Artigo Ecopropaganda

Download Artigo Ecopropaganda

Post on 29-Nov-2014

1.166 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Artigo do meu Trabalho de Concluso do Curso de Publicidade e Propaganda, nas Faculdades Integradas de Taquara, sobre Ecopropaganda.

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. A ECOPROPAGANDA NO VALE DO PARANHANA E SERRAGACHA: O POSICIONAMENTO DAS AGNCIAS DE PUBLICIDADEE SEUS CLIENTES FRENTE PROTEO AMBIENTAL RAFAEL MOELLER HARTZ1RESUMOUm estudo criterioso foi desenvolvido com a inteno de conhecer o envolvimento dasagncias de publicidade e propaganda do Vale do Paranhana e Serra Gacha com aEcopropaganda, tendncia que vm se intensificando nos ltimos anos nesta rea profissional,dadas as mobilizaes sociais em torno do tema ambiental. Neste sentido, foi feito um estudobibliogrfico sobre o assunto, tendo como objetivo conhecer a Ecopropaganda e ocomportamento que o consumidor tem diante dessa nova forma de comunicao. Em seguida,foi realizado um levantamento descritivo que procurou conhecer o posicionamento dasagncias da Regio em relao Ecopropaganda e o grau de envolvimento de seus clientescom preservao ambiental. Depois da anlise realizada, foi possvel perceber os desafios aserem enfrentados pelas agncias de publicidade da regio, com destaque necessidade destasse atualizarem para desenvolverem trabalhos que visem a sustentabilidade e a preservaoambiental. Salienta-se ainda a necessidade de maior envolvimento das agncias depublicidade e propaganda do Vale do Paranhana e Serra Gacha com a causapreservacionista, unindo a vontade de preservao com aes efetivas em prol do meio-ambiente.Palavras-chave: Ecopropaganda. Responsabilidade ambiental. Agncias de Publicidade ePropaganda.ABSTRACTA careful study was developing with the intention of discovering the involvement ofParanhanas Valley and Gaucho saw propaganda and advertising agencies with theEcopropaganda, coming trend is intensifying in recent years in this business area, given thesocial mobilization around the environmental theme. In this sense, has done a bibliographicstudy on the subject, with the objective to know the Ecopropaganda and behavior thatconsumers have faced this new form of communication. Then, there was a descriptive surveywhich sought to know the position of the agencies of the Region in relation to Ecopropagandaand degree of involvement of its customers with environmental preservation. After theanalysis, it was possible to understand the challenges being faced by advertising agencies inthe region, emphasizing the necessity of updating is to develop work aimed at sustainabilityand environmental preservation. It is also the need for greater involvement of agencies foradvertising and propaganda Paranhanas Valley and Gaucho saw concerned with thepreservation, uniting with the desire to preserve effective actions in support of theenvironment.1 Acadmico do Curso de Publicidade e Propaganda /FACCAT - rafaelhartz@gmail.com </li> <li> 2. Keywords: Ecopropaganda. Environmental liability. Publicity and Advertising Agencies.1 INTRODUO Aps a chegada dos portugueses a regio que hoje o Brasil, comeava um perodode explorao e de extrao da mata nativa. Era o comeo da degradao ambiental que aolongo de dcadas se materializaria de tal forma que hoje um problema grave no Brasil, comoem todo o mundo. Hoje se observa que a onda ecolgica est presente na mdia, mas ainda parcialmente longeda mente do cidado. Muitas empresas esto se articulando a tal modismo, mostrando aespreservacionistas para todos verem. Importa-nos perguntar e refletir sobre esse novo posicionamentopor parte das empresas: estariam as empresas aproveitando a oportunidade para se posicionar nomercado e incrementar vendas, frente comoo preservacionista ecolgica que ensaia tomar conta domundo? J as empresas, que esto verdadeiramente comprometidas com a responsabilidade ambientalpodem fazer as seguintes perguntas: o que fazer para atender mais as questes ambientais? Comodevem agir, uma vez que no atual sistema, alm de manter a boa imagem, precisam continuarproduzindo e obtendo lucro? O objetivo desse estudo aprofundar conhecimentos sobre a chamada Ecopropaganda,verificando como esta vem evoluindo no mercado publicitrio do Vale do Paranhana e Serra Gacha. Para justificar esse estudo, o autor ratifica que foi mobilizado pela crena de preservaoambiental necessria para se ter um futuro ecologicamente sustentvel. Sua preocupao com achamada onda verde que est presente na mdia.2 REFERENCIAL TERICO Hoje, preservar, alm de importante est na moda. E algumas empresas acordaram -pelo menos publicitariamente para a questo ecolgica. So empresas fazendo suasembalagens de papel reciclado; so indstrias plantando rvores para amenizar os efeitos queseus atos podem acarretar a natureza; so estabelecimentos comerciais promovendo osprodutos que no agridem o meio ambiente, etc. Claro que no podemos negar que toda ao </li> <li> 3. a favor da preservao vlida e, neste nterim, difcil separar as que o fazem por realmenteestarem engajadas na causa das que simplesmente se promovem com tal atitude. Mainon (1994), apud Giacomini Filho (2004), afirma que essas atitudes, da busca de umcaminho nico para a humanidade, j ocorria em 1972, com a realizao da primeira grandeconferncia internacional sobre o meio ambiente, a Conferncia de Estocolmo, que chamou a atenodo mundo para a gravidade da situao ambiental. Vinte anos aps a Conferncia de Estocolmo,acontece, em junho de 1992, no Rio de Janeiro, Brasil, a Conferncia Internacional sobre MeioAmbiente e Desenvolvimento Sustentvel, que ficou conhecida como a Rio-92 e Eco/92. Hoje, a preservao necessria para garantir-nos um futuro ambientalmentesustentvel. No entanto, quando ouvimos falar em conscientizao ecolgica, preservaoambiental, respeito ao meio ambiente poderamos lembrar dos ecochatos, que costumamnos incomodar com aquela conversa sobre preservao. Segundo Giacomini Filho (2004), podemos classificar a tipologia comportamentaldos indivduos diante do assunto ecologia, da seguinte forma: Ecoterroristas Podempraticar atos ilcitos em nome da causa.; Ativistas Integram grupos de preservao eprocuram agir dentro da lei; Vanguardistas So intelectuais, polticos e lderes de opiniopreocupados com a causa; Ecoempreendedores So empreendedores que encaram a questoecolgica como parte de seu projeto de vida profissional e pessoal; Ecolight Procuramqualidade de vida, praticando aes ambientais; Ecochatos ai est ele So os queconsideram o meio ambiente prioritrio. Procuram impor sua conduta a todos; Crticos Soos descrentes de um futuro melhor.; Tradicionalistas Consideram que a mdia e as pessoasexageram nos problemas ambientais; Eucologistas So individualistas e no tem apreservao na sua agenda; Apticos So indiferentes ou esperam que algum faa algumacoisa pelo meio ambiente e quando fazem, criticam a ao; Nativos Interagem com o meioambiente de forma a compor um ecossistema sustentvel; Ecopredadores Tratam comdescaso os danos ambientais, dando importncia apenas para as atividades produtivas. Dessa maneira torna-se indispensvel entender o que se passa na cabea do indivduoenquanto consumidor. Para isso necessrio recorrer aos estudos feitos por Michael R.Solomon (2002), que afirma ter o consumidor a caracterstica de necessitar dos grupos dereferncia para formar suas opinies. </li> <li> 4. Os protagonistas da causa ambiental tm na propaganda um instrumento poderosopara comunicar, difundir, persuadir e disseminar idias relacionadas preservao,recuperao, preveno e ao equilbrio de recursos ecolgicos. A Ecopropaganda aferramenta adequada, j que tem a misso de difundir a ideologia preservacionista para umadeterminada audincia. O produto verde fica dependente da aceitao do cidado para que tenha xitocomercial. Nessa oportunidade deve agir o profissional de comunicao que presumidamentedever estar preparado para lidar com cada um destes consumidores. Ainda em relao publicidade verde, Giacomini Filho (2004) nos prope ummodelo que pode apontar o resultado interativo deste novo segmento no contexto da culturaorganizacional das empresas. Um anunciante pode posicionar-se como: Verde assumido tem uma cultura proativa ambiental e propaga aes e produtos utilizando fatores ecolgicos;Verde, mas no espalhem que caracteriza-se por ser voltado para o meio ambiente, masrecusa-se a fazer publicidade; Eu, verde? a organizao que no se v atuando na reaambiental; Vejam-me verde caracteriza a empresa que no tem cultura ecolgica, mas querser reconhecida pelo mercado como praticante dessa rea.3 PUBLICIDADE, PROPAGANDA E ECOPROPAGANDA A propaganda, hoje, responsvel pelo sustento de boa parte da mdia e inseparvel do setor de negcios e de produo. Segundo SantAnna (1998), publicidade tornar pblico um fato, uma idia.Propaganda definida como a propagao de princpios e teorias. De acordo com Malanga(1977), a Propaganda pode ser conceituada como: atividades que tendem a influenciar ohomem, com o objetivo religioso, poltico ou cvico. Propaganda, portanto, a propagao deidias, mas, sem finalidade comercial. </li> <li> 5. 3.1 Ecopropaganda A Ecopropaganda j est presente em nossas vidas, mesmo que no saibamosidentific-la. GIACOMINI FILHO (2004), enfatiza que ela uma das formas especializadasda propaganda, como a propaganda poltica, religiosa, ideolgica, institucional e outras.Considerado o criador da terminologia Ecopropaganda, Giacomini Filho destaca ainda ospostulados da mesma: Universalizao em que a entidade tenta mostrar que o assuntoecolgico, mesmo localizado, deve interessar a todos. Exemplo: cuide do seu lixo;Transferncia em que o atendimento aos interesses da entidade ecolgica se insere nosinteresses de uma coletividade. Exemplo: a fora do Partido Verde; Liderana sustentadapor pessoas que personalizam a causa, por exemplo, Chico Mendes, Jos Lutzenberger;Ameaa pode ser uma empresa, uma lei, uma tecnologia ou at uma entidadegovernamental, que, com seus atos ou atributos, ameaam o meio ambiente e devem serneutralizadas. Exemplo: ataque as empresas responsveis pela tecnologia dos transgnicos;Repetio consiste na redundncia da informao para ser mais bem percebida entendida ouenfatizada. Exemplo: martelar uma idia na cabea dos funcionrios ou alunos; Controle seriam formas de controle do fluxo de comunicao, algo que pode ser exemplificado pelasentidades ambientais quando monitoram projetos; - Contrapropaganda tem a finalidade deneutralizar, dissuadir ou desfazer uma outra propaganda. Como exemplo, o ataque propostade transposio do rio So Francisco; Dissimulao em que o discurso indireto ou implcitopode ser mais bem aceito, introjetado, com efeito mais prolongado. Exemplo: o uso de umamarca de uma entidade ambiental por um artista. Portanto, entende-se como forma de Ecopropaganda toda manifestao relacionadacom a sustentabilidade ambiental, como, por exemplo, obra literria, embalagens, anncios,produtos e servios, discursos, programas na mdia, internet, material de comunicaoempresarial, etc.. (GIACOMINI FILHO, 2004,p.28) Algumas empresas perceberam, independente das exigncias legais, umaoportunidade de negcio. A Faber Castell (www.faber-castell.de, acessado em agosto de2007), empresa alem fundada em 1761, possui 15 fbricas de lpis ao redor do mundo. Elautiliza madeira prpria cultivada em Minas Gerais, no Brasil, para garantir a preservao dosrecursos naturais e a qualidade de seus 1.8 milhes de lpis fabricados anualmente. </li> <li> 6. Outro exemplo interessante o da Aracruz Celulose, empresa brasileira consideradaa maior produtora mundial de celulose branqueada de eucalipto. As operaes florestais daAracruz alcanam os Estados do Esprito Santo, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.So aproximadamente 242 mil hectares de plantios prprios de eucalipto, intercalados com121 mil hectares de reservas nativas de propriedade da empresa, que so mantidas intocveispara assegurar o equilbrio do ecossistema. Para se desenvolverem, indstrias esto investindo mais na sua imagem que na linhade produo. Partindo do proposto por Kotler, entende-se que um dos motivos pelo qual asempresas esto investindo na qualidade ambiental o marketing. Ou, como preferem chamaralguns profissionais, o marketing verde ou marketing ambiental e a necessidade dereconhecimento pela populao. Hoje possvel encontrar no mercado produtos com selos ou rtulos que se referem acaractersticas especficas, como reciclvel, baixo consumo de energia,etc. Outros,indicam que o produto causa menos efeito ao meio ambiente, dentro de uma dada categoria(os selos verdes). A Rotulagem Ambiental um assunto tambm tratado atravs daInternational Standardization Organization (ISO), uma organizao no-governamental,sediada em Genebra, fundada em l947, como o objetivo de ser o frum internacional denormalizao. Passados onze anos desde a oficializao da Norma ISO 14001, o assuntoainda gera polmica. Segundo Reis (1996), podemos dizer que a empresa detentora docertificado ISO 14001 no garante com isso total iseno de agresso ao meio-ambiente, jque, pode-se implantar ou adotar a ISO em apenas um setor da empresa. Dessa forma ainda impossvel afirmarmos que uma empresa com certificado ISO 14001 totalmentecomprometida com o meio-ambiente e sim tem a inteno de mostrar isso aos seusconsumidores. 4 O CONSUMIDOR Segundo Oliveira (2002), a sociedade moderna est mais atenta ao comportamentodas empresas: as pessoas tm preocupaes com o meio ambiente, com a segurana e com aqualidade de vida e dos produtos. Mas, estaria o consumidor disposto a pagar um valor maisalto por mercadorias e servios e coeficientes? </li> <li> 7. Ottman (1994) define o consumidor verde como sendo aquele indivduo que procurabasear seu consumo apenas em produtos que causem o menor impacto ao meio ambiente, ouseja, aqueles que buscam conscientemente causar um impacto nulo ou favorvel ao meioambiente e sociedade. Outro fator a ser entendido que os consumidores tm limites aserem considerados, em termos de preo e convenincia. Eles desejam produtos que sejamadequados ao meio ambiente, mas no comprometam seu estilo de vida, sua renda mensal. 5 PESQUISA A anlise realizada at aqui, cria uma srie de questionamentos que necessitam deproblematizao emprica para serem...</li></ul>