Aula 04 arts & crafts 2013

Download Aula 04   arts & crafts 2013

Post on 18-Nov-2014

1.991 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Arts &amp; CraftsUTFPR | DADIN Tecnologia em Design Grfico Teoria do Design Profa. Maureen Schaefer Frana. profa.maureen@gmail.com</li></ul><p> 2. Arts &amp; CraftsNova classe social: os proletariados (antigos camponeses, artesos e suas mulheres).Inglaterra: contexto socioeconmico -Riqueza material X misria das massas. -Industrializao: condies de trabalho e de vida desumanas. salrios baixos, falta de proteo contra acidentes de trabalho, ar contaminado, limpeza de mquinas no domingo, cortios...Jornada de trabalho: 14 a 16 horas. 3. Arts &amp; CraftsInglaterra: contexto socioeconmico -Fbricas: poluio ambiental. -Produo em massa: baixa qualidade dos objetos. falta de acabamento, materiais baratos.Exemplo: contaminao da gua: comprometimento na qualidade das cervejas 4. Arts &amp; CraftsProtestos: condies desumanas de vida e de trabalho, poluio, produtos de baixa qualidade.Contexto poltico Essas questes impulsionaram o surgimento de movimentos reformistas em diversas reas na metade do S 19. Sindicatos-Melhores condies de trabalho, educao e moradia. -Objetos simples, baratos e honestos.Elite-Contra o mau do gosto dos objetos industriais.Movimentos de artistas e artesos-Contra a m qualidade, desonestidade* e fealdade dos objetos industriais. -A favor da revitalizao do artesanato. -Elevar o padro da produo e do gosto dos consumidores.Representantes da indstria e do comrcio-Reformas nos processos de produo. -Melhoria na formao profissional.Cidades-jardim-Movimento de proteo natureza. -Reforma agrria e do sistema de sade.*Formas tcnicas disfaradas com ornamentos histricos 5. Arts &amp; CraftsDesign e poltica: uma questo de sobrevivncia nacional (1830~1840)-Graves condies econmicas. 1 depresso comercial a afetar a nova economia industrial.Estratgias: -Escolas de design subsidiadas-Preocupao com o comrcio internacional.pelo governo.a concorrncia poderia produzir bens de design superior.-Exposies de arte e design.-A melhoria do design parecia vital para a sobrevivncia econmica da Gr-Bretanha. 6. Arts &amp; CraftsDomnio das Belas Artes: a indstria percebe que suas necessidades no estavam sendo atendidas adequadamente.South Kensington (1837) -Primeira escola de design subsidiada pelo governo. -Objetivo: abastecer a indstria com designers bem treinados.The Illustrated London News, 1843 http://www.victorianlondon.org/education/schoolofdesign.htm 7. Arts &amp; CraftsPara algumas pessoas, a aparncia de inferioridade do design britnico devia-se mecanizao e falta da habilidade artstica do trabalhador. Mas para Robertson, o mau design foi atribudo ao sistema capitalista que pe a quantidade e o lucro frente da qualidade. J. C. Robertson, editor da Mechanics Magazine, em depoimento Comisso Especial sobre Artes e Manufaturas em 1835. 8. Arts &amp; CraftsJournal of Art and Manufactures: melhorar o padro da indstria.Society of Arts (1843) -Presidncia: Prncipe Albert. -Grupo de artistas. Henry Cole + Owen Jones + Richard Redgrave + Matthew Wyatt.Henry Cole: Responsvel pelo primeiro selo de postagem do mundo: Penny Black (1839)-Objetivo: colocar as Belas Artes a servio dos objetos manufaturados. -Estratgias: exposies e veculos de comunicao.Henry Cole: Inventor do carto de Natal (1845) 9. Arts &amp; CraftsA cultura burguesa moderna fez uma separao brusca entre o mundo das artes e o mundo da tcnica e das mquinas, de modo que a cultura se dividiu em dois ramos.Essa separao tornou-se insustentvel no final do sculo XIX. A palavra design entrou nessa brecha como uma espcie de ponte entre esses dois mundos. 10. Arts &amp; CraftsJournal of Design (1849) -Henry Cole (fundador) e Richard Redgrave (editor).Problemas:-Design identificado apenas como ornamentao. -Separao do design dos processos de produo.Objetivo: adequao do ornamento funo, considerando o contexto de uso pelo consumidor.O ornamento era visto como um ingrediente necessrio que dava prazer aos sentidos. O problema era estabelecer a harmonia entre decorao e funo. 11. Arts &amp; CraftsDesign desonestoProdutos com excessos decorativos eram consumidos para proclamar a posio recm-adquirida das novas classes mdias.Fabricantes usavam a decorao para fazer artigos simples parecerem maiscomplexos e artesanais e portanto mais caros do que precisavam ser.A aplicao indiscriminada de ornamentos resultava com muita frequncia num abismo entre estilo e funo. 12. Arts &amp; CraftsLareira Proserpine de Alfred Stevens para Hoole, 1850. Conciliao entre ornamento e utilidade: padres decorativos funcionavam como sadas de ventilao. 13. Arts &amp; CraftsTodavia, muitos produtos eram artesanais.A Grande Exibio (1851) -Ideia de Henry Cole. -Exposio: comrcio e nacionalismo. -Propsito: melhorar o gosto do pblico, educar os artesos.Mostrar os avanos da poca: mquinas, produtos, matrias-primas. 14. Arts &amp; CraftsPalcio de Cristal (1851) de Joseph Paxton: uso de novos materiais abordagem funcional, sem ornamentos. Unidades pr-fabricadas e padronizadas de ferro e vidro. 15. http://www.vam.ac.uk/content/articles/w/watercolours-of-great-exhibition/ 16. Arts &amp; CraftsA Grande Exibio (1851) -Design motivado pelas vendas. -Anarquia estilstica: conflito entre o velho e o novo. -Entusiasmo geral pelo ornamento. aplicaes no-funcionais, mas como representaes de riqueza, status e bom gosto (classe mdia). 17. Arts &amp; Crafts A exposio gerou debate sobre bom e mau gosto no design.The Royal Commissioners, H. W. Phillips.Reao do grupo de Cole: uso inapropriado de ornamentos, sem regras. 18. Arts &amp; CraftsThe Grammar of Ornament (1856) -Autor: Owen Jones (1806-1889). artista decorativo, escritor e educador britnico.-Estudo dos ornamentos de diversas culturas. -Uso apropriado e funcional de motivos e cores.Viagem Europa: estudo aprofundado dos desenhos e ornamentos da Itlia, Grcia, Turquia, Egito e Espanha. 19. Arts &amp; Crafts 20. Arts &amp; CraftsMovimentos reformadores de artistas e artesos -Arts &amp; Crafts (Inglaterra). -Jugendstil (Alemanha). -Art Nouveau (Frana, Blgica). -Deustcher Werkbund (Alemanha).Interessam, sobretudo, aqueles movimentos que criaram novas formas para o cotidiano. 21. Arts &amp; CraftsArts &amp; Crafts (1860-1880)Ruskin: escritor e artista foi responsvel pela inspirao filosfica do movimento.-Movimento socioesttico britnico. -A arte ao alcance da classe trabalhadora atravs do design.John Ruskin (1819-1900)W. MorrisMackmurdo 22. Arts &amp; CraftsObjetivos Qualidade artesanal. revitalizao do artesanato, produtos honestos.Formas honestas, mais singelas e belas. contraposio ao Estilo Vitoriano. Melhoria das condies de vida e de trabalho. Ruskin: arte + ofcio, trabalho artesanal, habitao popular, educao e benefcios de aposentadoria.Trabalhos vistos como tarefas de cunho social e moral. 23. Arts &amp; CraftsGothic Revival: movimento de base espiritual em contraposio a ideia de estilo como mero smbolo de status social.Gothic Revival (1830)-Movimento arquitetnico que influenciou o Arts &amp; Crafts. -Preocupao com o futuro: reavaliar acontribuio do passado. -Idade Mdia: forte conexo entre arte e cristianismo representando o auge da perfeio. Ruskin e PuginAugustus Pugin (1812 1852), o arquiteto da Rainha Vitria. Autor do Palcio Westminster. Catlico devoto valorizava a f da Idade Mdia. 24. Arts &amp; CraftsHouses of Parliament (1840-60). Autoria: Barry e Pugin.Idade Mdia: poca na qual o artesanato e a arte, a utilidade e a beleza ainda teriam constitudo uma unidade. 25. Bread plate, ca. 1850.Wallpaper for the Palace of Westminster, 1847. 26. Arts &amp; CraftsWilliam Morris (1834-1896)-Artista, arquiteto, designer, escritor e socialista - lder do movimento Arts &amp; Crafts.-De famlia abastada, foi criado no meio rural rodeado por igrejas, manses e florestas. -Leituras de histrias medievais, crnicas epoesias.1853: conhece Edward Burne-Jones (18331898) no Exeter College. Em uma viagem Frana (1855), eles decidem se tornar artistas em vez de clrigos. 27. Arts &amp; CraftsWilliam Morris-Morris abandona a carreira dearquiteto e junto a Burne-Jones parte para a pintura. -Realizam pinturas romnticas de pompa medieval.Edward Burne-Jones - Laus Veneris, 1869, oil with gold paint on canvas, 122 x 183 cm. 28. Arts &amp; CraftsWilliam Morris-Casa-se com Jane Burden. -Red House: entra em contato com o design. m qualidade dos artefatos vitorianos: criao de peas prprias (mveis, vitrais e tapearias).La Belle Iseult, 1858 29. Phillip Webb 30. Arts &amp; CraftsPreocupado com os problemas da industrializao, tentou implementar as ideias de Ruskin: unio da arte e do trabalho a servio da sociedadeMorris, Marshall, Faulkner and Co. (1861) e Morris &amp; Co. (1875)-Inspirao: arte medieval e plantas. -Criada no modelo medieval dascorporaes de construtores. -Serviu de modelo para numerosas guildas.Mveis relativamente caros produzidos artesanalmente.P. Webb, Cabinet 1861, Morris, Marshal, Faulkner &amp; Co. 31. Arts &amp; Crafts-Assento em palha -Tom rural, rstico -Torno: retorno Idade MdiaWilliam Morris. Sussex Rush-Seated Chairs. c. 1860. Morris, Ladder back, c. 1860. 32. Arts &amp; CraftsInterior de uma casa com mveis e decorao Arts and Crafts.Sussex Rush-Seated Chairs. Page from the Morris and Co. catalogue. c. 1860. 33. Arts &amp; Crafts'Acanthus', wallpaper, 1875.William Morris, Pink and Rose, wallpaper design, ca. 1890. 34. Arts &amp; CraftsFruit (or pomegranate) wallpaper, 1866.William Morris. Rose and Lily, 1900. 35. Arts &amp; CraftsMorris, Vitral, c. 1890.Alguns tecidos eram estampados com corantes vegetais.Tapetes tecidos manualmente. 36. Arts &amp; CraftsCentury Guild (1882)-Grupo de designers, artistas e arquitetos. -Mobilirio, vitrais, bordados, livros. -Influncias: renascimento, natureza ejaponismo.Arthur Mackmurdo: Folha de rosto para seu livro Wrens City Churches (1883).O movimento foi respaldado por uma srie de guildas. Essas comunidades realizavam exposies, sendo baseadas em ideais socialistas e muitas vezes religiosos. 37. Arts &amp; CraftsCentury Guild (1882)Alguns projetos do Mackmurdo anteciparam o Art Nouveau, explorando pela primeira vez o abstrato entrelaamento de padres florais. Mas o designer acabou por no aprofundar esse caminho e o Art Nouveau s veio a tomar corpo uma dcada depois.Arthur H. Mackmurdo. ca. 1887-ca. 1888. Woven wool and cotton. Mackmurdo: Cadeira, 1881. 38. Arts &amp; CraftsCentury Guild: Hobby Horse (1884)-Primeiro peridico a apresentar o ponto de vista do Arts &amp; Crafts. -Inspirao nos artesos do passado elivros medievais.Mackmurdo: precursor do Movimento de Imprensa Particular, que advogava uma preocupao esttica na produo de livros. 39. Arts &amp; CraftsCentury Guild: Hobby Horse (1884)-Impressoras privadas: livros requintados. -Preocupao: proporo, margens, espaamento, escolha de papel e tipos.-Impresso xilogrfica de ilustraes feitas mo.Selwyn Image (1849-1930) 40. Arts &amp; CraftsGuild of Handicraft (1888)Charles Ashbee (1863-1942) -Arquiteto e designer. -Trabalhos em metal. 41. Arts &amp; CraftsCharles Voysey-Arquiteto e designer. -Inglaterra, 1857-1941. 42. Arts &amp; Crafts Primeira exposio: Sociedade de Exposies de Artes e Ofcios.Sociedade das Artes Unidas (1888)-Presidncia: Walter Crane. -Promoo de exposies.Exibio que d nome ao movimento.Apresentaes e palestras: Design (Crane), Tapearia (Morris), Projeto de livros (Emery Walker). 43. Arts &amp; CraftsKelmscott Press (1892-1898)-Morris: interesse antigo por livros. -Livro como forma de arte.-Papel artesanal, velino, impresso manual, xilos feitas mo.The Story of the Glittering Plain: primeiro livro com ilustraes de W. Crane. Tipo Troy inspirado nos trabalhos de Peter Schoeffer. 44. Arts &amp; CraftsKelmscott Press (1892-1898)W. Morris, marca para Kelmscott Press, 1892.W. Crane, Bases of Design. Relao entre pginas duplas, margens. 45. Arts &amp; CraftsGolden primeiro tipo inspirado nos tipos romanos venezianos de Nicolas Jenson. 46. Arts &amp; CraftsCraftsman/Golden Oak/Mission StyleO movimento ingls inspirou designers norte-americanos que procuravam refgio da industrializao crescente doseu pas.Cadeira de Gustav Stickley, 1904: madeira e couro. 47. Arts &amp; CraftsCraftsman/Golden Oak/Mission Style-1898: Gustav Stickley viaja Europa onde conhece Voysey e Ashbee. -Ao retornar, cria a revista TheCraftsman. -Popularizao de ideias de design ligadas honestidade e simplicidade. 48. Cooperao entre artistas e a indstria 49. Cooperao entre artistas e a indstriaChristopher Dresser (18341904) criou objetosH. Cole, O. Jones e Christopher Dresser foram favorveis produo industrial .funcionais e simples. Para ele, era melhor se adaptar aos novos tempos do que se revoltar contra ele.Conjunto de ch em prata de 1880 para James Dixon, de Sheffield. 50. Cooperao entre artistas e a indstria Simplicidade baseada na anlise da funo e na facilidade de fabricao. Economia de materiais e reduo de custos.C. Dresser, regador de metal pintado, 1876. Richard Perry, Son &amp; Company.Christopher Dresser foi bastante influenciado pelos ensinamentos de Owen Jones, amigo de Henry Cole, durante sua passagem pela School of Design de Londres . nfase na geometria, rejeio de representaes estilsticas. JC. Dresser, jarro de vinho. 1880. 51. Cooperao entre artistas e a indstriaCompreenso das tcnicas dos metalrgicos das empresas para as quais prestou servio.Toast or letter rack, 1881, prata.Terrina e concha, ca. 1880.Biscuit box with cover, ca. 1870 52. Meios de Transporte 53. Meios de transporteLocomotivas: projetos em situao de originalidade.Carpinteiros e ferreiros.Wylam Dilly (1813) construda por Christpher Blackett. Exemplo das formas sem embelezamento, uso na mina de carvo. Sua forma deriva diretamente da funo mecnica. 54. Meios de transporteEngenheiros. Concorrncia: nfase na aparncia.Formas neoclssicas 55. Meios de transporteAnncio mvel: Formas da locomotiva e do vago, decorao interna, uniformes da tripulao, moblia, cartazes.Locomotiva 1666 (1893) de Samuel Johnson. A simetria segura e as linhas fluidas e limpas so caractersticas do design ingls de locomotivas do final do S 19. 56. Meios de transporteVago inglsDiligncias sobre vagoplataforma. xodo de construtores de coches para oficinas de construo ferroviria.1a classe: decorao e conforto embora no houvesse iluminao, aquecimentos e toaletes. 2a classe: bancos duros de madeira. 3a classe: paredes baixas.Vago Traveller da Liverpool and Manchester Railway, comeo da dcada de 1830. 57. Meios de transporte 1898Vago americano -Padronizao, corredor, portas na frente e atrs, aquecedor, toalete, iluminao com lampies. -Distncias longas, extremos climticos. -Diligncias no caem em desuso. -Maquinista (na Inglaterra, condutor). 58. Integrao design-indstriaNavegao -Contraste entre a estrutura exterior e interna. -Grande hotel flutuante.Naus de madeira deram lugar a estruturas de ferro e ao movidas por mquinas a vapor e turbinas. Clculos de velocidade ditavam a forma do casco. 59. Rivalidade nacional e comercial: diferenciao esttica e prtica. Cenrios exticos: cabanas de caa da Baviera, manses Tudor um mundo de fantasia. Enjos e perigos do mar: diverso. 60. Teoria do DesignReferncias CARDOSO, Rafael. Uma introduo...</p>