gazeta de varginha - 18/06/2014

Download Gazeta de Varginha - 18/06/2014

Post on 08-Mar-2016

242 views

Category:

Documents

15 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 9.010

TRANSCRIPT

  • pgina 02

    PONTO DE VISTA

    Levtico 12

    Mx: 25 / Mn: 11

    A purificao da mulherdepois do parto

    Varginha assina contrato paraconstruo de obra do PAC 2

    EDIO 9.010R$ 1, 00 VARGINHA, 18 DE JUNHO DE 2014

    DEUS FIEL

    local/pgina 05

    Com recursos de R$ 3 milhes, Centro de Iniciao ao Esporte ser construdo no bairro Santa Maria

    local/pgina 03

    A assinatura de umcontrato da ordem deR$ 3 milhes entre aPrefeitura e a CaixaEconmica Federal,nesta segunda-feira, 16de junho, s 9h, naagncia central da Cai-xa em Varginha, ofici-alizou a construo deuma unidade do CIE -Centro de Iniciao aoEsporte, programa deinfraestrutura esportivado Plano de Aceleraodo Crescimento PAC2.

    Varginha foi esco-

    Vereadoresvo ao Dnit

    pedir soluopara obrana BR-491

    Depois de mudanas, trnsito deVarginha deve ganhar radares

    lhida pelo Ministriodo Esporte juntamen-te com outras 262 cida-des brasileiras a seremcontempladas com aobra. Estiveram pre-sentes na solenidade deassinatura a gernciada Caixa de Varginha ePoos de Caldas, o pre-feito Antonio Silva, osecretrio de Planeja-mento, vice-prefeitoVrdi Lcio Melo e osecretrio de EsporteToninho Gonalves.

    Lei Oramentria tema de audincia naCmara de Varginha

    local/pgina 04

    gazetadevarginha@gmail.com

    www.jornalgazetadevarginha.com

    facebook.com/gazetavga

    Um ms aps asmudanas no trnsito deVarginha, a prefeiturapretende instalar rada-res nas principais vias dacidade para inibir o ex-cesso de velocidade. Se-gundo o chefe do De-

    mutran, Eduardo Sepi-ni, alguns motoristastm abusado em algunstrechos, como nas Ave-nidas Francisco Navar-ra e Benjamin Constant.

    local/pgina 03

    pgina 09

    A Cmara Municipalde Varginha promovenesta quarta-feira (18)uma Audincia Pblicapara discutir o Projeto deLei n 24/2014, de au-toria do Executivo, que

    dispe sobre as diretri-zes para a elaborao eexecuo da Lei Ora-mentria do Municpiopara o exerccio de 2015.A audincia ser s 15h,no Plenrio da Cmara.

  • CNPJ: 21.535.075/0001-47

    A redao no seresponsabiliza por

    conceitos emitidos emartigos assinados, mesmo

    sobpseudnimos, que so deinteira responsabilidade

    de seus autores.

    Dirio de CirculaoRegional - Diretora

    Administrativa:Ana Maria Silva Piva -Jornalista Responsvel:

    Lanamara Silva -MTB -8304 JP - Editor:

    Rodrigo S. Fernandes Sindjori- MG 312/99 - Administra-o/Reviso: Lanamara Silva

    - Paulo Ribeiro da SilvaFernandes

    (Jornalista e superintenden-te de redao-

    M.T.TB.16.851) - Horriode funcionamento das08:00hs s 18:00hs

    ABRAJORI - AssociaoBrasileira de Jornais do

    InteriorSINDJORI - Sind. Prop.de Jornais e Revistas do

    InteriorADJORI - Associaodos Jornais do InteriorADI - Associao dosJornais do interior de

    Minas Gerais

    ENDEREO:Redao e Departamentode Publicidade Av. dosImigrantes, 445 - SantaMaria - CEP 37022-560 -

    Telefones(35)3221-4668(35)3221-4845

    VARGINHA/MGE-mail: gazetade

    varginha@gmail.comgazetacomercial2@yahoo.

    com.brEndereo eletrnico:www.gazetavarginha.com.br

    18 DE JUNHO DE 201402 | GAZETA DE VARGINHAPONTO DE VISTA

    1 - FALOU mais oSENHOR a Moiss, di-zendo:

    2 - Fala aos filhosde Israel, dizendo: Seuma mulher concebere der luz um meni-no, ser imunda setedias, assim como nosdias da separao da

    sua enfermidade, serimunda.

    3 - E no dia oitavo secircuncidar ao meninoa carne do seu prepcio.

    4 - Depois ficar elatrinta e trs dias no san-gue da sua purificao;nenhuma coisa santa to-car e no entrar no

    Palavras de Vida

    A purificao da mulher depois do partoLevtico 12

    Engajamento: o segredo para bons resultados!Airton Cicchetto

    Engajar os funcion-rios o melhor caminhopara conseguir bons re-sultados em uma empre-sa. Isso o que mostrauma pesquisa da MichaelPage, que ouviu mais de400 pessoas, no inciodeste ms.

    Por um lado, feliz-mente, vem crescendo onmero de executivosque entendem que a em-presa anda melhor quan-do tem seu pessoal enga-jado, entretanto, por ou-tro lado, reinam muitasdvidas sobre como ob-ter o desejado engaja-mento do pessoal. Nemtodas as organizaes,ainda que atuem nummesmo segmento, con-seguem engajar o time,conseguem a unio e aparticipao de sua equi-pe. Como consequncia,muitas vezes, apresen-tam diferente desempe-nho em diversas reas decompetncia. Na sequ-ncia, para melhor en-tendimento, substituireio termo engajamento porparticipao e unio.

    Por que, ento, hempresas que conse-guem um time unido eparticipativo e outrasno? Qual o segredo?Como conseguir a parti-cipao e unio dosmembros da equipe?Trato deste tema no meulivro Simples ComplexoGerencial (Ed. Perse Livraria Cultura), e resu-

    mo a seguir meus enten-dimentos sobre o assun-to.

    Primeiramente, par-to do pressuposto de queo empregado quer parti-cipar do sistema, isto ,ele no quer ser um alie-nado. Assim, o primeiropasso cabe ao lder, quedeve promover a partici-pao racional do empre-gado por meio de proje-tos, programas e aes demelhorias que sejam de-legadas equipe.

    V-se da que parti-cipao pressupe umarelao entre empregadoe lder, porm, obt-lano tarefa que se resol-ve unicamente via lide-rana. As disciplinas lide-rana, motivao e comu-nicao andam juntas eso a base da boa gestodo pessoal. No h comotratar o tema liderana,sem considerar os aspec-tos motivacionais que en-volvem a equipe e a ne-cessria comunicaoentre lderes e liderados.

    A participao eunio so tambm esti-muladas com aes e pro-

    gramas simples que de-vem buscar os seguintesobjetivos: informar, ou-vir, recompensar e cele-brar, pois entendo essasquatro aes como indu-toras naturais da partici-pao e da unio das pes-soas.

    Como empregado,fao uma autorreflexo eimagino: desejo partici-par, quero estar informa-do e, portanto, quero sa-ber o que se passa na em-presa, quero ouvir. Paraque o empregado oua esaiba o que lhe interessae tambm interessa paraa empresa, preciso queesta assuma a tarefa decomunicar, de informar.Ao informar e ouvir, pormeio dos seus lderes e desuas prticas, ela faz usoda disciplina comunica-o como reforo parti-cipao.

    Considere-se tam-bm que participar sig-nifica tomar parte e istoimplica em receber umquinho dos resultadosque so gerados comofruto do trabalho, isto ,ser recompensado. A

    santurio at que secumpram os dias da suapurificao.

    5 - Mas, se der luzuma menina ser imun-da duas semanas, comona sua separao; de-pois ficar sessenta e seisdias no sangue da suapurificao.

    6 - E, quando foremcumpridos os dias dasua purificao por filhoou por filha, trar umcordeiro de um ano porholocausto, e um pom-binho ou uma rola paraexpiao do pecado, di-ante da porta da tendada congregao, ao sa-

    cerdote. 7 - O qual o ofere-

    cer perante o SE-NHOR, e por ela farpropiciao; e ser lim-pa do fluxo do seu san-gue; esta a lei da queder luz menino ou me-nina.

    8 - Mas, se em sua

    mo no houver recur-sos para um cordeiro,ento tomar duas ro-las, ou dois pombi-nhos, um para o holo-causto e outro para apropiciao do pecado;assim o sacerdote porela far expiao, e serlimpa.

    empresa deve, ento, re-compensar e, ao faz-lonovamente refora o sen-timento de participaodo empregado.

    Como resultado des-te conjunto de iniciativas,o empregado apresenta-r maior participao, oque por sua vez, implica-r tambm em maior mo-tivao, uma vez que estadecorre, justamente, domaior nvel de participa-o do empregado, con-forme pode-se verificarpelas pesquisas e consta-taes de diversos estu-diosos da teoria do com-portamento humano.

    Por ltimo, o ele-mento que consolida aunio do grupo, a cele-brao. Ora, se todos es-to trabalhando pelasmesmas metas e objeti-vos, nada mais saudvele agregador do que umaboa celebrao para co-memorar as vitrias, pre-parar-se para o prximodesafio e reforar a uniode todos os membros daequipe.

    Celebrar com a equi-pe deve constar e fazerparte das atividades do l-der. Pela sua importn-cia, a celebrao deve seruma prtica rotineira,instituda e cobrada peladireo da empresa e noficar condicionada von-tade pessoal do lder. Acelebrao, quando es-pontnea, faz cair barrei-ras do relacionamentointerpessoal, facilita o di-logo e o entendimento

    entre pessoas de diferen-tes origens, repertrios,unidades e nveis hierr-quicos, fortalecendo oesprito de equipe.

    Concluindo, partici-pao e unio se obtmpromovendo a participa-o racional do emprega-do nos programas e aesde melhorias, possibili-tando sua participaopor meio da comunicao(informar e ouvir) e dosresultados da empresa(recompensar) e, obvia-mente, celebrando fre-quentemente, buscandoa unio da equipe. Eis a osegredo. Com a aplicaodestas prticas muitosimples a equipe estarunida e participativa,portanto, engajada para

    alcanar as metas e resul-tados almejados da em-presa.

    Obviamente, preci-so considerar tambmque os fatores higinicos,como salrios, benefci-os e outras formas decompensao, alinhadasao mercado em que a em-presa atua, embora nosejam condio por si ssuficientes, constituempr-requisitos ao deseja-do engajamento.

    Airton Cicchetto con-sultor, palestrante em-presarial, engenheiro,mestre em administraoe idealizador do modeloSCG Simples Comple-xo Gerencial Simplifi-cando a Gesto.

  • GAZETA DE VARGINHA | 0318 DE JUNHO DE 2014LOCAL

    Depois de mudanas, trnsito deVarginha deve ganhar radaresDe acordo com a prefeitura, o intuito inibir o excesso de velocidade nas principais vias da cidade

    Um ms aps asmudanas no trnsitode Varginha, a prefei-tura pretende instalarradares nas principaisvias da cidade para ini-bir o excesso de veloci-dade. Segundo o chefedo Departamento Mu-nicipal de Trnsito (De-mutran) de Varginha,Eduardo Sepini, algunsmotoristas tm abusadoem alguns trechos,como nas AvenidasFrancisco Navarra eBenjamin Constant, queagora so sentido ni-

    co.Se por um lado os

    motoristas passaram aecon