internacionalizaÇÃo de micro e pequenas cac-php. ?· internacionalizaÇÃo de micro e pequenas...

Download INTERNACIONALIZAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS cac-php. ?· INTERNACIONALIZAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS:…

Post on 08-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    II Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas II CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 02, 03 e 04 de outubro de 2013.

    1

    INTERNACIONALIZAO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UMA META-ANLISE QUALITATIVA

    Franciani Fernandes Galvo 1

    Pedro Jos Steiner Neto 2 Thiago Antonio Beuron 3

    Fabiana Giondim Mariutti 4

    rea de conhecimento: Internacionalizao Eixo Temtico: Estratgia e Administrao de Marketing

    RESUMO Este estudo buscou evidenciar as pesquisas sobre a Internacionalizao das Micro e Pequenas Empresas no Brasil. Por meio de pesquisa descritiva, aplicando a coleta de dados bibliogrfica com perspectiva temporal de anlise longitudinal, contemplando 10 anos de estudos, entre 2001 e 2011 e utilizando de Meta-Anlise Qualitativa como mecanismo de investigao e anlise de contedo. As variveis pesquisadas foram os pesquisadores da rea, as instituies de ensino superior, eventos e peridicos que mais publicam sobre o tema, a estratgia e a classificao de pesquisa empregados, os instrumentos de coleta de dados utilizados, a segmentao econmica, o tamanho e a nacionalidade das empresas estudadas. Por resultado foram encontradas 11 pesquisas, entre artigos e dissertaes, indicando que os processos de internacionalizao das micro e pequenas empresas ainda esto sendo explorados no pas. Palavras-chave: Exportao de micro e pequenas empresas. Internacionalizao. Meta-anlise qualitativa. MPEs. INTRODUO

    A estratgia de internacionalizao diz respeito ao direcionamento de

    procedimentos, ferramentas e tecnologias de uma empresa com vistas

    comercializao ou investimentos atravs das fronteiras entre pases, onde estas

    organizam, abastecem, fabricam, comercializam e conduzem atividades de valor

    agregado em escala internacional (CAVUSGIL; KNIGHT; RIESENBERGER, 2010,

    p. 03).

    Competir em ambiente global est deixando de ser uma opo e, aos poucos

    vm se transformado em exigncia (CORTEZIA; SOUZA, 2011) e o que antes era

    privilgio apenas das grandes organizaes multinacionais (PIORE; SABEL, 1984;

    DUBOIS ET AL., 1993), hoje tambm a realidade para muitas pequenas empresas

    1 Mestre em Administrao pela UFPR; Professora na UNICENTRO campus Irati;

    francianigalvao@gmail.com; 2 Doutor em Administrao pela USP; Professor na UFPR; pedrosteiner@ufpr.br

    3 Mestre em Administrao pela UFSM; Professor na UNIPAMPA; thyagobeuron@hotmail.com

    4 Mestre em Administrao pela FEA USP-RP; Professora na Faculdade Ribeiro Preto;

    famariutti@yahoo.com.br

    mailto:francianigalvao@gmail.commailto:pedrosteiner@ufpr.brmailto:thyagobeuron@hotmail.commailto:famariutti@yahoo.com.br

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    II Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas II CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 02, 03 e 04 de outubro de 2013.

    2

    (OVIATT; MCDOUGALL, 1994; COVIELLO; MUNRO, 1995; JONES, 1999; YIP ET

    AL., 2000).

    Com a globalizao dos mercados, os avanos da tecnologia e outros fatores

    facilitadores, cada vez mais as micro, pequenas e mdias empresas esto

    procurando oportunidades de negcios no mundo (CAVUSGIL; KNIGHT;

    RIESENBERGER, 2010). Atualmente, elas respondem por cerca de um tero das

    exportaes da sia e de um quarto das de naes ricas da Europa e Amrica do

    Norte, j em pases como a Itlia, Coria do Sul e China, as PMEs contribuem com

    mais de 50 por cento do total das exportaes nacionais (OECD, 1997).

    No Brasil, a internacionalizao das micro e pequenas empresas meta dos

    rgos do governo que coordenam o comrcio exterior, e hoje, so concedidas

    diversas vantagens para incentivar a exportao e tornar os preos mais

    competitivos, como a iseno de alguns impostos e tarifas ao micro e pequeno

    empreendedor (MARQUES; OLIVETE, 2012). Muito embora exista inclusive uma

    rea especfica no Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas

    (SEBRAE), destinada Internacionalizao de MPEs, esse movimento ainda no foi

    captado plenamente por elas, pois, os nmeros de internacionalizao ainda so

    muito baixos no Pas, por exemplo, no estado de So Paulo, onde se concentram

    98% das PMEs do Pas, mas apresenta apenas 1,6% de empresas em processo de

    exportao (MARQUES; OLIVETE, 2012).

    Este estudo busca preencher a lacuna referente visualizao concreta sobre

    a pesquisa da temtica Internacionalizao de micro e pequenas empresas no

    pas, pois, por meio dela, buscou-se identificar quais reas de pesquisa ainda no

    foram abordadas, bem como, possibilitar a descrio de novos estudos que

    auxiliaro no crescimento da pesquisa cientfica no pas. A pesquisa visou responder

    aos seguintes questionamentos: Estamos, como comunidade cientfica, estudando

    adequadamente este processo no pas? Quem so os pesquisadores e instituies

    que mais pesquisas fazem nesta rea? Quais so os aprofundamentos das

    pesquisas sobre o tema?. O texto iniciar por uma breve explanao sobre o

    contexto das Micro e Pequenas empresas no Brasil, seguinda pelo o contexto da

    internacionalizao das MPEs.

    1 PRESSUPOSTOS TERICOS

    1.1. Micro e Pequenas Empresas MPEs

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    II Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas II CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 02, 03 e 04 de outubro de 2013.

    3

    Existem vrias maneiras de classificar as empresas no Brasil, porm

    especificar algum padro de tamanho para definir pequenas empresas seria algo

    arbitrrio, pois as pessoas e pases adotam padres diferentes para propsitos

    diferenciados (PEREIRA, 2003). As empresas podem ser qualificadas por nmero

    de funcionrios, receita bruta, ativo total, volume de exportao, entre outras

    classificaes. Atualmente, no Brasil, as classificaes de porte das empresas mais

    comumente utilizadas so feitas pelo nmero de empregados e pela receita bruta e

    no que diz respeito s exportaes, utiliza-se o valor exportado, como apresentado

    na Tabela 1.

    Tabela 1: Porte de Empresas Brasileiras

    PORTE INDSTRIA COMRCIO E SERVIOS

    N Empregados IBGE/SEBRAE

    1 Receita Bruta (R$) VALOR Exportado N Empregados IBGE/SEBRAE

    VALOR Exportado

    Micro Empresa At 19 360.000 At US$ 400 mil At 9 At US$ 200 mil.

    Pequena Empresa De 20 a 99 De 360.000 a 3.600.000 At US$ 3,5 milhes De 10 a 49 At US$ 1,5 milho

    Mdia Empresa De 100 a 499 De 3.600.000 a

    12.000.000 At US$ 20 milhes De 50 a 99 At US$ 7 milhes

    Grande Empresa Acima de 500 Acima de 12.000.000 Acima de US$ 20 milhes Acima de 100 Acima de US$ 7 milhes

    Fonte: 1-classificao de acordo SEBRAE; 2-Lei 163/06; 3 Classificao MDIC 2011.

    Pequenas e mdias empresas (PMEs) so diferentes das grandes

    organizaes e essas diferenas primariamente dizem respeito, sobretudo a

    caractersticas especficas de PME como caractersticas reativas, mentalidade de

    combate a incndios, as limitaes de recursos, estratgias informais e estruturas

    flexveis (HUDSON et al., 2001), consequentemente, estas tendem a ter uma taxa

    de falhas maior do que a de grandes organizaes. Como no caso do Brasil, onde a

    taxa de mortalidade de empresas beira a 26% (SEBRAE, 2010).

    Ainda em se tratando de MPE no Brasil, na dcada de 1980, com a reduo

    do ritmo de crescimento da economia e processos inflacionrios inflamados,

    resultando em maior nvel de desemprego e consequentemente menor de renda, os

    pequenos negcios passaram a ser considerados uma alternativa para a ocupao

    da mo de obra excedente, fazendo surgir ao final da dcada as primeiras iniciativas

    mais concretas para incentivar a abertura de micro e pequenas empresas na

    economia (IBGE, 2003, p. 15). Como por exemplo, a implantao do primeiro

    Estatuto da Microempresa (Lei n0 7.256 de 27 de novembro de 1984) e a incluso

    das micro e pequenas empresas na Constituio Federal de 1988, que passou a

    garantir-lhes tratamento diferenciado (Artigo 179 do Captulo da Ordem Econmica)

    (IBGE, 2003, p. 15).

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    II Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas II CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 02, 03 e 04 de outubro de 2013.

    4

    Thode Filho e Caldas (2008) descrevem-na por empresa que

    operacionalizada pelo proprietrio, que possui poucos empregados, poucos produtos

    ou tipos de servios, baixas margens de lucro, baixas despesas gerais, baixo capital

    de giro, pequena rea de atuao, conhecimento limitado de tecnologias de

    informao e sistemas de informao manuais.

    Dentro desta composio distintiva de MPE, ela porta caractersticas prprias,

    que segundo Leone (1999), so divididas em:

    a)Especificidades Organizacionais: possuem estrutura organizacional simples, mais centralizada, necessitando de quantidade menor de unidades ou funes administrativas. [...] b)Especificidades Decisionais: a tomada de deciso baseada na experincia, no julgamento ou na intuio do proprietrio-dirigente. [...] c)Especificidades Individuais: caracteriza-se pelo papel predominante de um s indivduo na organizao, o proprietrio-dirigente (Thode Filho & Caldas, 2008, p. 03).

    Agregando ao contexto supracitado, o SEBRAE-PR pontua ainda algumas

    distines exclusivas das MPEs em comparao s mdias e grandes empresas,

    como: menor carga tributria, produo no seriada, informalidade, ausncia de

    dados e controles, decises centralizadas, mo de obra no qualificada, menores

    salrios, adequao aos clientes, versatilidade produto / venda / ramo, cu

Recommended

View more >