departamento de informática em saúde universidade federal de são paulo – unifesp unifesp marcos...

Download Departamento de Informática em Saúde Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP UNIFESP Marcos Forte marcosforte@fsa.br Departamento de Informática em

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Marcos Forte marcosforte@fsa.br Departamento de Informtica em Sade (DIS), Universidade Federal de So Paulo (UNIFESP) So Paulo, 11 de Junho de 2007 O uso de questionrios em trabalhos cientficos
  • Slide 2
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Sumrio Definio Metodologia para a construo de um questionrio Populao e Amostras Anlise dos dados Sumrio 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br2
  • Slide 3
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP O que um questionrio Um conjunto de questes. Feito para gerar os dados necessrios para se verificar se os objetivos de um projeto foram atingidos. Construir questionrios bem sucedidos no uma tarefa fcil. 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br3
  • Slide 4
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Metodologia Planejar o que vai ser mensurado Formular as perguntas para obter as informaes necessrias. Definir o texto, a ordem das perguntas e o aspecto visual do questionrio. Testar o questionrio, utilizando uma pequena amostra, em relao a omisses e ambigidade. Caso necessrio, corrigir o problema e fazer um novo pr-teste. Definir a populao e o tamanho da amostra. Analisar os dados 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br4
  • Slide 5
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Contedo das Perguntas 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br5 O assunto exige uma pergunta separada, ou pode ser includo em outras perguntas? A pergunta desnecessariamente minuciosa e especfica? Devese evitar o uso de abreviao, e no se deve tratar dois assuntos complexos em uma mesma pergunta. Todos os aspectos importantes sobre este tpico sero obtidos da forma como foi elaborada a pergunta? As pessoas tm a informao necessria para responder a pergunta? Os respondentes estaro dispostos a dar a informao? Que objees algum poderia ter para responder esta pergunta? O tema abordado muito ntimo, perturbador ou expe socialmente as pessoas, de forma a causar resistncias e respostas falsas? O contedo da pergunta no estar enviesado ou carregado em determinada direo?
  • Slide 6
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Formato das respostas 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br6 abertas : onde os respondentes ficam livres para responderem com suas prprias palavras. Fechadas: mltipla escolha : onde os respondentes optaro por uma das alternativas. dicotmicas : so as que apresentam apenas duas opes de respostas, de carter bipolar, do tipo: sim/no; concordo/no concordo.
  • Slide 7
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Escalas 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br7 Usadas em questionrios fechados para medir opinies do pblico-alvo. As mais comuns so: Likert : 5 proposies - concorda totalmente, concorda, sem opinio, discorda, discorda totalmente. VAS (Visual Analogue Scales) - baseia-se numa linha apresentando nas extremidades duas proposies contrrias Ex: til Intil Numrica Ex. de 1 a 10. Guttman - conjunto de respostas hierarquizadas
  • Slide 8
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Formulao das Perguntas 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br8 Na formulao das perguntas devese cuidar para que as mesmas tenham o mesmo significado para o pesquisador e para o respondente. Usar comunicao simples e palavras conhecidas; No utilizar palavras ambguas.
  • Slide 9
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Seqncia das perguntas 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br9 Usar temas e perguntas gerais no inicio do questionrio, deixando as perguntas especficas para depois (fechar o foco gradualmente); As perguntas mais pessoais, sensveis ou embaraosas devem ser feitas somente no final do questionrio e convm que sejam alternadas com questes simples; Devese adotar uma ordem lgica de perguntas utilizando um fluxograma ou rvore de deciso para posicionar as perguntas;
  • Slide 10
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Apresentao e Lay-out 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br10 Quanto melhor e mais adequada for a apresentao, maior a probabilidade de se elevar o ndice de respostas.
  • Slide 11
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Pr-teste 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br11 Utilizado para descobrir problemas e/ou dvidas que podem surgir durante a aplicao do questionrio. Utiliza uma pequena frao da amostra. Caso o prteste revele a necessidade de muitas alteraes, o questionrio revisado dever ser testado novamente. Economiza tempo e dinheiro.
  • Slide 12
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Populao e Amostra 11/3/2014Marcos Forte - marcosforte@fsa.br12 A populao alvo o grupo ou os indivduos a quem a pesquisa se aplica. Uma amostra vlida um subconjunto representativo da populao alvo. Se no tivermos uma amostra representativa, no podemos declarar que os resultados generalizam populao alvo.
  • Slide 13
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Mtodos de amostragem probabilsticos 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br13 Amostra aleatria simples Amostra aleatria estratificada Amostragem sistemtica Amostragem baseada em agrupamento
  • Slide 14
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Mtodos de amostragem no-probabilsticos 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br14 Geralmente utilizadas em pr-teste. Amostragem de convenincia Amostragem bola de neve (SnowBall) Amostragem de cota Grupos de foco
  • Slide 15
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Tamanho de amostra 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br15 necessrio determinar um tamanho de amostra apropriado, porque: um tamanho de amostra inadequado pode conduzir a resultados que no so estatisticamente significantes amostragem inadequada de agrupamentos ou estratos incapacita nossa habilidade de comparar e contrastar subconjuntos diferentes da populao
  • Slide 16
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Validao de dados 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br16 ter uma poltica para controlar questionrios incoerentes ou incompletos. investigar as caractersticas dos questionrios rejeitados da mesma forma que ns investigamos no-respostas para assegurar que no introduzimos nenhuma parcialidade sistemtica.
  • Slide 17
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Codificao de dados 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br17 converter dados de escalas nominais e ordinais de nomes de categoria para contagens numricas, se necessrio. perguntas abertas, como identificar equivalncias?
  • Slide 18
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Anlise de dados ordinais 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br18 comum converter a escala ordinal em um valor numrico correspondente (por exemplo: nmeros 1 a 5) e analisar os dados como se eles fossem dados numricos simples
  • Slide 19
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Evitando violaes de escala 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br19 utilizar as propriedades da distribuio multinomial. converter uma escala ordinal em uma varivel dicotmica. usar a correlao de postos de Spearman ou o tau de Kendall (Siegel e Castellan, 1998) para medir a associao entre variveis de escala ordinal.
  • Slide 20
  • UNIFESP Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Dados Nominais 11/3/2014Marcos Forte marcosforte@fsa.br20 O mais comum determinar a proporo de respostas em cada categoria. distribuio multinomial. tabelas multi-modo (multi-way) e testes chi- quadrados para medir associaes entre variveis de escalas nominais
  • Slide 21
  • Departamento de Informtica em Sade Universidade Federal de So Paulo UNIFESP UNIFESP Dvidas?

Recommended

View more >