daniel miyazaki namba

Download Daniel Miyazaki Namba

Post on 09-Jan-2017

289 views

Category:

Documents

7 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • PREVALNCIA DE ALTERAES POSTURAIS EM INDIVDUOS SEDENTRIOS

    E PRATICANTES DE FUTEBOL

    Daniel Miyazaki Namba, talo Dany Cavalcante Galo, Jefferson Rodrigues Soares, Tas

    Malysz Sarzenski

    Unidade Acadmica/Departamento: Universidade Federal de Gois, Campus Jata/Cincias

    Biolgicas

    Palavras-chave: postura, futsal, sedentrios, posturograma.

    1. INTRODUO:

    A postura corporal ideal um estado de bom alinhamento e equilbrio

    musculoesqueltico importante tanto no repouso quanto em atividades corporais dinmicas,

    por diminuir a quantidade de estresse colocado sobre os ligamentos, msculos e tendes

    (KEELY, 2003). Consequentemente a boa postura favorece a execuo correta dos

    movimentos, melhores resultados em diferentes modalidades esportivas, melhora o equilbrio

    pela igual distribuio de peso, prevenindo leses decorrentes de exerccios.

    O futsal um esporte que vem crescendo no mundo, uma modalidade do futebol que

    jogado em uma quadra coberta com superfcie dura (YASIN; SINGH, 2009). Trata-se de um

    esporte caracterizado por aes motoras intermitentes de alto impacto, alta intensidade e curta

    durao, alternadas com perodos de aes motoras de menor intensidade e maior durao

    (ANASTASIADIS et al., 2004). Nesse sentido, cabe ressaltar que alteraes articulares e

    desequilbrios de fora e flexibilidade nos msculos dos membros inferiores podem predispor

    o atleta perda de rendimento e a leses musculares (MOREIRA et al., 2004; BERTOLLA et

    al., 2007).

    As exigncias de treinamento intenso e repetitivo conduzem hipertrofia muscular e

    diminuio da flexibilidade, provocando desequilbrios entre msculos agonistas e

    antagonistas, que favorecem a ocorrncia de alteraes posturais, dores e leses

    musculoesquelticas. As alteraes musculoesquelticas resultam em efeitos deletrios para a

    postura, o que, adicionado a gestos especficos da modalidade e erros na tcnica de execuo

    dos movimentos, podem aumentar a prevalncia de leses durante a prtica do esporte

    (LADEIRA, 1999; RIBEIRO et al., 2003; KLEINPAUL et al., 2010).

    Capa ndice 1010

    Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extenso- CONPEEX (2012) 1010 - 1024

  • A incidncia de leses e seus fatores de risco em adultos praticantes de futebol so

    objetos de muitos estudos (LADEIRA, 1999; NIELSEN; YDE; 1989), no entanto poucos

    trabalhos tm abordado os desvios posturais decorrentes da prtica desta modalidade

    (RIBEIRO et al., 2003; KLEINPAUL et al., 2010) e no foram encontrados estudos que os

    comparem com o de indivduos sedentrios.

    2. OBJETIVOS

    Atravs deste estudo pretendemos detectar a prevalncia de alteraes posturais

    comparativamente entre grupos de indivduos praticantes regulares de futebol e sedentrios

    3. METODOLOGIA

    Fizeram parte desta pesquisa 131 indivduos, do sexo masculino, com idade entre 18 e

    21 anos, sedentrios (n=80) ou praticantes de Futsal a mais de 1 ano (n=51), que concordaram

    em participar da pesquisa atravs da assinatura do Termo de Consentimento Livre e

    Esclarecido (CEP/UFG 290/2010). Dentre os jogadores de Futsal e sedentrios a mdia de

    idade foi de 18,290,67 e 18,650,63 anos e a mdia do ndice de massa corprea (IMC) foi

    de 22,613,6 e 22,433,79 Kg/m, respectivamente Os indivduos que no se enquadraram

    nos critrios de incluso e os que tiveram histrico de leso, doena ou anormalidade que

    tenha dificultado ou impossibilitado a realizao de movimentos por pelo menos quatro

    meses, no fizeram parte deste trabalho. Foram considerados sedentrios os que no

    praticaram atividade fsica regular a mais de um ano e, os praticantes de futsal, os que nos

    ltimos doze meses, realizaram pelo menos trs sesses semanais de treino, com durao de

    no mnimo 90 min cada.

    Para este estudo, os indivduos foram questionados sobre qual membro superior era

    utilizado como preferencial para escrever e qual membro inferior era utilizado

    preferencialmente para chutar. De acordo com o relato de cada um, os que respondiam serem

    os membros do lado direito ou lado esquerdo foram considerados destros ou sinistros,

    respectivamente.

    A avaliao foi realizada atravs do software Posturograma 3.0, onde dados referentes

    a idade, peso, altura, prtica de exerccio fsico e histrico clnico foram registrados.

    Posteriormente foi realizada a aquisio de imagens para a avaliao postural. Foram obtidas

    6 fotos digitalizadas (Sony Cyber-shot DSC-N1), no formato de 640x480 pixels que

    Capa ndice 1011

  • permitiram avaliar a face ventral e dorsal, perfil direito, perfil esquerdo, flexo anterior (vista

    face ventral) e flexo anterior (vista face perfil). Foram usadas etiquetas adesivas de 5 mm de

    raio para marcao dos pontos anatmicos: glabela, acrmio, espinha ilaca ntero-superior

    (EIAS), bordo anterior do malolo lateral e trago bilateralmente. Para fins de escala em

    medies do programa, rguas de 10 cm de comprimento foram fixadas na superfcie anterior

    e lateral do brao direito e na superfcie posterior e lateral do brao esquerdo.

    As fotos foram realizadas no 41. Batalho de Infantaria Motorizada de Jata GO em

    uma sala privada com uma parede branca e no vestirio do ginsio onde os praticantes

    regulares de futsal treinavam, com os indivduos trajados com roupa de ginstica. A mquina

    fotogrfica posicionada em um trip a uma distncia de 3 m da pessoa que foi avaliada que

    esteve em posio ortosttica com o p a 20 (rotao lateral a partir da articulao de

    quadril). Uma pessoa de cada vez foi fotografada e depois realizada a mensurao das

    imagens na tela de edio do programa, verificando a distncia entre os pontos anatmicos e

    permitindo quantificar os desvios posturais.

    Atravs do programa, na vista anterior, foi traada uma linha no meio dos malolos

    mediais (representando o fio de prumo), esta deveria estar alinhada com a glabela (ponto

    craniomtrico localizado entre as sobrancelhas), se no alinhada, a distncia foi calculada em

    desvio da glabela. Ainda na vista anterior foram mensuradas a distncia do acrmio direito e

    esquerdo ao solo em vista anterior, distncia das EIAS ao solo. Em vista posterior,

    bilateralmente, foi traada uma rgua medindo a distncia entre o epicndilo medial do mero

    e o tronco, representando a distncia do Tringulo do Talhe.

    Em perfil direito e esquerdo tambm foram traadas retas representando o fio de

    prumo que comeou na borda anterior do malolo lateral e este deveria estar alinhado com o

    ponto mdio do acrmio e trago. Tambm foi traada a linha posterior tangente regio mais

    posterior de cada indivduo. Para identificar os desalinhamentos e rotaes foram calculadas

    as distncias bilaterais entre o acrmio e o trago ao fio de prumo e distncia da EIAS a linha

    posterior. Foi traada uma rgua partindo desta linha at o occipital para calcular a distncia

    do occipital a linha posterior (normalmente alinhados),e a distncia do pice da curva da

    lordose lombar e a linha posterior.

    Em flexo de tronco na vista anterior foi traada bilateralmente uma rgua para

    mensurar as distncias dos pices das curvaturas torcicas ao solo, para detectar a presena de

    gibosidade torcica. Em flexo de tronco em perfil foi traada uma rgua da espinha ilaca

    pstero-superior (EIPS) ao solo (distncia do EIPS ao solo em flexo) e outra do pice da

    curvatura torcica ao solo (distncia do pice da curvatura torcica ao solo em flexo). O

    Capa ndice 1012

  • encurtamento de cadeia muscular posterior foi detectado neste trabalho, nos casos em que a

    distncia da espinha ilaca pstero-superior ao solo foi maior que a distncia do pice da

    curvatura torcica ao solo.

    A avaliao postural observacional foi realizada, segundo Bienfait (1995) para

    verificar alinhamento dos malolos mediais e cndilos mediais, classificando assim o joelho

    em varo, valgo ou normal. O indivduo foi caracterizado com joelho varo se este apresentasse

    alguma distncia entre os cndilos mediais femorais e contato dos malolos mediais na

    tentativa de manter contatos entre as duas regies, se o indivduo teve contato entre os

    cndilos mediais femorais e teve alguma distncia entre os malolos mediais, este foi

    caracterizado como valgo. O alinhamento de joelho no plano sagital foi realizado segundo

    Santos (2001), sendo considerado joelho em flexo aquele que mostra patela sem mobilidade

    ltero-lateral (indicando contrao de msculo quadrceps femoral), e, em hiperextenso, o

    joelho que apresenta valor menor que 170 no ngulo formado por retas que, numa vista

    lateral, partem do trocnter maior do fmur e do centro do malolo lateral e que se cruzam ao

    nvel do centro do cndilo femoral.

    A avaliao do arco longitudinal plantar foi realizada por meio da anlise da impresso

    plantar do p direito e esquerdo de cada atleta, utilizando um Pedgrafo da marca SalvaP. A

    anlise foi feita atravs do ndice de Chipaux Smirak (ICS), conforme descrito por Pezzan

    et al., (2009). Para a obteno desse ndice, foram traadas duas tangentes, uma passando

    pelos pontos mais mediais e outra passando pelos pontos mais laterais nas regies das cabeas

    dos metatarsos e do calcneo. Em seguida foram traadas duas retas paralelas, a primeira

    ligando o ponto mais medial ao mais lateral na regio das cabeas dos metatarsos, obtendo

    nesse ponto a maior largura da impresso (segmento a); a segunda reta foi traada sobre a

    menor largura do arco longitudinal plantar (segmento b). Ambos os segm