso? Enfim, quanto mais

    informaes conseguir obter, mais facilmente se desenvolver o projeto. Depois de analisadas

    essas informaes o momento de transform-las em linguagem grfica. Mesmo com toda

    tecnologia, o ideal que primeiro se utilize o papel para esboar, isso dar mais possibilidades

    para o criador, sem que este fique limitado s ferramentas dos programas.

    Paralelo a isso, deve-se comear a colocar em prtica o conceito elaborado para o projeto,

    pensando no papel, nas imagens e seus efeitos, nas cores e em tudo que envolver a execuo

    do trabalho. Conhecendo os processos de produo grfica, o oramento do cliente ser

    melhor aproveitado, driblando os custos com profissionalismo e escolhendo um formato

    econmico, por exemplo.

    Dica 01: Para que um todo, dividido em partes desiguais, parea harmonioso, preciso que exista, entre a

    parte pequena e a maior, a mesma relao que entre a grande e o todo. (Planejamento Visual Grfico, 1985,

    APUD Mdia e Extrema Razo, Relao ou Seo urea Euclides)

    A escolha do formato

    Com base no briefing do cliente, ser escolhido o formato que for mais adequado. Mas,

    tecnicamente existem formatos que desperdiam menos papel e, por isso, tornam-se mais

    baratos. As folhas inteiras mais comuns tm o formato 66x96 cm; a partir delas vo sendo

    formados os planos de impresso. Quanto mais layouts couberem no plano, menos folhas

    sero impressas, conseqentemente o material sair mais em conta. Por isso, os formatos

    10x15 cm, 15x21 cm, A4, A3 e assim por diante so formatos econmicos. O formato deve

    ser sempre um submltiplo do formato base, ou seja, dobrando essa folha so obtidas 2 meia

    folhas, dobrando-a mais uma vez, so obtidas 4 folhas de de folha. Agindo assim, sempre

    ser obtido o melhor aproveitamento do papel.

    5

  • Tabela com os formatos das normas DIN (Instituto de Normalizao da Indstria Alem)

    AO = 841x1189 mm

    A1 = 594x841 mm

    A2 = 420x594 mm

    A3 = 297x420 mm

    A4 = 210x297 mm

    A5 = 148x210 mm

    A6 = 105x148 mm

    Deve-se sempre descontar primeiro o espao reservado para a pina da mquina, o local onde

    a pina da mquina puxar o papel e o das marcas de impresso das linhas de corte, dobra e

    registro. Em mdia 2 cm em cada lado.

    Dica 02: Sempre consulte a grfica para verificar quais formatos ela utiliza.

    importante abordar a escolha do formato tambm nos envelopes. Por existirem padres j

    fabricados, interessante saber quais so eles, para evitar gastos desnecessrios com faca de

    6

  • corte, caso precise-se de um formato especial. Portanto, recomenda-se consultar sempre uma

    grfica ou fornecedores para obter essas informaes, isso tornar o oramento mais acessvel.

    Para conhecer alguns formatos, so indicados esses links: www.finepapers.com.br,

    www.arjowiggins.com.br, www.ripasa.com, www.paperexpress.com.br, www.suzano.com.br,

    www.paperby.com.br.

    Contudo, se a necessidade produzir um envelope com um formato fora do padro ou com

    uma dobra no convencional, preciso fazer a faca de corte*. necessrio seu desenho para

    fazer o oramento.

    * mais informaes em acabamentos.

    A escolha do Papel

    A escolha do papel no deve ser feita apenas com base na questo conceitual. Deve-se levar

    em considerao a quantidade de cores que ser utilizada no layout, pois no to simples

    imprimir. Por exemplo, um material 4x4 (4 cores na frente e 4 cores no verso) num papel com

    gramatura de 75 gr, a depender da qualidade da grfica pode ficar enrugado. Deve-se

    considerar tambm a cor do papel, pois h influncia direta na qualidade das imagens

    impressas; o tipo de acabamento que ele sofrer e at mesmo o prazo, pois existem papis,

    como os fosco, que demoram mais do que os lisos na secagem, devido sua porosidade

    superficial, influenciando, assim, na entrega do material. H ainda a questo da usabilidade,

    pois existem papis, como o couch liso, que no so adequados para a escrita. muito

    importante tambm ter cuidado com a gramatura, que pode estragar o resultado final do

    projeto, se no for bem escolhida. Quando a gramatura acima de 230gr, a fibra do papel

    quebrada ao ser dobrada e acaba influenciando no acabamento.

    Existe uma infinidade de tipos de papis, os mais comuns so o jornal, apergaminhado, offset,

    vegetal, couch (fosco ou liso), mas tambm existem os especiais como os apresentados pela

    Iox, Suzano, Color Plus, dentre outros. Em seus respectivos sites obtm-se mais informaes,

    podendo at, em alguns, adquirir mostrurios gratuitos.

    Dica 03: No caso da escolha de um papel especial de fundamental importncia que haja prazo, pois esses

    papis so so pedidos conforme a demanda e podem levar alguns dias para chegarem do fornecedor.

    A escolha das Cores

    7

  • As cores utilizadas no processo Offset so o Cian, Magenta, Amarelo e Preto, que do origem

    a um termo muito utilizado no meio grfico: CMYK.

    Quando selecionamos uma cor para determinado elemento grfico, na paleta de cores do

    Corel Draw, por exemplo, podemos notar que ela formada por porcentagens de CMYK, no

    tendo obrigao de conter as quatro cores.

    Um vermelho, por exemplo, pode ser formado por 100% de Magenta + 100% de Amarelo

    ou 10% de Cian + 100% de Magenta + 95% de Amarelo. Essas combinaes so infinitas. O

    que se quer explicar que tudo criado nos programas formado por essas combinaes.

    atravs delas que so formadas as milhares de cores que vemos nos impressos. A impresso

    de uma foto um exemplo bem claro disso. Seguem 2 exemplos que demonstram como essas

    cores so separadas para dar origem a cada fotolito:

    8

  • No processo Offset, a quantidade de cor uma das responsveis pela variao do oramento.

    Por isso, deve-se analisar a necessidade de cada projeto ao ser impresso em uma, duas, trs ou

    quatro cores.

    Um projeto com apenas uma cor ser mais barato do que um de duas cores, considerando as

    mesmas caractersticas de formato, quantidade e papel, e assim sucessivamente.

    Alm dessas quatro cores, existe outra escala chamada Pantone, que so cores conhecidas

    como especiais, ou seja, no so formadas por combinaes na impresso. Essas cores

    podem ser escolhidas atravs de uma escala pantone, onde possvel visualizar o resultado

    final da impresso tanto para papis macroporosos (offset) quanto microporosos (papis com

    superfcie com tratamento couch). So representados, respectivamente, pelas letras U e

    C, mostrando que a mesma cor tem resultados diferentes ao ser impressa em papis

    distintos.

    As cores prata e dourada, por e