gazeta de varginha - 02/10/2013

Download Gazeta de Varginha - 02/10/2013

Post on 08-Mar-2016

225 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 8.839

TRANSCRIPT

  • VARGINHA, 02 DE OUTUBRO DE 2013R$ 1,00

    Pgina 2

    PONTOPONTOPONTOPONTOPONTO DEDEDEDEDE VISTVISTVISTVISTVISTAAAAA

    Hebreus 10

    Mx: 27C / Mn: 18C

    EDIO - 8.839

    A expiao feita por Cristo divina e permanente

    LOCAL/PGINA 03

    Concorra a ingressos

    Recorte este cupom e concorra ao sorteiode 6 ingressos para o espetculo

    O cupom dever ser entregue na sede do Jornal Gazeta deVarginha, que fica na Avenida dos Imigrantes, 445, Santa Maria

    Nome:.................................................Telefone:..............................................

    05/10 - 16h e 18h - Theatro CapitlioPontos de venda: Gallery Lanches e Tindolel

    Varginha sedia a partir de hoje4 edio do Fomenta Minas

    Realizado pelo Sebrae e Governo de MG, evento rene cerca de 400 micro e pequenas empresas

    Prefeituradivulga

    relao defamliasaptas aosorteio

    das casasdo Cruzeiro

    do Sul

    LOCAL/PGINA 05

    Teto para comprar casa comFGTS sobe para R$ 750 mil

    LOCAL/PGINA 05

    Partida entre Boa eOeste nesta sexta ter

    entrada gratuita

    O evento empresarial ser realizado no Centro Administrativo Sul, do Governo de Minas

    Apesar dos benefci-os e estmulos ofereci-dos s micro e peque-nas empresas para par-ticipar de licitaes,apenas 11% dos peque-nos negcios mineirosvenderam para o setorpblico entre 2010 e2011. Para orientar osempresrios de micro epequenas empresassobre como venderpara instituies pbli-

    cas, o Sebrae Minas eo Governo de Minas Ge-rais promovem painissobre compras gover-namentais, oficinas denegcios e de capacita-o gratuitas, durante a4 edio do FomentaMinas, que ser realiza-da hoje (2) e amanh(3), no Centro Adminis-trativo Sul, em Varginha.

    ESPORTE/PGINA 16

    PGINA 09

    gazetadevarginha@gmail.com

    www.jornalgazetadevarginha.com

    facebook.com/gazetavga

    twitter.com/gazetavarginha

  • GAZETA DE VARGINHA, 02/10/2013

    PONTO DE VISTA02 PONTO DE VISTA02

    HEBREUS 10

    Palavras de VidaPalavras de VidaPalavras de VidaPalavras de VidaPalavras de Vida

    CNPJ: 21.535.075/0001-47

    A redao no se responsabilizapor conceitos emitidos em artigos

    assinados, mesmo sobpseudnimos, que so de inteira

    responsabilidade de seus autores.

    Dirio de CirculaoRegional - Diretora

    Administrativa:Ana Maria Silva Piva -Jornalista Responsvel:

    Lanamara Silva -MTB -8304 JP - Editor:Rodrigo S. Fernandes

    Sindjori - MG 312/99 -Administrao/Reviso:Lanamara Silva - Paulo

    Ribeiro da Silva Fernan-des

    (Jornalista e superinten-dente de redao-

    TB.16.851) - Horrio defuncionamento das08:00hs s 18:00hs

    ABRAJORI - AssociaoBrasileira de Jornais do

    InteriorSINDJORI - Sind. Prop. de

    Jornais e Revistas doInterior

    ADJORI - Associao dosJornais do Interior

    ADI - Associao dosJornais do interior de

    Minas Gerais

    ENDEREO:Redao e Departa-mento de Publicidade

    Telefones (35)3221-4668(35)3221-4845

    Av. dos Imigrantes,445 - Santa Maria -

    CEP 37022-560 -VARGINHA/MG

    E-mail: gazetade-varginha @gmail.com

    gazetacomercial2@ y a h o o . c o m . b rEndereo eletrnico:www.gazetavarginha.com.br

    Os sacrifcios antigos eram humanos e transitrios.Os sacrifcios antigos eram humanos e transitrios.Os sacrifcios antigos eram humanos e transitrios.Os sacrifcios antigos eram humanos e transitrios.Os sacrifcios antigos eram humanos e transitrios.A expiao feita por Cristo divina e permanenteA expiao feita por Cristo divina e permanenteA expiao feita por Cristo divina e permanenteA expiao feita por Cristo divina e permanenteA expiao feita por Cristo divina e permanente

    1 - PORQUE tendoa lei a sombra dos bensfuturos, e no a imagemexata das coisas, nunca,pelos mesmos sacrifciosque continuamente seoferecem cada ano, podeaperfeioar os que a elesse chegam. 2 - Doutramaneira, teriam deixadode se oferecer, porque,purificados uma vez osministrantes, nunca maisteriam conscincia depecado. 3 - Nesses sa-crifcios, porm, cada anose faz comemorao dospecados, 4 - Porque impossvel que o sanguedos touros e dos bodestire os pecados. 5 - Porisso, entrando no mundo,diz: Sacrifcio e oferta noquiseste, Mas corpo mepreparaste; 6 - Holocaus-tos e oblaes pelo peca-do no te agradaram. 7 -Ento disse: Eis aqui ve-nho (No princpio do livro

    est escrito de mim), Parafazer, Deus, a tua vonta-de. 8 - Como acima diz:Sacrifcio e oferta, e holo-caustos e oblaes pelopecado no quiseste, nemte agradaram (os quais seoferecem segundo a lei). 9- Ento disse: Eis aqui ve-nho, para fazer, Deus, atua vontade. Tira o primei-ro, para estabelecer o se-gundo. 10 - Na qual vonta-de temos sido santificadospela oblao do corpo deJesus Cristo, feita uma vez.11 - E assim todo o sacer-dote aparece cada dia, mi-nistrando e oferecendomuitas vezes os mesmossacrifcios, que nunca po-dem tirar os pecados; 12 -Mas este, havendo ofereci-do para sempre um nicosacrifcio pelos pecados,est assentado destra deDeus, 13 - Daqui em dian-te esperando at que osseus inimigos sejam pos-

    tos por escabelo de seusps. 14 - Porque com umas oblao aperfeiooupara sempre os que sosantificados. 15 - E tambmo Esprito Santo no-lo tes-tifica, porque depois dehaver dito: 16 - Esta a ali-ana que farei com elesDepois daqueles dias, dizo Senhor: Porei as minhasleis em seus coraes, Eas escreverei em seus en-tendimentos; acrescenta:17 - E jamais me lembrareide seus pecados e desuas iniqidades. 18 - Ora,onde h remisso destes,no h mais oblao pelopecado. 19 - Tendo, pois,irmos, ousadia para entrarno santurio, pelo sanguede Jesus, 20 - Pelo novo evivo caminho que ele nosconsagrou, pelo vu, isto ,pela sua carne, 21 - E ten-do um grande sacerdotesobre a casa de Deus, 22 -Cheguemo-nos com verda-

    deiro corao, em inteiracerteza de f, tendo os co-raes purificados da mconscincia, e o corpo la-vado com gua limpa, 23 -Retenhamos firmes a con-fisso da nossa esperan-a; porque fiel o que pro-meteu. 24 - E considere-mo-nos uns aos outros,para nos estimularmos aoamor e s boas obras, 25 -No deixando a nossa con-gregao, como costu-me de alguns, antes admo-estando-nos uns aos ou-tros; e tanto mais, quantovedes que se vai aproxi-mando aquele dia. 26 -Porque, se pecarmos vo-luntariamente, depois determos recebido o conhe-cimento da verdade, j noresta mais sacrifcio pelospecados, 27 - Mas umacerta expectao horrvelde juzo, e ardor de fogo,que h de devorar os ad-versrios. 28 - Quebrantan-

    do algum a lei de Moiss,morre sem misericrdia, spela palavra de duas ou trstestemunhas. 29 - De quan-to maior castigo cuidais vsser julgado merecedoraquele que pisar o Filho deDeus, e tiver por profano osangue da aliana comque foi santificado, e fizeragravo ao Esprito da gra-a? 30 - Porque bem co-nhecemos aquele que dis-se: Minha a vingana, eudarei a recompensa, diz oSenhor. E outra vez: OSenhor julgar o seu povo.31 - Horrenda coisa cairnas mos do Deus vivo. 32- Lembrai-vos, porm, dosdias passados, em que,depois de serdes ilumina-dos, suportastes grandecombate de aflies. 33 -Em parte fostes feitos es-petculo com vituprios etribulaes, e em parte fos-tes participantes com osque assim foram tratados.

    34 - Porque tambm voscompadecestes das mi-nhas prises, e com ale-gria permitistes o roubodos vossos bens, saben-do que em vs mesmostendes nos cus uma pos-sesso melhor e perma-nente. 35 - No rejeiteis,pois, a vossa confiana,que tem grande e avulta-do galardo. 36 - Porquenecessitais de pacincia,para que, depois de haver-des feito a vontade deDeus, possais alcanar apromessa. 37 - Porqueainda um pouquinho detempo, E o que h de virvir, e no tardar. 38 -Mas o justo viver da f;E, se ele recuar, a minhaalma no tem prazer nele.39 - Ns, porm, no so-mos daqueles que se re-tiram para a perdio,mas daqueles que crempara a conservao daalma.

    Entrevista coletiva do senador Acio NevesO que o senhor

    pretende colocar na suapauta hoje? Qual a situ-ao do Brasil?

    O Brasil viveu ciclos,no passado, de cresci-mento, de aumento da pro-dutividade, a partir da d-cada de 50 at o final dadcada de 70, Em funode vrias conjunturas. Asreformas feitas em meadosda dcada de 60 por Cam-pos e Bulhes fez com quetivssemos ali um salto ea prpria industrializaoda economia. Tivemos umoutro espasmo de cresci-mento, porque a dcadade 80 foi uma dcada pra-ticamente perdida no quediz respeito produtivida-de, ela foi negativa no Bra-sil praticamente em todosos setores.

    Depois, em razodas reformas conduzidasno governo do presidenteFernando Henrique e umaexpanso da economia in-ternacional, tivemos umoutro clico de crescimen-to da produtividade, que seencerra por volta de 2008.Exatamente porque o atu-al governo no deu conti-nuidade s reformas, aocontrrio, o intervencionis-mo abusivo do governo, amudana permanente dasnormas regulatrias gera-ram grande incerteza naeconomia brasileira. E obaixo investimento, a bai-xa qualidade do investi-mento em educao tam-bm um aspecto extre-mamente preocupante.

    Ento, temos agora,

    a partir desse instante, depriorizar algumas aes.Certamente entre elas, adesburocratizao do nos-so sistema tributrio, asimplificao do sistematributrio, a melhoria doambiente de negcios, queno existe infelizmentehoje no Brasil. A presiden-te da Repblica teve a ne-cessidade, inclusive, de,na ltima semana, emNova York, dizer para in-vestidores aquilo que Lulahavia dito na carta aos bra-sileiros l atrs, que o Bra-sil respeita contratos. Efez isso porque o fato queno tem respeitado contra-tos. Um outro ponto funda-mental o investimento naqualidade da educao.No nem uma questoapenas de recursos, aqualidade, a forma comoesses recursos so inves-tidos.

    Mais investimentosem inovao. O Brasil pa-tina nos investimentos eminovao at aqui. Precisaser mais ousado. Mais in-vestimentos a fundo perdi-do. Acho que h um exem-plo de uma agncia ame-ricana a dar, que muitoatual e mostra como possvel, de forma